Notícias

CEO do Cruzeiro fala da importância e desafios da SAF (clube-empresa) no Brasil

Em presença no painel do MKBR22, Gabriel Lima, dirigente do clube, discutiu a abertura da possibilidade de novos investimentos no ecossistema do futebol brasileiro

Jogadores do time de futebol Cruzeiro abraçados no meio do campo. Foto: Site Cruzeiro Esporte Clube
Tradicional clube de Minas Gerais e do Brasil volta à elite nacional no ano de 2023. Foto: Site Cruzeiro Esporte Clube

Na última quarta-feira, 21, o Cruzeiro Esporte Clube, tradicional time de futebol nacional, conquistou o acesso à primeira divisão do futebol brasileiro, voltando à elite após ser rebaixado em 2019. O time passou por um processo de reestruturação, mudança de gerência e aderiu a SAF, o modelo clube-empresa que foi aprovado por lei.

Horas antes da conquista pelo time mineiro, o CEO do time, Gabriel Lima, comentou sobre a importância do modelo de gerência, não só para o Cruzeiro, mas para o ecossistema do futebol brasileiro. A SAF e o novo modelo de gerência e negócios foi tema de discussão no MKBR22, evento voltado para o mercado de capitais que é organizado pela ANBIMA e pela B3, que aconteceu nos dias 21 e 22 de setembro.

Além da presença do CEO do Cruzeiro Esporte Clube, Gabriel Lima, o debate também contou com participação do sócio-fundador da Bichara e Motta Advogados e especialista em direito esportivo, Marcos Motta, e foi mediado pelo ex-jogador e empresário Kaká. Eles abordaram o advento da lei da SAF (Sociedade Anônima do Futebol), a criação de uma liga de clubes e outros fatores que movimentam o futebol e aumentam a possibilidade de investimentos no setor.

Para os participantes, a lei da SAF possibilitou uma nova fase de futebol brasileiro, onde clubes como Vasco, Botafogo e Cruzeiro aderiram ao modelo para reestruturar os clubes. Porém, Gabriel Lima ainda enxerga desafios na mudança de mentalidade dos times brasileiros.

Clubes de futebol x empresas

Para ele, o maior desafio é fazer com que os conselheiros dos clubes em atual modelo associativo abram mão do poder que têm em prol de uma melhor governança pelo bem do time.

“O modelo associativo é um modelo político por natureza, com sua estrutura de conselheiros. Então, o primeiro exercício é o de despolitização do clube, onde se transfere as decisões para um investidor. Essa é a maior vantagem, pois é feita de forma mais rápida, com um processo de governança mais enxuto”, afirma o CEO do Cruzeiro.

O dirigente ainda afirma que os clubes vão se tornar empresas mais por necessidade que por decisão, por conta de dificuldades administrativas e financeiras, mas que em sua visão a SAF ou empresa traz mais responsabilidade. Isso porque, segundo ele, as consequências de uma má administração não seriam passadas para um próximo mandato, mas sim para o próprio patrimônio do dono.

O ex-jogador Kaká, que atuou por diversos clubes pelo mundo, nos sistemas de clube empresa ou associação, concorda com Lima e acredita que “a responsabilidade é o que faz a diferença”.

O especialista Marcos Motta diz que a SAF veio viabilizar os investimentos numa área que existe capital, como vemos pelo mundo, nos EUA e na Europa. Ele vê um momento de reposicionamento do futebol brasileiro, possibilitando o investimento no que temos de melhor.

“Na América do Sul temos um movimento da SAF, direitos de TV vencendo e apostas esportivas crescendo, é um período favorável para as mudanças”, acredita ele.

Liga de clubes no futebol

A possibilidade de uma organização de uma liga de clubes é outro ponto que os convidados destacam para as novas oportunidades de investimentos na área.

Para Lima, no atual cenário, o Brasil exporta apenas matéria prima (os jogadores). Porém, com uma maior governança e mudanças no sistema, há a possibilidade de exportar o conteúdo pronto e bem acabado, como outras ligas do mundo fazem atualmente.

“As ligas são os veículos que se comunicam com o mercado, que oferecem o produto. Podemos ter uma transição de um clube popular para um clube global se tivermos uma liga”, afirma Motta, sócio-fundador da Bichara e Motta Advogados.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias