Mercado

Prévia do PIB avança no 3º tri e marca maior expansão desde o fim de 2020

Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) avançou 1,36% - a maior expansão desde o quarto trimestre de 2020. Dados foram divulgados hoje pelo Banco Central

Três moedas de um real
O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país num determinado período, e serve para medir a evolução da economia.

A economia brasileira avançou no terceiro trimestre deste ano. É o que aponta o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado uma “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB), divulgado nesta segunda-feira, 14/11 pelo Banco Central. O IBC-Br avançou 1,36%, a maior expansão desde o quarto trimestre de 2020, quando foi registrado um crescimento de 3,82%.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, e mede a evolução da economia. O resultado oficial do período será divulgado no dia 01º de dezembro pelo IBGE.

O mercado financeiro espera para este ano um crescimento do PIB de 2,77%. Os dados são do boletim Focus divulgado hoje. Para 2023, a expectativa é de um avanço bem menor, de 0,70%. Já o Ministério da Economia projetou, em setembro, um crescimento de 2,7% para 2022 e 2,5% para o ano que vem. No mesmo período, o Banco Central espera que o PIB avance 2,7% neste ano e 1% em 2023.

Outras comparações

Na comparação com o terceiro trimestre de 2021, o IBC-Br registrou um crescimento de 4,32%, segundo o Banco Central. Só em setembro, a prévia do PIB teve alta de 0,05%, contra o mês anterior. O resultado de setembro veio abaixo da expectativa do mercado que era de crescimento de 0,20%. Em agosto, o IBC-BR caiu 1,13%.

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, a atividade econômica brasileira teve aumento de 2,93%. Em doze meses, o indicador revela uma elevação de 2,34%.

IBC-BR x PIB

O cálculo do Índice de Atividade Econômica e do Produto Interno Bruto são um pouco diferentes. O indicador do Banco Central incorpora as estimativas do setor de serviços, indústria, agropecuária, além dos impostos. Mas não considera o lado da demanda – que é incorporado ao cálculo do IBGE. A ótica da demanda inclui dados de consumo das famílias, do governo, investimentos, exportações e importações.

O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo BC para definir a taxa básica de juros. Hoje a Selic está em 13,75% ao ano.

+ 15 ações que pagaram dividendos acima da Selic no último ano

Estimativas do Mercado

Pela terceira semana consecutiva, a estimativa de inflação para 2022 voltou a subir. Avançou de 5,63% para 5,82%, segundo Focus, do Banco Central (BC), divulgado hoje, 14/11. O relatório, publicado as segundas-feiras, contém as projeções do mercado financeiro para a economia brasileira. Apesar da estimativa de inflação ter visto uma sequência de 17 semanas de queda, o resultado segue acima do teto da meta do BC que é de 5%.

Foram ouvidas pelo Banco Central mais de 100 instituições financeiras até o fim da semana passada. O relatório é essencial para o investidor pautar as suas conversas no início da semana e corrigir ou confirmar estratégias no mercado de ativos.

Para 2023, a mediana das expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) manteve-se em 4,94%. Para 2024, permaneceu em 3,50%. Em ambos os casos, o valor está bem acima da meta do Banco Central que é de 3,25% em 2023 e 3% para 2024. A meta de inflação tem sempre uma margem de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

A expectativa para a taxa básica de juros foi mantida em 13,75% ao ano até o fim de 2022. Hoje a Selic já está nesse patamar e o Comitê de Política Monetária (Copom) segue sinalizando que deve mantê-la alta por um período mais prolongado.

Para o fim de 2023, a expectativa do mercado para a taxa Selic permaneceu em 11,25% ao ano e 8% ao ano em 2024. A próxima reunião do Copom ocorre nos dias 6 e 7 de dezembro.

Quer saber como a alta da Selic afeta as suas ações? Este vídeo pode te ajudar:

Conteúdos gratuitos sobre educação financeira e investimentos você encontra no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.