Notícias

Copom confirma que manterá cortes de 0,5 p.p. na Selic e suaviza divergências

Ata da reunião explicou as discordâncias entre os diretores sobre a queda dos juros. Tom foi considerado duro pelo mercado

Copom. Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil
O livro de registros do Copom, o Comitê de Política Monetária. Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) divulgou nesta terça-feira, 08/08, a ata da reunião na semana passada que reduziu em 0,5 ponto percentual a taxa básica de juros, a Selic, para 13,25% ao ano.

No documento, o colegiado avaliou que ambos os cortes colocados na mesa (0,25 p.p. ou 0,5 p.p.) eram “compatíveis com a convergência da inflação para a meta” nos próximos anos.

Os cinco membros que votaram pelo corte maior argumentaram que esse ritmo não iria atrapalhar o cumprimento da meta de inflação e a credibilidade da política monetária.

Já os outros quatro, que votaram pela redução de 0,25 p.p, consideraram que não houve mudanças relevantes nas projeções que justificassem reavaliar a sinalização de “cautela e a parcimônia” indicada nas reuniões anteriores.

Apesar dessas divergências de cenário, o consenso é de que ainda existem sinais na economia que pedem uma postura mais conservadora do Copom. São eles:

  • Projeções de inflação no longo prazo (2024 e 2025) ainda longe da meta de 3%;
  • Núcleos de inflação, medidas que buscam captar tendências ao excluir do cálculo itens mais voláteis como alimentos e combustíveis, ainda acima do desejado;
  • Inflação de serviços ainda acima da meta, o que mostra uma economia resiliente.

Segundo a ata, era consensual que esse cenário “requer uma postura mais conservadora ao longo do ciclo de flexibilização da política monetária [corte dos juros]”, afirmou o BC.

Tom mais duro da ata

Para a economista-chefe do Inter, Rafaela Vitória, a ata do Copom trouxe um tom mais duro, reforçando o cenário de cautela mesmo com a escolha do corte de 0,50 p.p.

“O Copom volta a mencionar o ajuste fiscal, ainda incerto, e possíveis políticas parafiscais, como crédito direcionado, que podem manter a atual desancoragem parcial”.

+ Corte da Selic reforça ciclo benéfico de 18 meses para ações, diz Aline Cardoso, do Santander

O head de pesquisa macroeconômica da Kínitro, João Savignon, concorda com a firmeza do tom adotado pelo Comitê, principalmente ao falar dos próximos passos da política monetária. “[O Copom] coloca uma ‘barra’ bastante alta para uma intensificação no ritmo de cortes de juros”.

Novos cortes de 0,5 p.p. na Selic estão precificados

A ata do Copom afirmou que houve “unanimidade” sobre a previsão de cortes futuros de 0,5 ponto na Selic. E que “esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário”.

O Copom disse também que o “cenário ainda inspira cautela, reforçando a visão de serenidade e moderação que o Comitê tem expressado”. E que é “pouco provável uma intensificação adicional do ritmo de ajustes”.

Essa sinalização reforçou que não haverá reduções maiores, como se chegou a especular no mercado e como também passou a precificar a curva de juros.

“Podemos ver um ajuste no mercado nas taxas curtas. Por outro lado, o cenário externo também é de cautela, e pode impactar a expectativa de piso para a Selic nesse primeiro momento do ajuste, com a taxa terminal mais próxima de 9%”, conclui a economista do Inter.

+ Queda da Selic: como ficam os meus investimentos?

Para o comitê, uma possível intensificação no ritmo de corte de juros só viria com “uma alteração significativa dos fundamentos da dinâmica da inflação”.

Dentre elas, destacaram: “reancoragem bem mais sólida das expectativas” e “uma dinâmica substancialmente mais benigna do que a esperada da inflação de serviços”.

Sobre a duração do ciclo de cortes, o colegiado foi curto e grosso: “dependerá da evolução da dinâmica inflacionária”.

O Copom não projeta qual será o novo patamar da Selic ao fim desse ciclo de queda dos juros.

Repercussão no governo

Em entrevista à Globonews, a ministra do Planejamento, Simone Tebet, afirmou que o Banco Central está de parabéns após a divulgação da ata.

“O comunicado veio no tom certo, a ata está absolutamente esclarecedora, realista, mostrando que é possível sim nas próximas três reuniões do Copom diminuir em pelo menos 0,5% a taxa de juros do Brasil”, afirmou.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias