Empresas

Itaúsa se desfaz de toda participação na XP e levanta R$ 1,7 bilhão

Controladora do banco Itaú concluiu a venda entre novembro e dezembro. Companhia se tornou sócia relevante da XP em 2017 ao comprar 49,9% do capital social da corretora

Volatilidade
O perfil do investidor define o quanto ele sabe sobre o mercado e sua disposição a encarar volatilidade

Por Redação B3 Bora Investir

A Itaúsa (ITSA3 / ITSA4), que controla o Banco Itaú, concluiu nesta quarta-feira, 14/12, a venda da participação remanescente que tinha na corretora XP.

Segundo o comunicado, “a alienação total de ações Classe A de emissão da XP (XPBR31)”, aconteceu por meio de vendas realizadas entre novembro e dezembro deste ano, num total de R$ 1,7 bilhão.

Com a operação, a holding não possui mais participação na XP – o que coloca um fim aos seis anos como sócia da corretora de Guilherme Benchimol.

Além disso, parte do dinheiro obtido com a operação foi utilizado para o resgate antecipado de debêntures da 1ª série da 5ª emissão e parte será direcionada ao reforço de caixa e à ampliação do nível de liquidez da empresa.

No fato relevante, a holding afirmou que a alienação faz parte da decisão da Itaúsa de desinvestir da XP, por não se tratar de um ativo estratégico para a companhia.

“Não são esperados impactos relevantes nos resultados da Itaúsa do 4º trimestre de 2023, já que o investimento da Itaúsa na XP estava contabilizado como ativo financeiro mensurado a valor justo desde o 3º trimestre de 2023”, diz o documento.

A mensuração a valor justo, também conhecida como Fair Value, é uma avaliação de um ativo, passivo ou instrumento financeiro (como ações, por exemplo) com base no preço de mercado, ou seja, através de uma simples transação de compra e venda.

Histórico Itaúsa-XP

Em 2017, a Itaúsa tornou-se sócio relevante da XP ao adquirir 49,9% do capital social da corretora. Na ocasião, a holding desembolsou cerca de R$ 6 bilhões. Atualmente, o valor de mercado da XP é de R$ 140 bilhões.

Em agosto deste ano, o presidente da Itaúsa, Alfredo Setubal, afirmou num evento para investidores que faria o desinvestimento na XP “sem pressa”, mas que o processo poderia terminar já em 2023.

“Se o mercado tiver condições de absorver esse saldo, vamos executar. Se não, fica para o ano que vem”, afirmou na época. Um mês antes, a Itaúsa chegou a reduzir sua participação na XP para 3,27%.

No 3º trimestre, a Itaúsa reportou lucro líquido recorrente de R$ 4,6 milhões, maior valor da sua história e um crescimento de 29% em relação ao mesmo período do ano passado.

Pagamento de JCP aos acionistas

Em outro fato relevante, a controladora do Itaú afirmou que o Conselho de Administração da companhia aprovou o pagamento de R$ 820 milhões em Juros sobre o Capital Próprio (JCP) em 2024.

O valor líquido (com desconto do imposto) equivale a R$ 0,06749 por ação, com a distribuição feita até 30 de dezembro do ano que vem.

“Esses juros terão como base de cálculo a posição acionária final do dia 18 de dezembro de 2023 e serão imputados ao valor do dividendo do exercício de 2023.”

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.