Investir melhor

4 questões que devem direcionar a economia em 2024

Dois especialistas respondem as principais dúvidas sobre o que deve influenciar o ambiente econômico, tanto internacional quanto doméstico, no ano que vem

Economia
Economia

Por Paula Pacheco, especial para o Bora Investir

O Brasil vai começar 2024 com algumas condições diferentes das vistas no início de 2023. A taxa básica de juros entrou em trajetória de queda nos últimos meses, a reforma tributária foi promulgada em dezembro e a inflação desperta menos preocupação.

O cenário internacional também aponta para uma situação mais confortável, com o afrouxamento monetário encabeçado por alguns dos principais bancos centrais, como explica Ricardo Faria, sócio da Legend Wealth. O especialista, no entanto, faz algumas ressalvas, que incluem a influência das questões geopolíticas e até climáticas.

Já Nicholas Kawasaki, estrategista-chefe de Private da Nova Futura, aponta a eleição americana como o principal ponto de atenção na economia internacional, além dos próximos passos do Fed, o banco central americano, em relação aos juros do país.

Veja o que dizem os especialistas:

O que deve influenciar a economia em 2024?

Ricardo Faria, sócio da Legend Wealth – A inflação global reduziu-se ao longo do ano de 2023 e foi um fator de surpresa e destaque econômico, a despeito de o crescimento econômico ter surpreendido para cima na maior parte dos países. A trajetória inflacionária atual aproxima-se de patamares consistentes com as respectivas metas na maioria dos países do G10. O ano tende a ser caracterizado pelo início do processo de afrouxamento monetário por parte dos principais bancos centrais do mundo. Os principais riscos parecem derivar do ambiente externo, vindos de uma desaceleração econômica – em especial nos EUA e China – e choques exógenos geopolíticos ou climáticos.

Nicholas Kawasaki, estrategista-chefe de Private da Nova Futura – Temos inúmeros fatores que podem influenciar a economia em 2024, sendo que os investidores direcionarão sua atenção principalmente para a eleição presidencial nos Estados Unidos e o possível início de um ciclo de redução das taxas de juros.

E no Brasil, o que pode ser destacado?

Faria – Aqui, vemos três razões para um cenário mais construtivo na economia, vindos da trajetória da balança comercial, da perspectiva de incremento do PIB potencial e do processo de convergência da inflação para a meta, abrindo espaço para cortes de juros adicionais nos próximos meses. No Brasil, as críticas estruturais ao tamanho e à rigidez do gasto persistem, trazendo atenção a ideias criativas que colocam em xeque dinâmica fiscal e sustentabilidade das contas públicas nacionais.

Kawasaki – No cenário brasileiro, o cumprimento da meta fiscal e a velocidade dos cortes de juros serão pontos monitorados pelos investidores.

O que pode ter um peso maior nos investimentos em 2024?

Faria – Não dá para ignorar os efeitos do potencial início de queda de juros na maioria dos países do G10 no próximo ano, em especial nos EUA.

Kawasaki – O início do ciclo e o ritmo do corte de juros dos Estados Unidos será o fator crucial para as decisões de investimentos em 2024.

Levando-se em consideração essas condições, como aproveitar as possíveis oportunidades de investimento?

Faria – O Boletim Focus do Banco Central, divulgado em 15/12, apontou para um crescimento do PIB de 1,51%, inflação (IPCA) de 3,93%, taxa de câmbio (R$/US$) de 5,00 e taxa Selic de 9,25% no final de 2024. Nesse contexto, julgamos que o balanço de riscos apresenta assimetria para níveis de maior crescimento, inflação e juros mais baixos e câmbio apreciado em relação às expectativas de mercado. Destacamos os níveis ainda atrativos em termos de taxas para o mercado de renda fixa atrelado a juro real (IPCA+) e os valuations descontados em termos históricos no mercado de renda variável local, proporcionando boas oportunidades de investimento.

Kawasaki – Diante dessas condições, os investidores podem explorar a oportunidade de garantir taxas atrativas na renda fixa, optando por títulos indexados à inflação ou totalmente prefixados. E, na renda variável, é possível buscar oportunidades em setores que se beneficiam do ciclo de redução de juros, tais como o setor imobiliário, o setor de consumo e o de tecnologia.

Quer saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira? Não deixe de visitar o Hub de Educação da B3 e conferir o curso ‘Como organizar suas finanças’!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.