Entrevistas

Babu Santana: “Nunca soube o que era investir. Quando ganhei o BBB, comecei a estudar essa parada”

No B3 Convida desta semana, o cantor, ator e empresário Babu Santana contou sobre sua trajetória profissional e sua relação com o dinheiro

Babu Santana no B3 Convida

Por Redação B3 Bora Investir

O ator, cantor e empresário Babu Santana tem uma daquelas histórias tão fantásticas que nem parecem realidade. Cria do morro do Vidigal, na cidade do Rio de Janeiro, ascendeu na carreira artística e se consolidou como um dos atores mais proeminentes do Brasil. Se destacou em obras históricas do cinema nacional, como Cidade de Deus, Batismo de Sangue e Mundo Cão, mas sua interpretação mais reconhecida é de Tim Maia, no filme biográfico do cantor.

Babu foi o vencedor do prêmio Grande Otelo, o maior da dramaturgia brasileira, duas vezes. Hoje, é o dono do selo musical Paizão Records, dedicado à cena trap, funk e rap dos jovens da periferia. No B3 Convida desta semana, o empreendedor fala sobre sua vida após o Big Brother Brasil, sobre seu negócio, sobre arte e muito mais. Veja os destaques:

B3: O que houve na sua vida depois do BBB20?

Babu: Eu nunca tinha parado para pensar nem nunca me inscrevi. Quando recebi o convite, pensei: “será que aceito?”. A vida não estava muito boa e 2019 não foi um ano muito bom para cultura. Estava sem patrocínio, sem trabalho e, como tenho três filhos, a questão financeira falou mais alto. Aí eu pensei: “que mal tem? Vou ganhar esse cachê…”.

Nunca pensei que fosse ganhar o prêmio. Não tenho o perfil de Big Brother. Na pior das hipóteses, vou ficar uma semana pegando uma piscininha de graça. Lembro que quando conversei com a Manu Gavassi e com o Pyong Lee, fiquei assombrado: “Eu deixei 300 e poucos vídeos”, disseram. Para quê? Para quem? Eu era totalmente low profile, comecei a usar o Instagram só para não perder minhas fotos. Tanto é que as minhas primeiras postagens não tinham nem legenda.

Gastou demais na Black Friday? Veja como colocar as contas em dia de novo

E, aí, percebi que se eu achava que tinha poucas chances, não teria nenhuma. E foi aí que eu percebi que queria o prêmio, para provar algumas coisas. Para minha surpresa, quase 100 dias depois, descobri que o Brasil tinha abraçado essa minha correria, e isso me deixou muito emocionado.

Foi engraçado quando falei com a dona Rosa [a proprietária do imóvel que Babu aluga]. Ela me disse: Babu, você disse que está me devendo dois meses mas, na verdade, são três. E, aí, eu me liguei da minha realidade. Aos poucos apareceu um novela e outra, lives, fui fechando contratos, e a vida, de fato, mudou.

B3: Como ficou sua relação com o dinheiro?

Babu: Um dos filmes que eu fiz, chamado “Meu nome não é Jhonny”, tem uma cena que achei muito interessante. O Jhonny está conversando com um traficante internacional que, ao pagá-lo, diz: “você está ganhando bem, hein? Minha meta é juntar US$ 1 milhão”. E o Jhonny responde: “minha meta é gastar US$ 1 milhão”.

Quase tatuei essa frase porque era algo ficcional demais. Nunca consegui guardar dinheiro. Achava um absurdo. Tinha uma tia super regrada e antenada, que investia em Bolsa e tudo. E, aí, num dia, ela pareceu com um telefone, na época que um telefone custava o preço de um carro popular. Então, ela sempre foi uma mulher para frente. E ela me dizia: “você precisa guardar dinheiro”! Como, se faltava?

Eu tinha uma técnica: se neste mês eu atrasasse a conta de luz, no mês seguinte eu acertava tudo e atrasava a água. E eu era ótimo nessa administração de orçamento. Antes do BBB, nunca me sobrou dinheiro. Uma vez me questionaram se não ganhei muito dinheiro com o Tim Maia. Não! Gente, no cinema brasileiro, nem o ator mais consagrado conseguiria ficar rico só atuando. Cinema é uma arte cara e penosa, e 96% das sala brasileiras passam filmes estrangeiros. É um mercado que não tem muito espaço dentro do próprio País. Quem trabalha com arte e cultura no Brasil está fadado a lidar com esses orçamentos pequenos.

A televisão e a publicidade remuneram melhor. Mas, também, é um mercado cruel. Você tem que estar dentro dos padrões, e há muito pouco tempo tem se visto pessoas pretas e corpos gordos na publicidade. Meus amigos catalãos diziam que a publicidade do Brasil parecia com a do Canadá: pessoas brancas, magras e jovens.

Então, eu nunca soube o que era poder investir, já que eu tirava de um mês para poder suprir o outro. Quando ganhei o BBB, comecei a estudar essa parada. Mas eu tenho uma visão comunitária. Quando peguei a primeira grana bacana, aluguei uma casa de 400m e coloquei toda a minha equipe lá, e a equipe era formada, basicamente, de amigos meus. Empreguei todos eles e fui muito criticado. Mas meu primeiro investimento foi nas pessoas. No meu filho, na minha filha e na educação deles.

B3: Você fala de dinheiro com seus filhos?

Babu: Eles têm uma mesada e onde moramos é muito difícil se deslocar de transporte público. E eu dou o dinheiro para eles e eles precisam administra-lo. Tento trazer essa conscientização, porque, até pouco tempo atrás, eles também viviam a realidade da dureza financeira.

O pensamento é nunca andar para trás. Mas, como artista, estamos sempre na corda bamba. Então eu prefiro saber sempre como me virar. A grande vantagem é que eu sei viver com R$ 10 por semana. Hoje eu tenho uma condição melhor, e estou aprendendo a lidar com isso também.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.