Mercado

Mercado financeiro hoje: Campos Neto e indicadores nos EUA movimentam o dia

Serão divulgados nesta quarta os índices de gerentes de compras (PMI) composto e de serviços dos EUA e Brasil, além de dados da balança comercial e sobre criação de empregos no setor privado nos EUA

Por Redação B3 Bora Investir

Duas palestras do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento do Bradesco BBI (9h) e em almoço do grupo Esfera Brasil (12h), devem movimentar os mercados nesta quarta-feira.

Ao longo do dia também estão previstos comentários no exterior de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE), às 11h, e do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), às 12h15.

Nas próximas horas são divulgados ainda os índices de gerentes de compras (PMI) composto e de serviços do Brasil (10h) e dos Estados Unidos da S&P Global (10h45). Dados norte-americanos da balança comercial em fevereiro (9h30) e sobre criação de empregos no setor privado no mês de março completam a agenda de indicadores.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve assinar decreto que promoverá mudanças no marco legal do saneamento.

No exterior

Em fevereiro, a abertura de postos de trabalho nos Estados Unidos caiu ao menor nível em quase dois anos, enquanto as encomendas à indústria tiveram queda maior do que se previa. A fraqueza dos indicadores reacendeu temores de recessão e elevou apostas em manutenção de juros pelo Fed em maio.

Na Europa, o PMI de serviços da zona do euro e Alemanha ficaram abaixo das estimativas preliminares.

As bolsas da Ásia fecharam sem direção única nesta quarta-feira, após Wall Street sofrer perdas na esteira de dados econômicos fracos dos EUA. O índice acionário japonês Nikkei caiu 1,68%, e o sul-coreano Kospi avançou 0,59%. Na China continental, assim como em Hong Kong e em Taiwan, os mercados não operaram hoje devidos a feriados.

No Brasil

O clima negativo lá fora pode contaminar o Ibovespa. Comentários do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, sobre o novo arcabouço fiscal, metas de inflação e o rumo da política monetária também podem influenciar o principal índice da bolsa.

Tem aumentado as reclamações de representantes do setor produtivo sobre o patamar atual de 13,75% ao ano da taxa Selic. A insatisfação acontece após as críticas do governo Lula aos juros elevados no País mantidos pelo Banco Central, apesar dos sinais de desaceleração da atividade interna.

Ontem, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que o Brasil pode experimentar no ano que vem um “choque de crescimento”. O cenário deve acontecer se o reequilíbrio das contas públicas, prometido no novo arcabouço fiscal, somado à reforma tributária, se combinar à redução dos juros.

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, afirmou que o texto do arcabouço deverá chegar à Câmara até terça-feira (11/3).

*Com informações da Agência Estado

Para saber mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias