Mercado

Presidentes dos Três Poderes chamam atos de golpistas e pregam união

Em nota conjunta, Lula, Arthur Lira, Veneziano Vital Rêgo e Rosa Weber rejeitaram os atos que chamaram de “terrorismo, vandalismo, criminosos e golpistas”

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O Palácio do Planalto divulgou informações preliminares do que foi danificado nos três andares do prédio. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Os presidentes dos Três Poderes assinaram uma nota conjunta nesta segunda-feira, 09/01, repudiando os atos antidemocráticos e o vandalismo feito por radicais neste domingo. Na declaração afirmaram que trabalham para que “providências institucionais sejam tomadas, nos termos das leis brasileiras”.

A nota foi assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), pelo presidente do Senado em exercício, Veneziano Vital do Rêgo, e pela presidente do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber.

“Os Poderes da República, defensores da democracia e da carta Constitucionais de 1988, rejeitam os atos terroristas, de vandalismo, criminosos e golpistas que aconteceram na tarde de ontem em Brasília. Estamos unidos para que as providências institucionais sejam tomadas, nos termos das leis brasileiras. Conclamamos a sociedade a manter a serenidade, em defesa da paz e da democracia em nossa pátria. O país precisa de normalidade, respeito e trabalho para o progresso e justiça da nação”, diz a íntegra da nota. No Twitter, o presidente Lula publicou uma foto da reunião com Rosa Weber e com o Arthur Lira no Palácio do Planalto e escreveu “firmes na defesa da democracia”.

Participaram do encontro também vice-presidente Geraldo Alckmin e alguns ministros, como Flávio Dino (Justiça), José Múcio (Defesa), Alexandre Padilha (Relações Institucionais), Fernando Haddad (Fazenda), Rui Costa (Casa Civil) e Paulo Pimenta (Secretaria de Comunicação).

Os ministros do Supremo, Luís Roberto Barroso e Dias Toffoli também estiveram no encontro. Assim como o general Júlio Cesar de Arruda (comandante do Exército), almirante Marcos Sampaio Olsen (Marinha) e o tenente-brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno (Aeronáutica).

Cenário de destruição

O cenário era de destruição na manhã de hoje em Brasília. O Congresso Nacional, STF e o Palácio do Planalto tinham vidros quebrados, pichações, móveis destruídos e pedaços de paus deixados pelos radicais que participaram dos atos antidemocráticos.

A Esplanada dos Ministérios tinha muita sujeira, sacos de lixo, latas de cerveja a garrafas de água. A limpeza já começou a ser feita pelos funcionários do Serviço de limpeza Urbana.

O Palácio do Planalto divulgou informações preliminares do que foi danificado nos três andares do prédio. Entre os itens destruídos, está a obra “As Mulatas”, de Di Cavalcanti, cujo preço estimado é de R$ 8 milhões. Na lista está também a escultura “O Flautista”, de Bruno Jorge, avaliada em R$ 250 mil; e uma em madeira, de Frans Krajcberg, estimada em R$ 300 mil.

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, afirmou que convocou uma reunião com técnicos do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) para avaliar os danos ao patrimônio público e começar os trabalhos de restauração. “Brasília é patrimônio histórico material e imaterial do Brasil e vamos trabalhar unidos para a reconstrução de tudo que foi violado”, escreveu.

Intervenção na segurança do DF

O presidente Lula assinou ontem um decreto de intervenção federal na segurança do Distrito Federal. A medida está prevista para durar até o dia 31 de janeiro. O interventor vai ser Ricardo Capelli, secretário-executivo do Ministério da Justiça.

“O objetivo da intervenção é pôr termo a grave comprometimento da ordem pública no Estado no Distrito Federal, marcada por atos de violência e invasão a prédios públicos”, diz o decreto.

O Congresso deve se reunir ainda hoje para analisar o decreto. A convocação extraordinária cabe ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que chega a Brasília hoje. Ele estava de férias na França.

Em uma publicação no Twitter nesta manhã, o interventor disse que “os criminosos seguirão sendo identificados e punidos”. Afirmou ainda que “não permitiremos a continuidade de concentrações que funcionem como incubadoras de planos contra o Estado Democrático de Direito”.

Ibaneis afastado

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, afastou o governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) do cargo por 90 dias. Para Moraes, os atos terroristas só podem ter tido a anuência do governo do DF, uma vez que os preparativos para a arruaça eram conhecidos.

“A escalada violenta dos atos criminosos resultou na invasão dos prédios do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal, com depredação do patrimônio público, conforme amplamente noticiado pela imprensa nacional, circunstâncias que somente poderiam ocorrer com a anuência, e até participação efetiva, das autoridades competentes pela segurança pública e inteligência, uma vez que a organização das supostas manifestações era fato notório e sabido, que foi divulgado pela mídia brasileira”, escreveu Moraes na decisão.

Logo após os atos de vandalismo, o governador afastado do DF gravou um vídeo em que pediu desculpas ao presidente Lula e aos demais poderes.

Anderson Torres exonerado

O secretário de Segurança Pública do Governo do Distrito Federal, Anderson Torres, foi exonerado do cargo, após os ataques em Brasília. O anúncio foi feito ontem pelo governador Ibaneis Rocha e publicado hoje no Diário Oficial do Distrito Federal.

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu a prisão de Torres por omissão na repressão aos ataques. Após os casos de vandalismo, ele divulgou uma nota negando conivência nos atos e os classificando como “barbárie”.

Operações e prisões

Nesta segunda-feira, a Polícia Militar do Distrito Federal e o Exército fizeram uma operação no Quartel-General do Exército, em Brasília, para desmontar o acampamento de radicais. Cerca de 1.200 pessoas foram detidas e retiradas do local em 40 ônibus. O grupo foi levado à Superintendência da Polícia Federal, onde as pessoas devem passar por uma triagem.

O grupo estava no local desde o segundo turno das eleições, e não aceitava o resultado do pleito. A operação cumpriu a decisão do ministro do STF, Alexandre de Moraes, que determinou que o fim de acampamentos radicais.

Os manifestantes presos neste domingo, após os atos antidemocráticos, começaram a ser transferidos hoje para o Complexo Penitenciário da Papuda e para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal. A Polícia Civil informou que 300 pessoas foram encaminhadas ao Departamento de Polícia Especializada (DPE), e 204 foram efetivamente presas por envolvimento nos ataques.

Moraes em Portugal

A coluna do jornalista, Gian Amato, do ‘O Globo’ afirmou que o ministro do Supremo, Alexandre de Moraes, irá a Portugal no início de fevereiro para a conferência Lide Brasil.

A plateia será formada por empresários e presidentes de grandes empresas e instituições econômicas brasileiras que já expandiram ou pretendem expandir para Portugal. Também haverá investidores interessados no mercado brasileiro em busca de sinais de tranquilidade.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias