Mercado

Mercado hoje: investidores monitoram taxa de desemprego no Brasil e PCE nos EUA

Investidores também devem repercutir dados do setor público consolidado brasileiro e confiança do consumidor norte-americano

Balcão da b3 em frente a uma tela com gráficos.
Bolsa do Brasil (B3): lançados em 2021, já existem 33 fundos que investem no agronegócio listados na bolsa. Foto: Divulgação/B3

Por Redação B3 Bora Investir

Os investidores devem repercutir hoje a taxa de desemprego brasileira no trimestre até maio e dos dados do setor público consolidado, antes de mirar no driver global do dia, o índice de preços de gastos com consumo (PCE) dos EUA, medida de inflação preferida pelo Federal Reserve.

Também será publicado o voto do Conselho Monetário Nacional (CMN) sobre a meta de inflação para 2026, de 3% com regime contínuo a partir de 2025, definida em reunião ontem.

+ BC eleva previsão para o PIB e reduz para inflação; CMN discute mudanças na meta

A leitura final de junho da confiança do consumidor norte-americano e as expectativas de inflação em 1 e 5 anos da Universidade de Michigan também vão nortear as decisões nos mercados neste último dia do mês de junho, do segundo trimestre e do primeiro semestre.

No exterior

As bolsas chinesas subiram nesta sexta-feira após Pequim anunciar planos para promover o consumo das famílias. É uma nova tentativa de impulsionar a recuperação da segunda maior economia do mundo, que perdeu fôlego nos últimos meses.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial chinês avançou para 49 em junho, abaixo da previsão de analistas (de 49,1).

Na Europa, foram divulgados indicadores mistos de atividade e inflação. As vendas no varejo na Alemanha subiram 0,4% em maio ante abril, acima da expectativa de estabilidade. O PIB do Reino Unido ficou dentro das previsões, enquanto a inflação anual ao consumidor na zona do euro veio mista.

O CPI anual desacelerou a 5,5% em junho, abaixo da expectativa (5,6%). Contudo, o núcleo teve acréscimo anual de 5,4%, ganhando força ante o ganho de 5,3% de maio, embora inferior às estimativas dos analistas (5,5%).

Além disso, a taxa de desemprego da zona do euro segue na mínima recorde de 6,5% em maio, corroborando sinais dos Bcs de novos apertos monetários para combater a resiliência dos preços na região.

No Brasil

O clima externo positivo pode apoiar uma ampliação de ganhos na bolsa em meio a repercussões da decisão do CMN, cujo efeito pode ser marginal nos mercados.

Ontem, as taxas de juros recuaram antecipando o CMN, que confirmou a meta de 3% para 2024, 2025 e também para 2026, com intervalo de 1,5 ponto porcentual para cima ou para baixo, e mudança para o regime de alvo contínuo, em vez de ano-calendário.

Os investidores fizeram apostas mais agressivas de queda da Selic, com a curva do DI projetando taxa de 11,75% para o final do ano e de 9% no final de 2024.

+ Caged: saldo de emprego é positivo em maio, mas fica abaixo da estimativa

Sem dar detalhes após cinco meses de discussão, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que o horizonte de atingimento da meta será, na prática, de 24 meses e definido pelo Banco Central. Economistas avaliam que a adoção da meta contínua deve melhorar as expectativas de inflação e Selic.

Os investidores devem mirar agora as projeções de inflação no boletim Focus, na segunda-feira, para tentar mensurar a intensidade do corte de juros em agosto, se 25 pontos porcentuais ou 50 pontos porcentuais. O RTI ontem não alterou a aposta da maioria no mercado em corte de 0,25 PP na Selic na próxima reunião, nos dias 1º e 2 de agosto.

*Com informações da Agência Estado

Quer ser um jovem investidor? Veja como começar a investir neste curso gratuito oferecido pela B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias