Notícias

Votação do arcabouço fiscal no Senado: veja mudanças na proposta que deve voltar à Câmara

Relator retirou Fundeb, fundo do DF e despesas com ciência e inovação dos limites fiscais. Cálculo da inflação mais prejudicial para os gastos em 2024 foi mantido

Congresso. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil
O novo arcabouço fiscal tem no aumento da arrecadação do governo um dos principais pilares para sua viabilização. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Senado deve votar em plenário nesta quarta-feira, 21/06, o novo arcabouço fiscal. O relator, senador Omar Aziz (PSD-AM), já divulgou o seu parecer com alterações no texto aprovado na Câmara. Diante dessas mudanças, se aprovada hoje, a proposta precisa voltar para a análise dos deputados.

O relator no Senado decidiu retirar do limite de gastos:

  • Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que é o principal meio de financiamento para o setor;
  • Fundo Constitucional do Distrito Federal, usado no pagamento de despesas da capital federal, como educação, saúde e segurança;
  • Investimentos em ciência e inovação.

O projeto recebeu 75 emendas na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, que analisou o texto. A maioria delas foi rejeitada por Omar Aziz.

Uma das emendas aceitas cria o Comitê de Modernização Fiscal. Pela proposta, seria formado um grupo por membros dos ministérios da Fazenda, Planejamento e Tribunal de Contas da União para acompanhar a situação fiscal do país.

A outra inclui a alienação de ativos e a privatização de empresas estatais entre as medidas de ajuste das contas públicas. “Somente na União são 187 empresas estatais, que podem ser objeto de desestatização. Há também a possiblidade de gerir melhor ativos e, assim, obter receitas públicas”, diz o texto.

O relator afirmou que está confiante na aprovação do seu parecer e que nenhuma mudança vai afetar a perspectiva de crescimento e de juros mais baixos. “Não há modificação no arcabouço que não respeite o marco fiscal que foi aprovado pela Câmara. As mudanças foram questões pontuais”.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que está confiante em relação à aprovação do arcabouço no Senado. “Acho que não há risco nenhum de que as novas regras não sejam aprovadas, até porque os detalhes discutidos não ferem em nada o princípio da regra fiscal”.

Principais pontos da regra fiscal

Pela proposta, as contas públicas vão perseguir uma meta de resultado primário (diferença entre despesas e receitas). A ideia é seguir uma lógica parecida com a meta de inflação, que tem um piso e um teto.

Se as contas estiverem dentro da meta, o crescimento de gastos terá um limite de 70% do crescimento das receitas primárias (arrecadação do governo). Caso esse resultado fique abaixo da banda de tolerância da meta, o limite para os gastos cai para 50% do crescimento da receita.

O governo também propôs que as despesas subam acima da inflação, o que não é permitido hoje pelo teto de gastos. O tamanho desse reajuste, no entanto, fica atrelado ao desempenho da economia. Se a situação estiver ruim, o valor poderia subir no máximo 0,6%. Se a economia estiver em um bom momento, poderia chegar a 2,5%.

+ Arcabouço fiscal x Teto de gastos: qual a diferença entre as duas regras?

Sem folga de R$ 40 bilhões em 2024

O governo não conseguiu acordo no Senado para alterar o intervalo de referência do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serviria para corrigir as despesas federais em 2024.

A proposta do relator da âncora fiscal na Câmara, Cláudio Cajado (PP-AL), trouxe uma referência de inflação que vai de junho de 2022 a junho de 2023. O governo queria uma apuração do IPCA entre dezembro de 2022 a novembro do 2023. Isso porque a previsão é que a inflação no segundo semestre suba, o que daria uma folga orçamentária de até R$ 40 bilhões ao governo.

“A inflação eu vou manter como veio da Câmara. É importante sermos rápidos e não protelarmos”, disse Aziz.

Calendário de votações das reformas

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta terça-feira, 20/06, que deve votar as alterações feitas pelo Senado na nova âncora fiscal a partir do dia 4 de julho.

O projeto que trata do voto de qualidade a favor do governo no Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf) e a Reforma Tributária também deve ficar para a primeira semana de julho.

O Carf é um tribunal administrativo do Ministério da Fazenda que julga casos em que as empresas são autuadas pela Receita Federal por falta de pagamento de tributos. Atualmente há R$ 1,3 trilhão pendente de julgamento.

De um lado, os contribuintes querem, na hipótese de empate, que os autos de infração caiam e as empresas deixem de pagar os tributos. Pelo lado da União, o governo quer, se houver empate, que o fisco leve o dinheiro para casa.

Sobre a Reforma Tributária, Lira afirmou que o relatório com as mudanças deve ser apresentado depois da reunião com governadores na próxima quinta-feira, 22/06. “Como convidamos governadores, seria deselegância liberar o texto hoje. Mas a apresentação do relatório fatalmente não passará de quinta-feira”.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.