Notícias

Desemprego cai a 7,6% até outubro, menor taxa desde 2015; ocupação bate recorde

País ainda tem 8,3 milhões de desempregados. População ocupada é a maior desde o início da série histórica, mais de 100 milhões. Total de rendimentos também bate recorde

Carteira de trabalho. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua divulgado pelo IBGE. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A taxa de desemprego voltou a desacelerar no Brasil e atingiu 7,6% no trimestre encerrado em outubro, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), publicada nesta quinta-feira, 30/11 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado ficou abaixo dos três meses anteriores (maio-julho), quando o desemprego ficou em 7,9%. No mesmo trimestre do ano passado, o valor era de 8,3%. Essa, portanto, é a menor taxa de desemprego desde fevereiro de 2015.

TAXA DE DESEMPREGO

Fonte: PNAD-IBGE

Apesar de mais uma retração, o desemprego ainda atinge 8,3 milhões de brasileiros – menor contingente de desocupados desde o trimestre encerrado em abril de 2015.

Para a G5 Partners, o resultado veio ligeiramente acima da projeção de taxa de desemprego na casa dos 7,5%, patamar que deve ser alcançado até o final do ano.

“O mercado de trabalho continua em trajetória benigna, com redução do desemprego, informalidade sob controle – com taxa abaixo da verificada antes da pandemia – e aumento do rendimento dos trabalhadores”, afirma.

100 milhões: população ocupada bate recorde

Pela primeira vez na história da pesquisa do IBGE, iniciada em 2012, o número de trabalhadores ocupados no país atingiu 100,2 milhões de pessoas no trimestre encerrado em outubro.

O valor é 0,9% maior em relação ao trimestre anterior (862 mil pessoas) e 0,5% mais alto frente a igual período de 2022 (mais 545 mil). Com isso, segundo a coordenadora de PNAD, Adriana Beringuy, o percentual de pessoas ocupadas em idade de trabalhar é de 57,2%.

“A população ocupada segue tendência de aumento que já havia sido observada no trimestre anterior”, afirmou.

Para o economista-chefe do banco Master, Paulo Gala, esse resultado é muito positivo para o mercado de trabalho brasileiro, que já apresentou a criação de 190 mil empregos formais em outubro.

“O mercado está projetando a criação de quase dois milhões de vagas formais em 2023, uma excelente notícia para a economia brasileira”.

A população fora da força de trabalho ficou em 66,6 milhões de pessoas, o que representa estabilidade ante o trimestre anterior, segundo o IBGE.

Em alta: emprego com carteira e por conta própria

A desaceleração da taxa de desemprego no trimestre encerrado em outubro foi puxada pelo aumento de trabalhadores com carteira assinada no setor privado e por brasileiros que trabalham por conta própria.

O número de pessoas com empregos formais avançou 1,7% no trimestre entre agosto e outubro, ante o anterior, para 37,6 milhões de pessoas (mais 620 mil pessoas). Esse é o maior contingente desde o trimestre encerrado em junho de 2014.

O contingente de trabalhadores por conta própria atingiu 25,6 milhões de pessoas, um crescimento de 1,3% ante o trimestre anterior (mais 317 mil). Para a coordenadora da pesquisa, a melhora na ocupação foi acompanhada de um emprego com mais qualidade.

“O mercado de trabalho teve recuperação puxada por informais e conta própria no pós-pandemia. Sobretudo de 2022 para cá, começamos a acompanhar um crescimento importante do emprego com carteira”, conclui Adriana Beringuy.

A taxa de subutilização – que são brasileiros que querem trabalhar mais, mas não encontram vagas – atingiu 20 milhões de pessoas. Esse é a menor taxa desde o trimestre encerrado em dezembro de 2015.

Rendimento em alta firme

O rendimento real habitual cresceu 1,7% no trimestre encerrado em outubro, frente ao anterior, e ficou em R$ 2.999. No ano, a alta é de 3,9%. Segundo a pesquisadora, à expansão de emprego com carteira assinada explica essa alta nos ganhos.

“Há um ganho quantitativo, com um aumento da população ocupada, e qualitativo, com o aumento do rendimento médio”, afirma Adriana.

A massa de rendimento real habitual – que é a soma dos ganhos de todos os trabalhadores empregados – foi estimada em R$ 295,7 bilhões, maior valor desde o início da série histórica do IBGE, em 2012.

O economista, André Perfeito, explica que a conjunção de desemprego em queda e rendimento em alta fez que a massa salarial registrar esse recorde.

“Esse avanço reforça a perspectiva de crescimento econômico, afinal se trata de ter mais dinheiro na mesa da economia. (…) Essa elevação pode estar sendo usada para duas coisas: de um lado parte no consumo e outro para a desalavancagem das famílias que se endividaram fortemente durante a pandemia”, explica.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.