Organizar as contas

Como controlar o orçamento familiar e não se enrolar com os boletos

É preciso seguir a orientação dos educadores financeiros e não ultrapassar um percentual da renda com despesas como aluguel, mensalidade da escola e convênio médico

Mulher se organizando
Mulher se organizando

Por Paula Pacheco, especial para o Bora Investir

Ao alugar um imóvel, escolher a escola dos filhos ou o plano de saúde para a família, não basta levar em consideração quesitos como a localização, a qualidade do ensino ou a rede de médicos à disposição. É preciso fazer muitas contas antes de contratar esses serviços, não só a valores presentes, mas também levar em consideração projeções de reajustes futuros para que o orçamento familiar não seja comprometido.

“Em minha experiência de planejadora financeira, entendo que é muito esclarecedor fazer uma planilha e definir tais percentuais, mas não é uma receita de bolo”, afirma Paula Bento, sócia da HCI Invest e planejadora financeira CFP pela Planejar.

+ 11 apps gratuitos para controle e organização financeira

Padrão de vida

Cada família que queira se organizar precisa inicialmente trabalhar com o entendimento do seu padrão de vida atual e, a partir desse ponto, traçar percentuais viáveis a serem conquistados, completa Paula. “O que me chama atenção é que muitas pessoas não sabem nem qual seria o ideal, qual de fato é o seu padrão?  É sustentável esse padrão?”, provoca a planejadora financeira.

Segundo o educador financeiro Kelvin Saegussa, um dos caminhos para ter disciplina com esse tipo de despesa e não comprometer o orçamento é seguir a regra 50/30/20 (Essenciais, Variáveis e Reserva Financeira), em que os gastos essenciais de uma pessoa estejam em até 50% de sua renda.

“Outro detalhe que pode ser importante de se levar em consideração é a despesa de aluguel e seus custos paralelos como o condomínio, água, luz e gás. Por um ponto de vista de saúde financeira, é ideal que o gasto de moradia não ultrapasse 30% da sua renda mensal”, sugere Saegussa.

Para Hellen Kato, especialista de Metas e Matemática Financeira e professora da Me Poupe!, no entanto, em um cenário ideal a recomendação é que as despesas essenciais, que englobam aluguel, educação dos filhos e convênio médico, não ultrapassem 55% do orçamento familiar.

“Assim, haveria como destinar recursos para o crescimento pessoal, investimentos e mesmo para gastos considerados supérfluos. Esta é uma orientação geral, mas considerando o contexto brasileiro, há inúmeras variáveis que determinarão as circunstâncias específicas de cada família”, lembra Hellen.

O peso do aluguel na renda, ainda segundo a especialista, não deve ultrapassar 30% das despesas essenciais, enquanto os custos com educação e saúde podem variar mais, dependendo das necessidades, tamanho da família e prioridades do momento de vida que estejam passando.

Cuidado com os reajustes

O que fazer para não sofrer quando essas despesas aumentam – por exemplo, quando o valor do aluguel, o plano de saúde e a escola particular sofrem a correção anual?

A recomendação de Saegussa é, ainda considerando a regra 50/30/20, que a família procure poupar 20% da renda.

“Sabemos que essa não é a realidade para a maior parte da população brasileira, então a recomendação é que você tente criar o hábito de poupar a quantia que for possível para a sua realidade. Não importa o valor. O importante é criar o hábito e desenvolver essa prática para aumentar o valor a cada mês”, sugere o educador financeiro.

Por outro lado, aponta o especialista, a regra 50/30/20 não deve limitar a capacidade de poupança. Se for possível poupar mais que 20% da sua renda, o processo de enriquecimento será mais rápido.

Reserva de emergência

No momento de fazer as contas sobre despesas fixas da família, não se deve contar com a reserva de emergência para cobrir aumentos futuros – ao menos em um cenário ideal, explica Saegussa. A reserva de emergência deve somar em torno de 6 a 12 meses do custo de vida mensal.

Esse investimento, lembra, não deve ser usado para resolver problemas permanentes, mas sim com situações não programadas, como um problema de saúde, o carro quebrado, alguma reforma emergencial ou qualquer outra circunstância que imediatamente prejudique o que é essencial para viver ou trabalhar.

“Se as despesas aumentarem em uma proporção maior que a renda, é importante reavaliar o orçamento pessoal e achar um meio termo para a nova realidade. Isso significa buscar uma renda mais elevada ou ainda ajustar os custos de vida para a nova circunstância”, sugere o educador financeiro.

A professora da Me Poupe! alerta que o mais importante para não ter problemas com essas despesas é se basear no planejamento. “É importante que a família tenha consciência desses gastos e do quanto recebe para identificar se consegue acompanhar essas despesas ou não. Se as despesas fixas como aluguel, escola e convênio médico aumentarem e a renda não acompanhar esse aumento, algumas ações podem ser tomadas”, diz Hellen.

Veja as sugestões da especialista:

1) Redução das despesas: fazer as novas despesas caberem no orçamento é doloroso, mas muito pior é deixar que elas extrapolem e passem para a área das dívidas. Por isso, se a conta não está fechando, avalie a possibilidade de encontrar alternativas mais acessíveis, como uma moradia com aluguel mais em conta, escolas com mensalidades mais baixas, ou planos de saúde mais econômicos.

2) Aumento da renda: nem sempre os cortes serão possíveis. Assim, o caminho é aumentar a renda. Investir no seu crescimento pessoal e profissional, segundo Hellen, é uma despesa que não deve ser negligenciada, pois é quem vai permitir que se busque uma renda cada vez maior de forma mais estável. Já a renda extra pode ser uma resposta, mas ela é temporária e pode ajudar a desafogar as contas em um primeiro momento, seja por meio de trabalhos extras, freelancers ou pequenos negócios.

3) Uso da Reserva de Emergência: é importante lembrar que esse fundo deve ser utilizado somente em casos de real necessidade e em último caso e precisa ser recomposto assim que possível. Se as despesas mensais não estão fechando, é preciso procurar sempre reduzir os gastos ou ganhar mais. Ou ainda uma combinação dos dois. A reserva não deve ser encarada como uma complementação do salário ou logo também, não haverá reserva.

+ Conheça 3 simuladores gratuitos que podem te ajudar a investir melhor

Vigilância permanente

Mesmo antes de as despesas com aluguel, plano de saúde e escola aumentarem demais, a sócia da HCI Invest recomenda que os custos de uma forma geral, sempre que possível, sejam revisados e cortados, mesmo que caibam no orçamento.

Outra sugestão de Paula é revisar o padrão de vida. “Ver o que realmente é importante para você e sua família e não para o ambiente ou sociedade. Negociar descontos e, se possível, ter alternativa de renda, mesmo que temporária”, aponta Paula.

Quer saber como criar e utilizar planilhas para controlar suas receitas e despesas de forma eficiente? Confira este curso sobre planilhas de organização e controle oferecido pela B3,

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias