Organizar as contas

Seguro do carro ficou 15% mais caro; entenda por que e saiba economizar

Movimento ainda reflete os efeitos da pandemia, a reabertura da economia e a escalada dos roubos de veículos no país.

Carros. Foto: Sarah Brown/ Unsplash
Está prevista a utilização de R$ 700 milhões em créditos tributários para a venda de caminhões, R$ 800 milhões para carros e R$ 300 milhões para vans e ônibus. Foto: Sarah Brown/ Unsplash

Os preços do seguro de automóveis começaram o ano com um peso maior no bolso dos motoristas brasileiros. O avanço veio diante da reabertura da economia após o período mais crítico da pandemia, que elevou o movimento de veículos nas ruas pelo país. Com mais carros em circulação, o registro de sinistros subiu e os preços foram na mesma direção.

Os valores registraram avanço de 6,6% apenas em janeiro de 2023 — o mesmo patamar observado em agosto do ano passado. No primeiro mês de 2022 o indicador havia subido 5,7%. A alta acumulada é ainda maior em 12 meses e atinge 15,8%, segundo o Índice de Preços do Seguro de Automóvel (IPSA), da TEx, plataforma de inteligência de dados.

O presidente da TEx, Emir Zanatto, explica que entre os diversos fatores que contribuíram para o aumento do seguro está a valorização atípica de, em média, 20% no preço dos usados. Com os veículos valendo mais, cresce o número de furtos e roubos, o que puxa o comércio paralelo de peças e, consequentemente, a sinistralidade.

“Houve um aumento nos índices de roubo e furto em algumas regiões. Um exemplo é o estado de São Paulo, onde cresceu 14% em relação a 2021. Esse aumento de crimes é um fator que contribui para o reajuste dos preços realizados pelas seguradoras”.

ÍNDICE DE PREÇOS DO SEGURO DE AUTOMÓVEL – MENSAL

Fonte: TEx

A escassez de um equipamento fundamental para a indústria automobilística mundial também tem impacto o preço dos seguros. A falta de semicondutores fez as montadoras deixarem de produzir 250 mil veículos em todo o ano passado, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A crise se arrasta desde 2020, o que impacta diretamente a demanda por peças.

“A crise dos semicondutores e o desarranjo do mercado de autopeças durante a pandemia fez com que o reparo dos veículos ficasse mais caro e demorado. Isso levou os clientes a utilizar mais o carro reserva, o que acabou gerando custos adicionais para as seguradoras. Essas despesas a mais foram repassadas para o preço do seguro”, afirma Emir Zanatto.

+Como conseguir comprar um carro? A renda fixa pode ajudar

A falta de componentes também impactou a valorização no preço dos veículos e no mercado de seguro de carros em todo o Brasil, explica o presidente da TEx. “É um descasamento bastante negativo. Afinal as seguradoras que precificaram o risco de um veículo de, por exemplo, R$ 100 mil, meses depois tiveram que indenizar ele agora valendo R$ 120 mil ou R$ 130 mil. Isso faz com que tenham que corrigir os valores e expectativas”.

Idade e residência do condutor

O cenário da economia brasileira é apenas um dos fatores que influenciam no valor do seguro automotivo. A idade do condutor e o local onde mora também impactam no preço.

O Índice de Preços do Seguro de Automóvel ficou mais caro para os jovens de 18 a 25 anos — avanço de 11% em janeiro. Ele foi seguido pela faixa etária entre 26 e 35 anos (8,2%), 36 a 45 anos (6,8%), 46 a 55 anos (6,2%) e acima de 56 anos (5,3%).

Uma simulação feita pela plataforma TEx com dois perfis de condutores — que residem no mesmo local e possuem um veículo no valor de R$ 65 mil — mostra a diferença de preço da apólice. O motorista mais novo, com 26 anos, paga um seguro de R$ 6.656; enquanto o de 36 anos desembolsa R$ 5.395.

Conforme a região em que o segurado vive, as taxas de roubo e furto também pesam sobre o preço do seguro. No primeiro mês deste ano a Região Metropolitana de São Paulo pagou 7,3% do valor do carro em seguro – 62% a mais que na Grande Belém – cujo índice é o mais baixo das regiões (4,5%).

7 fatores que mais pesam sobre o preço do seguro

1. Classe de bônus – é a variável mais importante para determinar o valor do seguro de um automóvel. Ela é categorizada em faixas que vão de 0 a 10 e representa a fidelidade e competência do segurado. Quanto mais renovações sem sinistro, maior será sua classe de bônus.

2. CEP do condutor – a região geográfica por onde o carro transita tem grande importância na determinação do valor do seguro. Por exemplo, em locais com maior risco de roubo e furto, o valor do seguro pode ser mais alto. Além disso, a localização do CEP também pode influenciar a frequência de acidentes.

3. Valor do veículo – veículos mais caros, geralmente, têm mais recursos de segurança e não são alvos de roubos e furtos com tanta frequência. Por isso, esses veículos têm um valor proporcionalmente menor no seguro.

4. Idade do veículo – carros mais velhos, com maior quilometragem, tendem a ter mais problemas mecânicos e geralmente são mais roubados. Quanto mais velho o carro, mais caro é o seguro.

5. Idade do condutor – é um bom indicativo de experiência na condução de veículos. Em geral, quanto mais velho é o condutor, menor é o preço do seguro.

6. Fabricante do veículo – cada fabricante opera de maneira distinta na produção dos veículos, e isso pode influenciar o preço. O custo de manutenção do veículo, por exemplo, pode variar bastante conforme o fabricante.

7. Tipo de utilização do veículo – o uso particular é o mais comum, porém, atualmente há muitos casos de transporte por aplicativo, cuja exposição ao risco e a tendência mais acelerada de desgaste do carro podem provocar uma elevação da tarifa de seguro. O uso comercial do veículo pode aumentar a frequência de acidentes e, por isso, encarecer o seguro.

Fonte: TEx

Dicas para contratar e pagar o seguro do carro

A segurança financeira é o principal motivo para a contratação de um seguro para o carro. Ao adquirir uma apólice, o proprietário não vai arcar mais sozinho com todos os prejuízos de uma colisão e, principalmente, receberá o valor do veículo caso ele seja roubado ou furtado.

O presidente da TEx afirma que consultar um corretor é indispensável para obter opções de cobertura e preços no mercado. A velha dica de pesquisar, claro, também é fundamental na hora de escolher o seguro do carro.

“Ao adquirir um automóvel, é fundamental ter um seguro para garantir a segurança do seu patrimônio. Com o aumento dos preços – e para trazer um novo público para as seguradoras – muitas empresas têm trabalhado com diversas opções e modalidades de seguro, como os que cobrem apenas roubo e furto, até os seguros completos com cobertura para terceiros, colisões e danos. É aconselhável ter um seguro mais básico, mas não deixar de fazer”, conclui Emir Zanatto.

Carros híbridos e elétricos

Os veículos elétricos e híbridos começaram a ganhar força no mercado automobilístico brasileiro. Enquanto o primeiro utiliza 100% de energia elétrica, o outro combina energia elétrica e um combustível, como gasolina ou álcool.

O valor do seguro para esses tipos de veículos é mais em conta na comparação com os carros a combustão. Dos dez modelos mais vendidos do mercado, nenhum está acima da média dos carros a combustão – algo entre 4% e 8% do seu preço de tabela. Segundo Emir Zanatto, em média, veículos elétricos têm seguro 30% mais barato do que veículos do mesmo valor.

“Isso acontece porque esses veículos não têm volume de roubo e furto como os a combustão e nem mesmo mercado de peças paralelas. No Brasil, a criminalidade chega a corresponder a 50% do valor do veículo e os elétricos ainda são menos impactados por isso”.

Precisa de ajuda para organizar as contas? Este curso gratuito sobre como organizar suas finanças do Hub de Educação da B3 pode te ajudar — tudo sobre finanças e investimentos você encontra por lá.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias