Notícias

Milho é destaque nas festas juninas e nas exportações brasileiras; saiba mais sobre a commodity

Latino legítimo, o milho é uma das principais exportações do Brasil e um ingrediente marcante da nossa culinária

Espiga de milho
Junho é o momento da colheita do milho, e não é coincidência que seja quando ele é mais consumido devido às festas juninas.

Por Guilherme Naldis

O mês de junho é o período do ano em que a colheita do milho acontece. Não por acaso, também é quando ele é mais consumido, graças às festas juninas no país. Não que ele tenha menos importância durante o resto do ano. Afinal, o cereal é um dos alimentos mais típicos da culinária brasileira. Mas é no final do outono que o milho brasileiro mostra a que veio e, a cada ano, quebra recordes de produtividade e exportação.

Para 2023, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a safra atual de milho atinja uma produção de 125,7 milhões de toneladas. O valor é 11,1% maior que o volume colhido em 2022, ou 12,6 milhões de toneladas a mais. “As condições climáticas têm sido favoráveis para o desenvolvimento da cultura até o momento”, diz o gerente de acompanhamento de safras da Conab, Fabiano Vasconcellos.

A colheita de 2022 também superou a de 2021, que, por sua vez, ultrapassou a de 2020. A expansão constante da produtividade do milho faz do cereal um dos motores do agronegócio nacional e certificou o Brasil como o segundo maior exportador desta commodity no mundo, logo atrás dos Estados Unidos.

Entre janeiro e maio deste ano, as vendas do milho brasileiro para o exterior já movimentaram US$ 3,1 bilhões, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). As vendas da commoditie lá fora já aumentaram 110,2%, se comparadas com o ano passado. No total, as exportações somam 10,6 milhões de toneladas.

Quer saber mais sobre esse item tão importante para as festas, a alimentação e a economia brasileira? Então, bora com a gente!

A história do milho nas Américas

O milho é um alimento multifacetado. Originário da América Central, começou a ser cultivado há cerca de 10 mil anos pelas antigas civilizações mesoamericanas, como os maias e os astecas. Essas sociedades desenvolveram técnicas avançadas de cultivo e deram à planta a carinha que tem hoje. 

Levado para a Europa no século XV, após as Grandes Navegações, o milho se adaptou às diferentes condições climáticas e se espalhou pelo mundo. Passou ainda por uma série de transformações ao longo dos séculos, com melhorias genéticas adaptadas a diferentes climas e necessidades agrícolas. O resultado foi a grande diversidade de tipos de milho que conhecemos hoje: são cerca de 150 espécies, com grande diversidade de cor, formato de grãos e sabor.

O que pode influenciar o preço das commodities? Veja diversos fatores

Aqui no Brasil, o cereal já fazia parte da dieta dos indígenas antes da chegada dos portugueses. Depois, com o contato entre as duas culturas, os europeus integraram o alimento às suas dietas. Os africanos escravizados também passaram a consumir o milho e o resultado foi a variedade de pratos típicos que o envolvem: pamonha, curau, angu, polenta, canjica, etc.

Muitos destes alimentos são sinônimos das festas juninas. Estas festividades devem mobilizar mais de 26,2 milhões de pessoas por todo o Brasil e arrecadar cerca de R$ 6 bilhões, segundo o Ministério do Turismo. O valor é 76% maior do que o registrado no ano passado, quando foram gerados mais de R$ 3,4 bilhões.

Em que a produção de milho é usada?

A principal aplicação da commodity não é na alimentação. Pelo menos, não na nossa. Tanto no Brasil quanto no mundo, o cereal é destinado, principalmente, à ração animal. Segundo Lucílio Alves, pesquisador da área de milho da Escola Superior de Agricultura ‘Luiz de Queiroz’ da Universidade de São Paulo (Esalq/Usp), a estimativa é que 64% da commodity produzida no mundo seja destinada à engorda de animais para abate, como aves e suínos.

Os outros 36% da demanda total são para uso industrial, que inclui a alimentação humana. Ele é a base de diversos produtos alimentícios, como cereais matinais, pipoca, fubá, farinha, amido, óleo, xarope e até mesmo bebidas alcoólicas, como a cerveja. O milho é usado também na produção de bebidas destiladas, como o whisky bourbon.

+ Futuro de milho: novo índice acompanha o desempenho da commodity

Além disso, o milho é usado na produção de itens que passam bem longe dos nossos pratos. Por exemplo, 10% da produção de etanol brasileira vem do milho, diz Alves. A commodity também é aplicada na produção de embalagens, cosméticos, tintas, baterias, medicamentos e produtos de limpeza.

O amido de milho ainda pode ser utilizado na produção de plásticos biodegradáveis, uma alternativa mais sustentável aos plásticos convencionais. 

A importância do milho na economia mundial

O milho é a maior cultura do mundo. São cerca de 1,2 bilhão de toneladas produzidas anualmente em todos os continentes com uma distribuição homogênea de compradores. “Da parte da demanda, todo mundo compra e ninguém tem um destaque”, diz Alves.

Os países exportadores, entretanto, são poucos. As lideranças no fornecimento de milho são os EUA, seguidos pelo Brasil, Argentina e Ucrânia. O especialista explica que os maiores produtores do cereal também são os maiores consumidores: somente 16% da produção do mundo é transacionada, enquanto o restante fica no mercado interno. 

Já é consensual que o Brasil deva se tornar o principal exportador de milho do mundo nos próximos anos. “Já somos destaques internacionais, e nenhum dos concorrentes tem capacidade de expansão produtiva”, explica Alves. 

Por aqui, o milho só perde para a soja em número de exportações do setor agropecuário. Segundo o MDIC, os maiores clientes do cereal vindo do Brasil são o Japão, com 16% de participação nas compras, a China e a Coréia do Sul, com 11% cada, o Vietnã, com 8,7%, e o Irã, com 7,9%.

“Com a Guerra na Ucrânia, que dificultou suas transações, e as quedas de produtividade recentes dos EUA e da Argentina, o Brasil ganhou muito espaço e pode ganhar ainda mais”, diz o pesquisador.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias