Commodities

El Niño x La Niña: quais os impactos para a economia brasileira?

Com o fim do El Niño, atenções se voltam à possibilidade e intensidade do La Niña no segundo semestre

Agronegócio. Foto: Pixabay.
Em 2022, o agronegócio correspondeu a 25% do PIB brasileiro Foto: Pixabay.

A virada de estação fez com que os temores sobre o El Niño se dissipassem. Os possíveis efeitos desse evento climático sobre as safras da América Latina preocuparam economistas e analistas do mercado na virada para o ano de 2024, mas, com a chegada do outono no hemisfério Sul, a temperatura das águas do Oceano Pacífico volta à neutralidade. No entanto, isso não significa que não há mais incerteza sobre a produção agropecuária brasileira. Isso porque o fenômeno inverso, o La Niña, ainda pode dar as caras nos próximos meses. Mas o que são esses eventos, e como eles podem afetar o seu bolso e a economia do Brasil?

O que é El Niño e La Niña?

O El Niño é um fenômeno caracterizado pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico. “Durante o fenômeno, que, normalmente, começa a se formar no segundo semestre do ano, as águas ficam, pelo menos, 0,5°C acima da média por um longo período de tempo de, no mínimo, seis meses”, aponta o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Parece distante do Brasil, só que esse aquecimento anormal muda os padrões de chuvas e temperatura em toda a América do Sul. Ainda de acordo com o Inmet, o El Niño aumenta o risco de seca na faixa norte das regiões Norte e Nordeste e de grandes volumes de chuva no Sul do País.

Já o La Niña é o oposto: tem como característica o esfriamento das águas do Pacífico. No Brasil, pode causar chuvas acima da média no Norte e Nordeste e secas no Sul e Sudeste, e assim causar danos a lavouras de diferentes culturas e regiões. O Centro de Previsão do Clima dos Estados Unidos atribui uma probabilidade de 62% para o início do La Niña em julho.

Entenda as diferenças entre os fenômenos El Niño e La Niña

Quais os impactos para a economia?

Os fenômenos climáticos podem afetar a produtividade das lavouras no País e pressionar a inflação para cima. “Normalmente, no início de ano, a gente tem um preço de alimentos realmente um pouco mais pressionado. A grande preocupação que tinha no passado era a intensidade do El Niño. Agora conseguimos ver uma moderação, o que traz uma boa notícia”, afirma Gustavo Sung, economista-chefe da Suno Research.

Com a possível chegada do La Niña, entretanto, voltam os temores quanto à situação das plantações. “São fenômenos opostos. O El Niño provoca um impacto negativo no Nordeste, e teoricamente, pode ser bom para o Sul do Brasil e para o Sul da América do Sul. O La Niña, ao contrário, é ruim para essa região Sul, e é bom para o Nordeste e o Norte do país”, diz José Carlos Hausknecht, sócio-diretor da MB Agro.

“Na safra passada, tivemos uma quebra no Rio Grande do Sul, mas o Centro-Oeste e o Norte produziram bem, o Brasil teve uma safra recorde. Nesta safra está acontecendo o contrário. A gente está com uma quebra no Centro-Oeste em geral e está produzindo melhor no Rio Grande do Sul, na Argentina e no Uruguai”, afirma.

Segundo ele, como algumas regiões compensaram com boa produtividade as quebras de safra nas localidades mais afetadas, o preço internacional de grãos tem caído.

A boa notícia é que, até o momento, o cenário é positivo.  “Quando a gente olha a cotação de commodities lá fora, em relação a 2023, hoje o preço está bem mais baixo”, afirma Sung. “A gente espera um preço melhor para alimentos nos próximos meses, o que traz algum alívio”.

+ O que pode influenciar no preço das commodities? Veja diversos fatores

Ainda há muita incerteza

Por enquanto, o que a perspectiva de um La Niña no segundo semestre traz é incerteza. “Nem sempre um La Niña traz efeitos tão trágicos como a gente viu no passado. Nem todo La Niña é igual”, diz Hausknecht.

“Acho que o ponto principal que a gente ainda não sabe, observando os principais órgãos internacionais, é a intensidade do La Niña. Eu acho que a intensidade vai ditar muito o impacto sobre a produção e a colheita de alimentos. Acho que esse é o ponto principal. A princípio, eu não vejo um evento extremo, por enquanto, dado também que a gente tem essa incerteza muito grande”, completa Sung.

Quer saber mais sobre investimentos em ESG? Confira o curso gratuito do Hub de Educação da B3!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias