Notícias

Vendas do varejo avançam em outubro, mas ritmo desacelera

Essa foi a terceira taxa positiva seguida, mas veio abaixo do resultado de setembro. Segundo a XP, os juros altos têm levado o setor a um desempenho mais modesto

Pessoas caminhando entre as lojas na rua.
Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

As vendas do comércio avançaram 0,4% em outubro, em relação a setembro, na terceira taxa positiva consecutiva. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira, 08/12. Apesar de positivo e de ter vindo acima do esperado pelo mercado, o resultado mostra uma desaceleração em relação ao mês anterior quando foi registrado crescimento de 1,2%.

“Desde maio, o comércio não apresentava crescimento, ficando na estabilidade ou no campo negativo. Esse mês também registrou o ponto mais alto desde a passagem de fevereiro para março. Esse ano, a série está exibindo uma volatilidade menor do que nos anos anteriores e estamos começando a ver um comportamento mais parecido ao que era antes da pandemia, sem muita amplitude na margem”, explica Cristiano Santos, gerente da pesquisa.

Gráfico vendas do varejo 2022

Em relação a outubro do ano passado, o setor subiu 2,7%. No acumulado do ano, alta de 1%; e em 12 meses avanço de 0,1% – primeira taxa positiva após 5 meses seguidos de queda. No chamado Varejo Ampliado – que inclui as atividades de veículos, motos, peças e de material de construção – o volume de vendas variou para cima 0,5% frente a setembro. Esse resultado também veio em linha com as expectativas dos analistas.

+ Vendas no varejo: entenda o dado e quem ele influencia na B3

Em seu relatório ‘Brasil Macro Mensal’, a XP analisou que diante de uma política monetária mais restritiva – com os juros em patamares elevados – o comércio e a indústria têm apresentado desempenho modesto. Disse ainda que o resultado das vendas varejistas e do setor industrial tem trazido sinais heterogêneos entre as categorias.

“Aquelas mais sensíveis às condições de crédito (ex: bens de consumo duráveis e bens de capital) estão em tendência de queda. Já as atividades mais sensíveis à renda ainda mostram expansão, com destaque para bens de consumo não duráveis (ex: alimentos, bebidas, produtos farmacêuticos, artigos de higiene pessoal, combustíveis). O aumento da massa de renda disponível às famílias – os salários reais voltaram a crescer com o aperto do mercado de trabalho e o alívio na inflação – e estímulos fiscais de curto prazo sustentam essa dinâmica”.

Patamar pré-pandemia

As vendas do varejo seguem acima do patamar pré-pandemia. Em outubro ficaram 3,6% acima do período de fevereiro de 2020. Apesar desse resultado, o setor ainda está 2,9% abaixo do nível recorde, alcançado em outubro de 2020. Já o varejo ampliado se encontra 1,5% abaixo de fevereiro de 2020.

“Em termos setoriais, poucas atividades estão acima do patamar pré-pandemia. Contando com o varejo ampliado, das dez atividades, apenas quatro estão acima do patamar pré-pandemia: Artigos farmacêuticos (20,8%), Combustíveis de lubrificantes (18,7%), Hiper e supermercados (3,8%) e Material de construção (2,0%)”, afirma o gerente da pesquisa.

Principais destaques

As vendas do comércio avançaram em cinco das oito atividades pesquisadas em outubro na comparação com o mês anterior, segundo o IBGE.

Veja o resultado positivo de cada uma das atividades:

  • Móveis e eletrodomésticos: 2,5%
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação: 2%
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico: 2%
  • Combustíveis e lubrificantes: 0,4%
  • Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: 0,2%

Veja o resultado negativo de cada uma das atividades:

  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria: -0,4%
  • Tecidos, vestuário e calçados: -3,4%
  • Livros, jornais, revistas e papelaria: -3,8%

As atividades do comércio varejista ampliado apresentaram resultados negativos: veículos e motos, partes e peças (-1,7%) e material de construção (-3,5%).

“Duas atividades puxaram o aumento na margem: hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que tem o maior peso e faz o papel de ancoragem no resultado, e, em segundo lugar, combustíveis e lubrificantes. Elas também tiveram influência no varejo ampliado, uma vez que suas duas atividades complementares ficaram na estabilidade”, explica Cristiano Santos.

Para o IBGE, a queda na atividade de combustíveis e lubrificantes segue influenciada pela queda nos preços, apesar do setor ter tido crescimento em volume produzido. Já hiper e supermercados, voltou a crescer após três meses.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.