Empresas

Follow-on pode ser estratégico para reestruturar capital de empresas, dizem especialistas

Medida serve para captar mais recursos e quitar dívidas

Pão de Açúcar

O Grupo Pão de Açúcar levantou essa semana R$ 704 milhões em uma oferta subsequente de ações — um movimento conhecido como follow-on. A operação sacramenta a saída do Casino do controle da sociedade com a varejista brasileira. Os franceses passarão a ter 22,5% do capital da companhia. Anteriormente, a participação era de 40,9%.

Mas o que esse movimento diz sobre a organização financeira da empresa? E o que pode ser aprendido com essa estratégia? Para isso, o Bora Investir ouviu dois especialistas na área para entender melhor o que está por trás dessa medida.

Reequilibrar capital

Para o professor e consultor em finanças empresariais Giácomo Diniz, a principal razão para o Pão de Açúcar ter aberto um follow-on foi reequilibrar o capital e pagar as dívidas.

“O Pão de Açúcar captou muitos recursos junto a credores, então a estrutura de capital tende muito ao credor. A empresa tem que pagar os juros, e o que sobra ao acionista é o prejuízo. A estratégia da empresa é reequilibrar essa estrutura. Ela pode captar mais dinheiro e pagar a dívida. Essa captação adicional diminuiria a alavancagem financeira de 7,6x para 4,4x, equilibrando a estrutura de capital, deixando menos arriscada e com possibilidade de diminuir o prejuízo por conta do juros da dívida”, afirmou.

Oferta restrita e risco de diluição

O follow-on pode ser feito de duas maneiras: como oferta aberta – atrai todos os investidores – ou oferta restrita — reservada para investidores profissionais. No caso do Pão de Açúcar, a modalidade escolhida foi a restrita com prioridade aos acionistas que já integram a companhia, para evitar o risco de diluição, segundo o professor.

“Quando a empresa já tem capital aberto, dar prioridade aos acionistas evita uma diluição. Se injetar mais dinheiro no patrimônio líquido e eu como acionista não fizer parte dessa injeção, a minha proporção reduz no capital total.”

Quitar dívidas

Para o professor de finanças Arthur Vieira, o fato de uma empresa estar listada na bolsa de valores traz para inúmeras vantagens na retomada do fôlego financeiro. Conforme Vieira, uma empresa com credibilidade e há bastante tempo na B3 faz vários follow-ons por diferentes motivos.

“É de se esperar que uma companhia faça follow-ons ao longo do tempo para financiar projetos ou dar liquidez a alguns investidores. Novos projetos, em casos específicos, ou pode ser de fato uma expansão, para abrir uma nova fábrica ou uma reestruturação financeira, pode ser porque esteja ficando endividada e ficando sem tempo para quitar. Então, ela reestrutura a dívida.”

Quer saber como começar a investir do zero? Confira esse curso gratuito!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias