Notícias

Prévia da inflação, IPCA-15 desacelera e reforça expectativa de corte na Selic

O indicador subiu 0,21% em outubro, após ter avançado 0,35% em setembro

Cálculadora com cédulas de Real e moeda de 1 real ao fundo apoiados sobre uma mesa
IPCA-15 é considerado uma prévia da inflação. Foto: Marcello Casal/ Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Com a desaceleração da inflação, o mercado financeiro brasileiro deve reforçar as expectativas de corte na Selic na semana que vem. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,21% em outubro, após ter avançado 0,35% em setembro.

Divulgado na manhã desta quinta-feira (26/10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA-15 é considerado pelo mercado uma prévia da inflação oficial do país.

O resultado veio de acordo com as expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam aumento de 0,14% a 0,34%. No acumulado dos últimos 12 meses, já considerando o resultado anunciado hoje, o IPCA-15 registrou um aumento de 5,05%, ante taxa de 5,00% até setembro.

Apesar de os números terem sido considerados positivos pelo mercado, investidores não esperam uma aceleração no ciclo de cortes da Selic. A próxima reunião do Copom acontece na semana que vem, e as previsões apontam para um novo corte de 0,5 ponto porcentual.

“A leitura da inflação de meio de mês em outubro, de 5,05% no acumulado de 12 meses, confirma que a recente alta da inflação passou do pico e pavimenta o caminho para um novo corte de 50 pontos-base da Selic (para 12,25%) na decisão do Banco Central da semana que vem”, diz o economista-chefe para mercados emergentes da consultoria, William Jackson.

“Avaliamos que qualitativamente a abertura do índice foi benigna, mas isoladamente nos parece precoce para avalizar uma intensificação do ritmo de corte de juros”, afirmou, em nota, o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez.

IPCA-15 por setores

De acordo com o IBG, sete dos nove grupos pesquisados registraram alta em outubro. A maior variação (0,78%) veio de Transportes pelo segundo mês consecutivo. Os preços de combustíveis tiveram queda de 0,44% em outubro, após avanço de 4,85% no mês anterior. A gasolina caiu 0,56%, após ter registrado alta de 5,18% em setembro, enquanto o etanol recuou 0,27% nesta leitura, após queda de 1,41% na última.

Os grupos Saúde e cuidados pessoais (0,28%) e Habitação (0,26%) também registraram alta.

No lado das quedas, os preços do grupo Alimentação e bebidas (-0,31%) recuaram pelo quinto mês consecutivo. O grupo deu uma contribuição negativa de 0,07 ponto porcentual para o IPCA-15, que subiu 0,21% no mês. Entre os componentes do grupo, a alimentação no domicílio teve queda de 0,52% em outubro, após ter recuado 1,25% no mês anterior. A alimentação fora do domicílio subiu 0,21%, ante alta de 0,46% em setembro.

Os demais grupos ficaram entre a queda de Comunicação (-0,29%) e a alta de Despesas Pessoais (0,31%).

*Agência Estado

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias