Objetivos financeiros

Brasileiros começam 2024 otimistas, mas preocupados com a inflação

Segundo pesquisa da Febraban, para 67% dos brasileiros, preços aumentaram ou aumentaram muito

Dinheiro. Foto: Pixabay
Entre os que já retiraram valores, 14.475.821 são pessoas físicas e 571.808, pessoas jurídicas. Foto: Pixabay

Os brasileiros começam o ano de 2024 otimistas com relação ao país, mas preocupados com a inflação e a alta dos preços. Isso é o que diz a pesquisa Radar Febraban, que mostra que quase 7 em cada 10 entrevistados (67%) avaliam que os preços dos produtos aumentaram ou aumentaram muito – uma elevação de 13 pontos percentuais a mais que em dezembro de 2023 (54%).

O número dos que observam diminuição dos preços recuou de 24% em dezembro para 11% em fevereiro, enquanto a parcela que enxerga estabilidade quase não sofreu alteração, oscilando de 20% para 21% no mesmo período.

Os dados refletem a pressão da alta dos alimentos sobre o IPCA, que mesmo com a desaceleração da inflação ficou acima da mediana das projeções do mercado financeiro em janeiro, segundo o IBGE. Soma-se a isso o impacto das contas de começo de ano, como material escolar, IPTU e IPVA, sobre o orçamento doméstico, além de eventuais resquícios dos gastos de final de ano.

Brasileiros otimistas com 2024

A pesquisa também mostra que mais da metade dos brasileiros (57%) acredita que o Brasil vai melhorar em 2024 – um recuo de dois pontos em relação a dezembro (59%). Entretanto, com relação à vida pessoal, para 75% dos brasileiros, a sua vida estará melhor num horizonte de 12 meses. Maior percentual da série histórica e oscilação de um ponto percentual em relação a dezembro (74%).

Segundo a mostra, para 48% dos entrevistados, o Brasil está melhor na comparação com o ano anterior, número que vem se mantendo desde setembro de 2023, com discreta variação positiva em dezembro (49%). 

“Passado o período de festas de fim de ano quando, via de regra, o humor e as expectativas da opinião pública melhoram, os resultados desta edição de fevereiro refletem, em certa medida, as preocupações dos brasileiros com a inflação, sob impacto das contas de começo de ano, como material escolar, IPTU e IPVA, no orçamento doméstico”, aponta o sociólogo e cientista político Antonio Lavareda, presidente do Conselho Científico do IPESPE

Inflação, impostos e custo de vida preocupam

O estudo também trouxe as percepções e preocupações da população brasileira. Os dados indicam um receio em relação à economia nos próximos meses. Confira as percepções:

  • Impostos: 57% acreditam que haverá aumento, 2 pontos percentuais a mais que em dezembro (55%).
  • Taxa de juros: 48% acreditam que a vai aumentar, 2 pontos percentuais a mais que em dezembro (46%).
  • Inflação e custo de vida: 55% apostam em aumento, 9 pontos percentuais a mais que em dezembro (46%).
  • Acesso ao crédito: caiu de 43% para 39% a parcela que acha que o acesso ao crédito vai aumentar, e de 29% para 34% o contingente que acha que ficará igual. Outros 21% acham que vai diminuir, 2 pontos percentuais a menos que em dezembro (23%).
  • Poder de compra: recuo de 39% para 35% no contingente que acredita que haverá aumento; e incremento de 34% para 38% dos que apostam em queda.
  • Desemprego: mantêm-se em 34% o percentual que acredita que o desemprego vai aumentar; passou de 23% para 31% o contingente dos que opinam que ficará estável; e recuou de 39% para 32% o montante que acha que o desemprego vai diminuir.
  • Salários: 51% creem que esse item não sofrerá alterações. Os que acreditam em aumento somam 34%, ao passo que 13% apostam que haverá diminuição.
  • Bolsa Família: também pela primeira vez no Radar, 55% acreditam que o Bolsa Família não sofrerá alterações. Esse número sobe para 60% entre os que têm nível superior.

Saúde e emprego lideram prioridades

A maioria dos brasileiros colocaram saúde e emprego como prioridade nas suas vidas. Ambas as opções tiveram 29% dos entrevistados colocando-as em primeiro lugar. Veja as outras prioridades:

  • Emprego e Renda: menções recuaram de 32% para 29% no período da pesquisa;
  • Saúde: saltou de 26% para 29% quem mencionou;
  • Educação: manteve 12% das menções;
  • Segurança: citações de prioridade subiram de 6% para 8%;

Onde os brasileiros querem investir

A pesquisa da Febraban também abrangeu os desejos da população. Nela, quase metade dos brasileiros (48%) investiria em moradia (comprar: 30%; reformar:18%) caso tivesse recursos para isso. 

Em seguida, se houvesse sobras no orçamento, 47% aplicariam o dinheiro no banco (poupança: 20%; outros: 27%). Investimentos em educação pessoal ou da família vêm na sequência, com 18%.

Já a vontade de viajar manteve-se em 15%, marcando a 5ª posição no ranking. Seguido pelo desejo fazer ou melhorar o plano de saúde, que chegou a 10%. 

O desejo de comprar um carro teve oscilação de 11% em dezembro para 9% em fevereiro, sem grandes variações por estratos sociodemográficos;

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias