Notícias

Vendas do varejo crescem 0,6% em setembro impulsionadas por supermercados

Melhora do mercado de trabalho e da renda levou os brasileiros às compras de alimentos e itens de primeira necessidade. Vestuário ainda não conseguiu surfar na alta dos salários

Corredor de supermercado. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
A PMC nasceu em 1995, onde coletava dados apenas da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A melhora no mercado de trabalho e o aumento do rendimento médio dos brasileiros impulsionou o varejo em setembro, que avançou 0,6% ante agosto, diante do aumento nas vendas de produtos alimentícios e supermercados, que têm forte peso no índice.

O resultado veio acima do esperado pelo mercado, que estimava uma queda de 0,1%, a mesma registrada em agosto. No entanto, o setor de Supermercados e Alimentos avançou 1,6% e alavancou o indicador – já que a atividade tem peso de 56% no comércio.

O gerente da pesquisa, Cristiano Santos, explicou que o crescimento do setor supermercadista acabou tirando o varejo da estabilidade.

“A escolha orçamentária das famílias está voltada para os itens de primeiras necessidades. Com o aumento da população ocupada e da massa de rendimento, as pessoas estão usando o rendimento habitual para os gastos em hiper e supermercados e não está sobrando para concentrar em outras atividades”.

No ano, o comércio varejista acumula alta de 1,8% e segue 4,9% acima do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020). Os números foram divulgados nesta quarta-feira, 08/11, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na semana passada, a Pesquisa Nacional por Amostra de Dominicio (PNAD) mostrou que a renda média dos trabalhadores ficou em R$ 2.982 no 3º trimestre, avanço de 1,7% em relação aos três meses anteriores. Já a taxa de desemprego caiu para 7,7%.

As outras atividades que cresceram em setembro foram: Móveis e Eletrodomésticos, com alta de 2,1% e Artigos farmacêuticos e perfumaria, que cresceu 0,4%.

Cinco atividades recuaram em setembro

Embora a melhora da renda e do emprego tenha impulsionado o consumo de produtos de primeira necessidade, ainda não foi suficiente para alavancar a venda de outros segmentos.

O maior impacto negativo veio das vendas de Combustíveis e lubrificantes, que recuou 1,7%, após dois meses em alta. A atividade tem o segundo maior impacto no varejo, mas foi surpreendida pela inflação.

“Houve crescimento de receita dos postos de gasolina, mas não o suficiente para ganhar da inflação”, explica o gerente do IBGE.

As vendas de Tecidos, vestuário e calçados recuaram 1,1%. Também houve queda nas atividades de Livros, jornais, revistas (-1,1%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,9%) – que inclui lojas de departamento – e Equipamentos e material para escritório (-0,1%).

Varejo Ampliado

No comércio varejista ampliado, as vendas avançaram 0,2% em setembro, ante agosto. O setor de Veículos e motos recuou 0,9% e o de Material de construção caiu 2%.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias