Mercado

Inflação do Natal: conheça os itens que mais impactam na ceia e nos presentes

Na ceia, os ingredientes para fazer a tradicional rabanada estão entre os mais caros

Enfeites de natal em carrinho de compras. Foto: Pixabay
A inflação acumulada desde dezembro do ano passado, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) está em 5,47%. Foto: Pixabay

Por Redação B3 Bora Investir

O Natal é daqui a cinco dias e os brasileiros vão precisar se preparar para pagar mais caro nos principais produtos e ingredientes da ceia natalina. Do lado dos presentes, a situação dos preços é a mesma, ainda assim é possível encontrar itens mais em conta.

A inflação acumulada desde dezembro do ano passado, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) está em 5,47%. No entanto, os preços da alimentação no domicílio – onde estão os principais itens do jantar de Natal – subiram 12,7% no período.

O preço do bacalhau subiu 7,9% e foi seguido pelo frango que avançou 5,1%. Os ingredientes para fazer a rabanada, um dos doces mais tradicionais do Natal, estão muito mais caros. O preço do leite e derivados cresceu 26% – o leite in natura quase 40%, o pão francês avançou 18% e os ovos subiram 20%. O único item que registrou deflação, ou seja, queda nos preços, foi o açúcar que caiu 1,1%.

A economista da XP, Tatiana Nogueira, afirma que a escalada global nos preços de matérias-primas – como proteína animal, milho e trigo – foram consequência do La Niña, fenômeno climático que impacta o regime de chuvas. Os efeitos da pandemia e a guerra na Ucrânia – um dos maiores exportadores de grãos – também mexeram nos preços.

“As commodities agrícolas ficaram pressionadas nos últimos dois anos por conta da pandemia, questões climáticas (com quebra de safras) e a guerra. Isso tudo eleva os custos, mesmo com uma desaceleração pontual na margem recentemente”, explica.

+ Como investir em commodities? Aprenda a aplicar na bolsa

Presentes de Natal

Os presentes de Natal também não escaparam da inflação em patamares elevados. O grupo de vestuário e calçados teve o maior impacto no índice de preços. As roupas tiveram aumento de 17,4% e os calçados 16,6%. As roupas masculinas subiram 20,9%; seguida das femininas (19,5%) e infantil (13,6%).

Para a economista da XP, além do aumento na demanda por esses itens no fim de ano – o que encarece os preços – o custo da produção também subiu. A combinação foi explosiva para alavancar os preços.

“O algodão subiu 150% desde o começo da pandemia e até tecidos sintéticos sofreram com o aumento. No início da Covid-19 o consumo caiu, mas depois voltou a subir. O custo ficou elevado, as pessoas tinham disponibilidade de renda e, então, o repasse foi feito para esse setor. Para o ano que vem, enxergamos uma desaceleração mas, por ora, esses produtos devem continuar pressionados”, afirma Tatiana.

Eletrônicos mais baratos

Os preços dos produtos eletrônicos e que estão na lista de presentes da garotada ficaram mais barato. A notícia é um alívio para os pais que devem pagar 8,5% menos pelos videogames e 2,6% menos em computadores.

Para os adultos, os principais produtos tecnológicos também ficaram mais em conta. Em um ano, os televisores e aparelhos de som sofreram deflação de -7,1% e -6,1%, respectivamente.

Se o seu filho não é muito ligado em tecnologia e prefere os presentes mais tradicionais prepare o bolso. O preço das bicicletas avançou 7,5%, enquanto os brinquedos em geral saltaram 15,5%.

Veja abaixo a lista completa da inflação nos itens da cesta de Natal e dos presentes no acumulado desde dezembro de 2021:

Índice geral: 5,47%

  • Leite e derivados: +26,6%
  • Ovo de galinha: +19,7%
  • Pão francês: +18,1%
  • Bacalhau: +7,9%
  • Azeite de oliva: +6,7%
  • Frango inteiro: +5,1%
  • Óleo de soja: +4,8%
  • Açúcar refinado: -1,1%
  • Roupa masculina: +20,9%
  • Roupa feminina: +19,5%
  • Calçados e acessórios: +16,6%
  • Roupa infantil: +13,6%
  • Joias e Bijuterias: +4,6%
  • Brinquedos: +15,5%
  • Bicicleta: +7,5%
  • Celular: +1,8%
  • Computador pessoal: -2,6%
  • Aparelho de som: -6,1%
  • Televisão: -7,1%
  • Videogame (console): -8,5%

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias