Mercado

Colapso do Silicon Valley Bank nos EUA: o maior desde a crise financeira de 2008

Entenda a quebra da instituição, os impactos no sistema financeiro americano, as consequências para os investidores e a repercussão no mercado em todo o planeta.

Notas de dólar montadas como quebra-cabeça, vantagem do COE é ter diferentes tipos de investimentos em um único título. Foto: Adobe Stock
O mercado fracionário pode ser uma opção para quem não tem dinheiro suficiente para comprar um lote inteiro no mercado à vista. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Um dos maiores pesadelos da história da economia moderna dos Estados Unidos voltou a assombrar os investidores. Passados 15 anos desde a quebra do Washington Mutual, os americanos assistem ao colapso do Silicon Valley Bank (SVB).

A ruína do principal banco das startups começou na semana passada, após uma corrida dos clientes para resgatar as suas aplicações e da falha na tentativa de levantar o capital da instituição. Diante do colapso com a saída de recursos, principalmente das startups que são as principais clientes (e para evitar o episódio de 2008), os reguladores federais americanos fizeram uma intervenção no banco.

O SVB, criado em 1983, é uma instituição pouco conhecida do grande público, pois visava atender as empresas de tecnologia do Vale do Silício, na Califórnia. O banco foi responsável por financiar a maioria das startups americanas, o que levou seus ativos a alcançar a marca de US$ 209 bilhões – 20ª colocação de maiores bancos dos Estados Unidos.

Warren Buffett destaca confiança no futuro da economia dos EUA

Neste domingo, um outro banco americano também precisou de intervenção federal. O Departamento de Serviços Financeiros (DFS) de Nova York passou a administrar o Signature Bank para garantir aos clientes o saque dos seus recursos. O banco comercial tem ativos de US$ 110 bilhões e depósitos na casa dos US$ 88,5 bilhões.

O especialista da Valor Investimentos, Charo Alves, explica que o SVB cresceu em um momento em que os juros americanos estavam muito baixos, mesmo motivo que contribuiu para o crescimento das fintechs. O problema é que diante do aperto da política monetária, as empresas precisaram de dinheiro para o caixa, o que impactou o banco diretamente.

“O SVB tomou um resgate ( de valores) tão grande das fintechs que precisou encerrar posições de renda fixa, que tinham um vencimento mais longo. Por lei, o banco tem a obrigação de ter essa disponibilidade de liquidez. Então, para recompor, ele precisou vender esses ativos no mercado que, junto ao grande número de resgates, levou a esse problema. Isso passou agora para o Signature Bank, um banco voltado para o mercado de criptomoedas”.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias