Mercado

Petróleo dispara com novas tensões no Oriente Médio; entenda

EUA e Reino Unido atacaram instalações militares dos Houthis no Iêmen

Petróleo, Opep. Foto: Pixabay
Os contratos futuro de petróleo para dezembro abriram a sessão de hoje em leve queda. O movimento é considerado uma correção técnica, após o barril ter subido mais de 4% ontem. Foto: Pixabay

Por Redação B3 Bora Investir

As cotações do petróleo amanheceram em disparada nesta sexta-feira (12/01), após um bombardeio feito por uma coalizão entre Estados Unidos e Reino Unido a instalações militares do grupo Houthi, que atua no Iêmen e tem o apoio do Irã.

Mercados financeiros hoje: bolsas mistas em meio a petróleo em alta, deflação na China e início de temporada de balanços

Foram atingidos centros logísticos, sistemas de defesa aérea e locais de armazenamento e lançamento de armas. A ação militar ocorreu dias após uma série de ataques dos rebeldes a navios no Mar Vermelho, o que inviabilizou uma das principais rotas comerciais globais, que fica entre o Golfo de Áden e o Canal de Suez, justamente a ligação marítima da Europa com a Ásia.

“Não hesitarei em tomar medidas adicionais para proteger o nosso povo e o livre fluxo do comércio internacional, conforme necessário”, afirmou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. “A resposta da comunidade internacional a estes ataques imprudentes tem sido unida e resoluta”, acrescentou.

Reação do mercado

Em meio à escalada de tensões na região, os preços de petróleo chegaram a subir mais de 4% nesta manhã, levando a cotação do barril WTI para fevereiro, na Nymex, a mais de US$ 75, e o preço do Brent para março, na ICE, a mais de US$ 80.

Segundo informações da Reuters, pelo menos quarto cargueiros da commodity tiveram de ser desviados do Mar Vermelho nesta madrugada por causa dos ataques. Ainda seguindo a agência internacional de notícias, duas das principais empresas de transporte marítimo, a Maersk e a Hapag Lloyd, comemoraram as medidas para proteger a região. No entanto, as companhias não confirmaram que os ataques dos EUA e da Grã-Bretanha seriam suficientes para a volta da rota pelo Canal de Suez, a mais rápida entre a Ásia e a Europa, que representa cerca de 12% do tráfego global de contâiners.

Preocupações com oferta de petróleo

Os ataques dos EUA e do Reino Unido aumentaram as preocupações do mercado sobre uma possível ampliação da guerra entre Israel e Hamas no Médio Oriente. Os preços da commodity têm se mantido em relativa estabilidade desde o início do conflito, em outubro do ano passado. Além do entendimento que a guerra ficaria restrita à região pouco expressiva na produção de petróleo, o mercado também avaliava que há um equilíbrio entre oferta e demanda internacionais.

No entanto, com as recentes movimentações no Iêmen, o mercado passou a temer interrupções no transporte marítimo do combustível na região.

“A probabilidade que vários países produtores de petróleo se envolvam no conflito é definitivamente maior hoje do que era ontem. E ontem era mais alta do que no dia anterior”, disse Robert Yawger, vice-presidente de energia da Mizuho Securities, à CNN.

No Brasil, ações de petrolíferas operam em alta

Em um efeito dominó, as ações de petrolíferas na B3 registram valorização neta sexta-feira. Mais cedo, o papel da Petrobras ON subia 1,34%, enquanto as ações preferenciais subiam 1,50%. Outras petrolíferas também se valorizavam: Prio (+2,31%), PetroReconcavo (+1,82%) e 3R (+1,92%).

*Com Agência Estado

Quer saber mais sobre educação financeira para o novo ano? Confira o curso gratuito ‘Ano Novo, Contas em dia!’ do Hub de Educação da B3!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias