Mercado

Mercado financeiro reduz estimativa de inflação para 2022

Boletim Focus, divulgado nesta segunda pelo Banco Central, aponta para uma queda do IPCA de 5,92% para 5,79% este ano – ainda acima do teto

Selic, PIB. Moedas e calculadora no celular. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O relatório Focus é publicado todas as segundas-feiras com as projeções do mercado financeiro para a economia brasileira. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Pela primeira vez em seis semanas, os economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de inflação deste ano de 5,92% para 5,79%, segundo Focus, do Banco Central (BC), divulgado nesta segunda-feira, 12/12. Apesar da projeção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ter caído, o resultado segue bem acima da meta do BC que é de 3,5% e do teto de 5%.

O relatório Focus é publicado todas as segundas-feiras com as projeções do mercado financeiro para a economia brasileira. Foram ouvidas pelo Banco Central mais de 100 instituições financeiras até o fim da semana passada. O relatório é essencial para o investidor pautar as suas conversas no início da semana e corrigir ou confirmar estratégias no mercado de ativos.

Para 2023, a mediana das expectativas para o IPCA manteve-se em 5,08%. Para 2024, permaneceu em 3,50%. Em ambos os casos, o valor está bem acima da meta do Banco Central que é de 3,25% em 2023 e 3% para 2024. A meta de inflação tem sempre uma margem de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Juros em 2023

A expectativa para a taxa básica de juros foi mantida em 11,75% ao ano no fim de 2023 e para 8,50% no encerramento de 2024. Neste ano, a Selic fecha em 13,75%, após o Comitê de Política Monetária ter decidido mantê-la na reunião da semana passada. No comunicado, o Copom disse que vai acompanhar a política fiscal do governo eleito “com especial atenção”.

“O Comitê acompanhará com especial atenção os desenvolvimentos futuros da política fiscal e, em particular, seus efeitos nos preços de ativos e expectativas de inflação, com potenciais impactos sobre a dinâmica da inflação prospectiva”, disse no comunicado.

Nesta terça-feira, 13/12, o Copom vai divulgar a ata dessa reunião. No documento, os investidores vão poder entender melhor a decisão sobre os juros e ter pistas do que virá pela frente. A expectativa dos analistas é que a ata será mais focada nos riscos fiscais, sem apontar o início do ciclo de corte na taxa Selic.

+ Selic a 13,75%: quanto renderia R$ 1.000 em Tesouro Direto com essa taxa de juros?

Produto Interno Bruto

Para o PIB, o mercado financeiro manteve em 3,05% a previsão de alta em 2022. Para 2023, a estimativa de crescimento também ficou estável em 0,75%.

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, num determinado período, e serve para medir a evolução da economia.

No terceiro trimestre deste ano, a economia brasileira cresceu 0,4%, na comparação com os três meses imediatamente anteriores, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este foi o quinto trimestre de alta consecutiva da atividade econômica do país. No entanto, em relação ao 2º trimestre, houve uma desaceleração no crescimento.

O resultado completo do PIB em 2022 será divulgado pelo IBGE no dia 02 de março de 2023.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias