Empresas

Falência do Silicon Valley Bank reacende fantasma da crise global de 2008

Ano foi marcado pela quebra do Lehman Brothers, do Washington Mutual e de uma crise que se alastrou pela economia real e foi o estopim de uma recessão mundial

Crise. Foto: Pixabay
Mercado rapidamente assimilou a última decisão do FED e o Ibovespa reverteu os ganhos. Foto: Pixabay

A falência do Silicon Valley Bank (SVB), conhecido como o banco das startups, e que levou também a liquidação o Signature Bank – instituição voltada para criptomoedas – reacendeu na memória dos investidores a crise financeira de 2008 que começou nos Estados Unidos e se alastrou para o resto do mundo.

Crise global de 2008 nos EUA

No dia 15 de setembro de 2008, o gigante do mercado financeiro global – o banco americano de investimentos Lehman Brothers foi a falência, tragado por uma bolha imobiliária que começou no início do novo milênio e estourou em 2007. Antes de chegar nessa fatídico dia – que está na memória de muitos investidores, empresários, jornalistas e políticos – precisamos voltar um pouco no tempo.

Após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, o Federal Reserve (Fed) começou uma redução forçada dos juros americanos para estimular o crescimento da economia. As taxas passaram de 3,5% ao ano antes dos atentados para 1% ao ano entre 2003 e 2004. Com o crescimento do país a juros baixos, os bancos passam a conceder empréstimos imobiliários para clientes com pouca capacidade de pagamento – os chamados Subprime.

O incentivo das instituições americanas era tão grande, que muitas famílias começam a fazer hipotecas de diversas casas. A partir de 2004, com a economia mais estabilizada, o banco central americano elevou novamente os juros – que atingiram 5,25% em maio de 2006. O encarecimento das prestações dos financiamentos imobiliários, levou a disparada no calote das hipotecas.  

É no início de 2007 que a crise no Subprime começa a estourar em todo o planeta. O problema do calote nos financiamentos, que poderia ser apenas uma questão local, se transformou numa bola de neve global. Isso aconteceu porque muitos bancos venderam a investidores locais e no exterior fundos lastreados nessas hipotecas, ou seja, investimentos que ofereciam um rendimento atrelado ao pagamento desses financiamentos habitacionais. Gerou-se assim um efeito cascata incontrolável.

+ Colapso do Silicon Valley Bank nos EUA é o maior desde a crise financeira de 2008

Repercussão ao redor do mundo 

Para evitar uma crise bancária sem precedentes, vários governos ao redor do mundo, precisaram resgatar grandes instituições financeiras e coordenar a venda de outras. Na época, o mercado estimou que os empréstimos Subprime nos Estados Unidos chegaram a US$ 1,3 trilhão.

O primeiro banco a sofrer o baque da bolha imobiliária americana foi o Bear Stearns, em junho de 2007. Pouco depois foi a vez do BNP Paribas, da França. Inicia-se uma crise de confiança entre os bancos em todo o planeta, o que interrompe a troca de crédito entre as instituições e obriga os bancos centrais a injetar recursos no sistema bancário para evitar um completo colapso.

Chega 2008 e os problemas no mercado mundial persistem – com o fortalecimento da intervenção dos governos nos bancos. Em fevereiro, o governo do Reino Unido nacionaliza o Northern Rock – quinto maior banco do país. Em março, o JP Morgan Chase compra o Bear Stearns. Em setembro, o governo americano resgata duas empresas autorizadas por eles próprios a conceder empréstimos imobiliários: o Fannie Mae e a Freddie Mac.

A quebra do Lehman Brothers

15 de setembro de 2008, segunda-feira. Após um fim de semana tenso, o Lehman Brothers pede concordata e se torna o primeiro grande banco a quebrar por conta da crise financeira sem precedentes. Começa um novo capítulo da histórica econômica mundial moderna, que ficou conhecida como a Grande Recessão – nunca vista desde a Depressão de 1930.

As imagens do desespero de funcionários, correntistas e investidores chocam o mundo. Pelo lado financeiro, começa um efeito cascata de falências, resgates por governos e compras de bancos e empresas de seguro por outras instituições.

O Bank of America dá a largada ao adquirir, no mesmo dia, o Merrill Lynch por US$ 50 bilhões. A empresa americana de seguros e previdência, AIG, é resgatada pelo governo americano. A companhia tinha 30 milhões de segurados apenas nos EUA, atividades em 130 países e apólices para mais de 100 mil empresas e entidades.

A quebra do Washington Mutual

O pior mês para a economia moderna da história americana termina com o colapso do Washington Mutual (WaMu). A instituição era o maior banco de poupança e empréstimos do país na época – detinha cerca de US$ 309 bilhões em ativos quando enfrentava as perdas com empréstimos hipotecários e uma corrida dos seus correntistas para retirar o dinheiro com medo de insolvência.

O banco acabou fechado por agências reguladoras e vendido ao JP Morgan Chase. Até hoje, mesmo com a crise no Silicon Valley Bank, ainda é a maior falência de banco na história dos Estados Unidos.

Pacotes de emergência

Diante de toda a crise, governos do mundo inteiro – inclusive aqui no Brasil – passam a anunciar pacotes de emergência para socorrer bancos e tentar evitar um problema ainda maior no sistema econômico.

Nos Estados Unidos, o Congresso aprovou um pacote de US$ 700 bilhões para capitalizar instituições financeiras com a compra de ativos e até parte do capital das companhias – medida inédita na história do Tesouro americano.

No Brasil, o governo autoriza o Banco Central a comprar carteiras de créditos e bancos em dificuldades no país, além de liberar os bancos públicos a adquirir a participação em outras instituições sem a necessidade de licitação.

Na Europa, vários países também aprovam resgates como a Alemanha (500 bilhões de euros), França (350 bilhões de euros) e Espanha (100 bilhões de euros).

A crise se espalha

 A partir de 2009, a crise que começou nas hipotecas dos Estados Unidos se espalha para empresas de outras atividades econômicas.

Em abril, a montadora Crysler recebeu um resgate do governo americano após pedir concordata. Em junho, a General Motors – maior fabricante de automóveis dos EUA durante 70 anos – pede falência ao não conseguir renegociar dívidas. Para evitar a perda de empregos, o governo americano investe US$ 50 bilhões na fabricante de veículos em troca de 60% da empresa.

As crises são diferentes

Os economistas da XP, Fernando Ferreira (estrategista-chefe e Head do Research) Jennie Li (estrategista de Ações) e Rebecca Nossig (analista de Estratégia de Ações) explicam que as comparações com 2008 são naturais, mas as similaridades, por enquanto, param por aí.

Segundo os especialistas, hoje os bancos americanos e globais têm uma regulação muito mais restritiva – aprovada após a crise de 2008. Isso tornou o sistema financeiro mais seguro com os níveis de capital regulatório maiores, os de alavancagem menores e regulações de empréstimos mais duras.

“Isso tudo ajudou a tornar o sistema muito mais seguro, mas ainda não à prova de falências, como vimos no caso desses dois bancos regionais americanos. (…) Em suma, não vemos uma crise sistêmica nos moldes e profundidade que vimos em 2008. Além disso, os reguladores e bancos centrais têm atuado muito mais rapidamente para conter o contágio”, conclui o time de analistas.

Também quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias