Notícias

O que significa a elevação da perspectiva da nota de crédito do Brasil pela S&P?

Movimento de estável para positivo reflete maior certeza sobre a estabilidade das políticas fiscal e monetária. Decisão favorece investimentos e ajuda a valorizar o real

Dinheiro/reais. Foto: Adobe Stock
O mutirão Renegocia deve ajudar a desafogar muitos tipos de dívida. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Em um movimento que pode ajudar a economia brasileira com a atração de investimentos estrangeiros e a valorização do real, a agência de classificação de risco S&P Global Ratings alterou a perspectiva para a nota de crédito (rating) do Brasil de estável para positiva.

A mudança para uma perspectiva melhor não acontecia desde 2019, quando o Congresso aprovou a Reforma da Previdência.

Mas afinal, o que uma agência de classificação de risco faz e porque é tão importante para um país ter uma boa nota? O B3 Bora Investir te explica.

Classificação de risco e os efeitos no mercado

O trabalho das agências de classificação de risco como a Standard & Poor’s é avaliar a qualidade do título da dívida emitido por um país. Essa percepção reflete a capacidade da nação de pagar as suas dívidas.

Para esse trabalho, as companhias usam as chamadas notas de crédito – igual na escola. Quanto melhor for a nota, mais seguros os países são considerados pelos investidores e consequentemente mais baixos os juros das dívidas dos governos.

O mercado financeiro usa esse termômetro das contas públicas para decidir os seus investimentos. Assim esse movimento de melhora na perspectiva para o Brasil, mesmo sem a alteração efetiva no rating (entenda mais abaixo), ajuda o país a mostrar que tem capacidade de pagar as suas dívidas no curto prazo.

Outro benefício direto para a economia é a queda do dólar, diante da entrada de mais capital estrangeiro no país. A moeda americana mais baixa ajuda na desaceleração da inflação.

Na classificação da S&P, a escala para o grau de investimento vai de ‘A’ a ‘D’. O primeiro nível (triplo A) é o de mais alta qualidade e o ‘D’ a pior, ou seja, quando um país está próximo da inadimplência.

O que aconteceu com o Brasil?

A elevação na perspectiva da nota do Brasil de estável para positiva reflete sinais de maior certeza sobre a estabilidade das políticas fiscal e monetária do país. Esse movimento ajuda a beneficiar as perspectivas ainda baixas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

Segundo a Standard & Poor’s, um avanço mais contínuo do PIB, aliado ao novo arcabouço fiscal, resultará “em uma carga da dívida pública menor que o esperado, o que pode apoiar a flexibilização monetária [queda dos juros] e sustentar a posição externa líquida do país”.

A agência ponderou que o país ainda registra grandes déficits fiscais, ou seja, gasta mais do que arrecada. Então, para solucionar o problema, o caminho é o avanço da atividade e uma política fiscal clara.

“Tais evoluções reforçariam nossa visão sobre a resiliência da estrutura institucional do Brasil, com uma formulação de políticas estável e equilibrada entre os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do governo”, afirmou a empresa em comunicado.

Mudança na perspectiva, mas não da nota de crédito

Apesar da mudança na perspectiva de estável para positiva, a nota de crédito brasileira segue em ‘BB-‘, ou seja, é considerada especulativa.

Isso significa que o país está menos vulnerável ao risco de não honrar seus compromissos financeiros no curto prazo, mas ainda enfrenta incertezas em relação a condições financeiras e econômicas.

+ O que é uma nota de risco?

Cenários para o rating brasileiro

A Standard & Poor’s ainda traçou um cenário positivo e um negativo para o rating brasileiro.

Positivo: A implementação de políticas econômicas para conter o avanço dos gastos, que preparem o país para um cenário de crescimento, pode levar a uma elevação da nota de crédito brasileira nos próximos dois anos.

“A chave para isso seria a aprovação de reformas adicionais, entre elas uma reforma tributária atualmente em debate.”

Negativo: Caso não haja uma implantação de políticas públicas para balancear receitas e despesas, o que pode resultar em um crescimento limitado e a uma “dívida maior que o esperado”, a S&P poderá revisar a perspectiva novamente para estável nos próximos dois anos.

Histórico da nota de crédito do Brasil

Em 2008, no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil atingiu pela primeira vez na história o chamado grau de investimento. O país ganhou a nota BBB-, que depois avançou para BBB em 2011.

A nota foi mantida por dois anos até que no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, em 2015, o país perdeu esse selo e foi rebaixado para BB+.

Em 2016, o país foi rebaixado novamente (BB) e em 2018, no governo de Michel Temer caiu para o patamar atual.

Repercussão no governo

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, comemorou a elevação na perspectiva de rating do Brasil e afirmou que o país tem todas as condições para retomar o grau de investimento. Haddad também dividiu os méritos com os outros poderes.

“Passo importante. Depois de 4 anos, ter uma sinalização dessas. Gostaria de compartilhar com Congresso e o Judiciário. As iniciativas que estão sendo tomadas na direção correta de arrumar contas do Brasil e permitir que a gente possa avançar com geração de emprego”.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias