Empresas

Empresas cíclicas e não-cíclicas: o que são e como diferenciar

Conceito de empresas cíclicas e não-cíclicas mostram quais setores estão mais propensos a serem afetados por oscilações macroeconômicas

Empresas. Foto: Adobe Stock
Diferentes setores têm diferentes relações com a economia. Foto: Adobe Stock

Por João Paulo dos Santos

Muitos fatores podem influenciar os resultados de uma empresa. Porém, existem companhias e setores que estão mais suscetíveis, enquanto outros menos, a ciclos da macroeconomia. São as famosas empresas cíclicas e não-cíclicas.

O que são empresas cíclicas?

As empresas cíclicas são aquelas mais afetadas por ciclos econômicos, ou seja, pela flutuação de índices e fatores econômicos, como alterações de inflação e taxas de juros. Assim, elas tendem a ter melhores resultados em cenários positivos da economia, quando o consumo é impulsionado.

Elas também podem ser afetadas por ciclos próprios, como as companhias de commodities. Já que são negócios que passam por momentos de pico e de vale, ou seja momentos de expansão e momentos de retração. 

“Essas empresas passam boa parte do tempo no período de retração, onde podem apresentar inclusive prejuízo, porque geralmente tem um efeito cambial muito grande nos seus balanços. Em contrapartida, em momentos de expansão são grandes pagadoras de dividendo porque geram muito fluxo de caixa”, afirma Louise Barsi, sócia do AGF (Ações garantem o futuro).

Exemplos de empresas cíclicas, além dos citados acima, são companhias do setor de varejo, tecnologia, frigoríficos e construção civil.

O que são as empresas não-cíclicas?

Por outro lado, as empresas não cíclicas são aquelas, como o diz o nome, não tão afetadas pelo ciclo econômico. Isso acontece pois elas têm demandas relativamente constantes, sem muitas variações. São bens necessários, por isso apresentam mais resiliência em cenários mais adversos da economia.

“Por que existe essa resiliência? Porque são negócios de utilidades básicas, serviços básicos. Vamos dar dois exemplos: quando você está num momento de retração da economia, o que você prefere? Comprar uma roupa nova ou usar parte da sua renda, que já é escassa, para pagar a conta de luz? O que é mais primordial?”, explica Barsi. Claro que a conta de luz ganha na escala de prioridade, não tem jeito.

Exemplos de empresas não-cíclicas são: bancos, energias, saneamento, saúde, seguros e telecomunicações.

+ O que as empresas fazem com o dinheiro captado no IPO?

Vantagens e desvantagens

Segundo Fabrício Gonçalvez, CEO da Box Asset Managemen, as vantagens das empresas cíclicas incluem a possibilidade de obter retornos mais altos em tempos de expansão econômica, além de terem a possibilidade de adquirir ativos a preços mais baixos durante as recessões econômicas. 

No entanto, as desvantagens das empresas cíclicas incluem a maior volatilidade de seus resultados e fluxo de caixa, além de uma maior necessidade de investimentos contínuos em seus negócios para se manterem competitivas.

Já as vantagens das empresas não-cíclicas incluem a estabilidade de seus resultados e fluxo de caixa, além de uma menor necessidade de investimentos contínuos em seus negócios. 

Contudo, as desvantagens das empresas não-cíclicas incluem a menor possibilidade de obter retornos mais altos em tempos de expansão econômica e a falta de oportunidades para adquirir ativos a preços mais baixos durante as recessões econômicas.

Independentemente de qual tipo de empresa escolher investir, quando se investe em companhias de capital aberto, então os riscos que são parte natural desse tipo de aplicação também devem ser antecipados. Além de levar em conta o quanto a macroeconomia pode influenciar nos negócios, o desempenho pode também ser consequência de muitos outros fatores, como o time de administração e o estágio em que uma empresa se encontra e até se ela já é consolidada no mercado ou não.

Além de informações sobre empresas, o site da B3 também tem índices que agrupam companhias por diferentes categorias de excelência, como governança, e relacionados a segmentos específicos, como commodities e indústria. Já o site da CVM possui uma área para informações sobre companhias, como dados abertos e registros.

+ O que devo saber antes de investir em uma empresa?

Para saber mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias