Notícias

Prévia do PIB recua pelo terceiro mês seguido e indica desaceleração da economia

IBC-Br caiu 0,06% em outubro e retração trimestral chega a 0,42%, puxado pela queda dos serviços e varejo. No acumulado de 2023, índice cresceu 2,36%

Calculadora e dinheiro. Foto: Marcello Casal/Agência Brasil
O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central é considerado uma prévia do PIB (Produto Interno Bruto). Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, que é considerado uma “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB), teve retração de 0,06% em outubro, em relação ao mês anterior. Os números foram publicados nesta quarta-feira, 20/12.

Esse é o terceiro mês consecutivo de queda no indicador, o que confirma uma desaceleração da economia brasileira. Em agosto e setembro, o índice registrou retração de, respectivamente, 0,71% e 0,05%.

O resultado veio um pouco acima do esperado pelo mercado financeiro, que previa uma queda maior de 0,2%. No acumulado trimestral, a prévia do PIB tem baixa de 0,42%.

Essa piora foi puxada pelo setor de serviços, que registrou queda em outubro de 0,6%; e pelo varejo que teve retração de 0,3%. Além disso, os resultados consecutivos ruins da indústria, que ficou praticamente estável (0,1%) em outubro também contribuiu para a desaceleração.

A economista-chefe do Inter, Rafaela Vitória, explica que há uma desaceleração do consumo de maneira geral, com impacto direto na economia.

“Começamos a ver realmente o impacto da política monetária. Os juros estão num patamar bastante elevado na medida que a inflação vem caindo. O crédito para as famílias, que ainda tinham algum crescimento no começo do ano, se acomodou nos últimos meses”.

O economista da Suno Research, Rafael Perez, também a credita que a atividade deve continuar apresentando um menor crescimento. “Contudo, o mercado de trabalho aquecido, o crescimento da massa salarial e o arrefecimento da inflação devem sustentar o consumo, amenizando um resultado mais fraco.”

No acumulado dos dez primeiros meses deste ano, o IBC-Br avançou 2,36% e, em 12 meses até outubro, apresentou crescimento de 2,19%.

“Boa parte desse crescimento já aconteceu. O que a gente está vendo agora é um carrego estatístico. O PIB será positivo por conta do crescimento que a gente viu no primeiro semestre do ano, principalmente puxado pela agropecuária”, conclui.

Economia brasileira em desaceleração

Os primeiros nove meses do ano foram positivos para a economia brasileira, mas a perda de ritmo é visível nos resultados trimestrais.

Entre janeiro e março, o PIB cresceu 1,4% impulsionado pela agropecuária. Nos três meses seguintes, a atividade avançou 0,9%. No 3º trimestre, a economia subiu menos, 0,1%, mas surpreendeu os analistas. Importante pontuar que os dois primeiros números foram revisados pelo IBGE.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. O indicador serve para medir a evolução da economia.

O Comitê de Política Monetária avaliou na ata publicada nesta semana, que o resultado melhor da economia brasileira está relacionado com a resiliência do consumo das famílias, diante da melhora do mercado de trabalho e da inflação mais baixa.

Para 2024, a economista-chefe do Inter espera um PIB menor, na casa dos 1,8%. “A gente não deve ter toda a contribuição do Agro, além de um consumo das famílias um pouco mais acomodado. Então, com isso, o PIB tende a crescer menos no próximo ano”, conclui Rafaela Vitória.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias