Tipos de investimentos

Rendimento da poupança hoje: vale a pena ou não?

Durante anos a rentabilidade dessa aplicação foi vantajosa – mas hoje há muitas outras opções

Poupança ainda tem rentabilidade atrativa?
Criada ainda na época do Império, a poupança é a aplicação mais antiga do Brasil. Foto: Adobe Stock

A poupança foi a aplicação querida e, em alguns casos, a única conhecida dos brasileiros. Fatores como a segurança e uma rentabilidade atrativa garantiram o sucesso da caderneta por muito tempo. Hoje, já existem investimentos mais rentáveis e que oferecem altos níveis de segurança. Mesmo assim, a poupança continua sendo a preferida de milhões de brasileiros.

Segundo dados de 2020 da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), 43,6% dos brasileiros têm algum investimento e a maior parte dos recursos está na poupança.

Onde estão as economias dos brasileiros?

Poupança 29,2%
Fundos4,5%
Ações3,3%
Título público2,6%
Título privado5%
Previdência2,8%
Moeda estrangeira1,1%
Moeda digital1,1%
Investimento não-financeiro5,7%
Fonte: Anbima/2020

Mas por que a poupança é tão popular no país?

A tradição de Poupança

Criada ainda na época do Império, a poupança é a aplicação mais antiga do Brasil. Surgiu em 1861, com a lei promulgada por D. Pedro II que instituiu a Caixa Econômica Federal. O rendimento foi estipulado inicialmente em 6% ao ano, com resgate a qualquer momento.

Também data desse período inicial o termo “caderneta”, pois era esse o nome do pequeno livro de anotações que o titular recebia ao investir seu dinheiro. Ela servia como um registro de rendimentos e perdurou até o começo do século 20. Desde o início, o objetivo da poupança foi ser uma aplicação popular, em que pessoas poderiam ter um certo rendimento mesmo com recursos limitados.

Na década de 1960, a poupança começou a se tornar o que conhecemos hoje com a instituição da correção monetária (para evitar a perda com a inflação) dos depósitos pelo Banco Central (Bacen).

Você sabia?

As mulheres só passaram a ter direito de ter uma caderneta de poupança em 1915 e, ainda assim, com autorização do marido. Essa exigência só caiu em 1934, mesmo ano em que elas ganharam o direito ao voto.

Rentabilidade da Poupança

Outro fator que garantiu a longevidade da poupança foi o rendimento – vantajoso durante vários anos. Para entender melhor, é preciso diferenciar rendimento absoluto de rendimento real. O primeiro diz respeito à porcentagem que a poupança rende por ano, já o segundo é o rendimento após o desconto da inflação. O rendimento real é o dado que o investidor precisa observar para saber se o dinheiro que aplicou se valorizou mais do que o custo de vida – ou se ele perdeu poder de compra.

Em 1998, por exemplo, quando o Plano Real já estava bem consolidado, o rendimento real (ou seja, acima da inflação) da poupança chegou a 13,28% num cenário de inflação a 1,65% ao ano. Em outros anos, mesmo com a inflação alta, a poupança teve bons resultados. Em 1995, quando a inflação bateu 22,41%, o rendimento absoluto foi de 40,38% e o retorno real ficou em 14,69%.

Qual o rendimento da poupança hoje?

Já há algum tempo a poupança não rende tanto: a última vez que o rendimento real alcançou a marca de 5% foi em 2006. Cinco anos desde então – 2013, 2015, 2019, 2020 e 2021 – registraram rendimento real negativo: -0,12%; -2,28%; -0,05%; -2,30% e -6,37%, respectivamente.

Desde 2017, a fórmula de cálculo do rendimento da poupança mudou e o investidor precisa trabalhar com dois cenários antes de decidir aplicar seu dinheiro na famosa caderneta.

Quando a taxa básica de juros está abaixo de 8,5% ao ano, a poupança rende 70% da Selic. Quando está acima desse patamar, o rendimento é de 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano) mais a taxa referencial (TR), que desde o início de 2022 se encontra num valor muito baixo.

Para saber mais sobre o rendimento da poupança, veja o vídeo da B3 sobre o tema.

Se considerarmos que 2021 fechou com a Selic em 9,25% e que em 2022 a taxa também tende a ser maior que 8,5%, a remuneração deve ser de 0,5% ao mês. Isso significa 6,17% ao ano – abaixo da inflação oficial, que ficou em 10,06%. Quem deixou o dinheiro na poupança durante 2021 acabou perdendo 3,89% do seu poder de compra.

Com isso, outras aplicações se tornaram mais atrativas. É o caso do Certificado de Depósito Imobiliário (CDB). Algumas variedades pós-fixadas desse título têm renda atrelada à taxa do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) . Como o CDI tende a acompanhar a Selic, é um investimento mais vantajoso em cenários de juros altos.

Outra alternativa são os títulos do Tesouro Direto, que oferece opções com rendimento atrelado à Selic e também à inflação.

Tem dúvidas sobre escolher entre Tesouro Direto ou CDB? O vídeo da B3 sobre o assunto pode ajudar.

Você já ouviu falar da polêmica do confisco?

Na década de 1990, aconteceu o episódio mais conhecido na história da poupança brasileira. Como parte das medidas econômicas implantadas pelo então presidente Fernando Collor de Mello, houve o confisco da poupança. Na prática, só era permitido sacar até 50 mil cruzados novos – o que estivesse acima desse limite ficaria retido por dezoito meses. O montante confiscado era passível de correção monetária e acréscimo de juros de 6% ao ano.

O anúncio de tal medida fez com que milhares de pessoas fossem aos bancos para sacar a quantia permitida, o que acarretou um problema de liquidez. Prevendo o problema, o Banco Central chegou a decretar feriado bancário de três dias. Ao final do recesso, formaram-se filas enormes nas porta dos bancos – uma cena que entrou para a história econômica brasileira.

O confisco acabou abalando ainda mais a imagem do governo Collor, que já enfrentava denúncias de corrupção, e contribuiu para o processo de impeachment do então presidente.

Esse episódio mostra como a poupança, criada há tantos anos, continua presente no cotidiano dos brasileiros. Ainda hoje é comum que pais abram contas de poupança para seus filhos, com a ideia de criar uma reserva segura para gastos futuros. Mas como observamos no decorrer do texto, hoje temos alternativas mais vantajosas.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias