Mercado

Mercados financeiros hoje: exterior tem fôlego curto com balanços e indicadores da Europa

Investidores esperam decisões de política monetária nos EUA e no Brasil, que serão divulgadas amanhã

Números sendo mostrados em uma tela
Bolsa de valores. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A agenda econômica nesta última sessão de outubro traz a taxa de desemprego do terceiro trimestre no Brasil, junto com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, e o índice de confiança do consumidor do Conference Board nos Estados Unidos.

+ Caged tem resultado positivo, mas mostra desaceleração do mercado de trabalho

Também serão publicados balanços corporativos, incluindo Caterpillar, Carrefour Brasil, Cielo Telefônica Brasil (Vivo). Começa hoje a primeira parte do encontro do Comitê de Política Monetária (Copom).

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, participam de reunião do Conselho Político da Coalizão, com líderes de bancadas na Câmara e presidentes dos partidos para debater a pauta econômica.

No exterior, investidores aguardam decisão do Fed

Um apetite moderado por ativos de risco impulsiona as bolsas europeias em meio a uma série de balanços de grandes empresas da região, incluindo AB InBev e Casino, e de dados mistos do PIB e de inflação (CPI) da zona do euro, além das vendas no varejo na Alemanha, que frustraram as expectativas, e um fraco PIB da França, embora acima do esperado.

Em Nova York, os mercados futuros ensaiam uma recuperação de perdas leves registradas mais cedo, enquanto os juros dos Treasuries e o dólar ante outras moedas rivais recuam.

Os investidores estão na expectativa pela decisão monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e a divulgação de plano trimestral de financiamento do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, ambos nesta quarta-feira.

O mercado espera que o Fed deixe inalterados os juros nos níveis atuais, de 5,25% a 5,50% ao ano, apesar dos dados econômicos fortes no país.

As bolsas chinesas recuaram diante de uma inesperada contração no setor de manufatura no país, mas a de Tóquio avançou e o iene é pressionado ante o dólar, à medida que o Banco do Japão (BoJ) manteve a postura monetária ultra-acomodatícia, mas alterou sua linguagem sobre os bônus do governo japonês (JGB) de 10 anos, permitindo, na prática, que o juro do papel ultrapasse um “ponto de referência” de 1%.

No Brasil, mercado fica de olho em sinais sobre política fiscal

O recuo dos juros dos Treasuries e do dólar em relação aos pares rivais e algumas moedas emergentes e ligadas a commodities pode trazer algum alívio aos mercados de juros futuros e de câmbio. Porém, o dólar poderá ficar mais volátil durante a manhã em meio à fraqueza do setor de manufatura chinesa e a disputa técnica em torno do fechamento da taxa Ptax do fim de mês.

O Ibovespa pode ter ajuste positivo moderado, à medida que o principal índice de ações brasileiro em NY, o EWZ, apontava alta de 0,14% no pré-mercado às 7h20. Ligeira valorização do petróleo em meio a tensões ligadas ao Oriente Médio pode ajudar ainda o Ibovespa e as ações da Petrobras.

Ontem, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, reafirmou o compromisso fiscal do governo, mas não a meta de déficit zero para 2024. Com isso, cresce a percepção de que o governo poderá acelerar a alteração da meta.

*Com Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.