Notícias

Entenda o ano conturbado de Elon Musk à frente do Twitter

O 2022 turbulento de Elon Musk começou com o vai e vem na compra do Twitter, passou pelas demissões em massa e terminou com a suspensão da conta de jornalistas

Fachada de prédio com a logo do twitter
De janeiro até esta sexta-feira, 16/12, o dono do Twitter já perdeu US$ 110 bilhões (R$ 579 bilhões). Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O excêntrico bilionário Elon Musk se envolveu no ano de 2022 em diversas polêmicas desde que decidiu comprar o Twitter. Teve o enterro da rede social, chegada à sede da empresa com uma pia de banheiro nas mãos, demissão de 50% do quadro de funcionários e agora a nova polêmica envolvendo os jornalistas que acompanham o dia a dia do dono da plataforma.

Em meio a tantos conflitos, Elon Musk perdeu o posto de homem mais rico do mundo para Bernard Arnault, presidente da gigante francesa de artigos de luxo LVMH que tem uma fortuna estimada em US$ 165 bilhões (R$ 869 bilhões). Musk ficou em segundo lugar com patrimônio de US$ 161 bilhões (R$ 848 bilhões). De janeiro até esta sexta-feira, 16/12, o dono do Twitter já perdeu US$ 110 bilhões (R$ 579 bilhões). Os dados são da Bloomberg Billionaires Index – ranking diário das pessoas mais ricas do mundo.

A última polêmica envolvendo o dono do Twitter foi a suspensão de contas na rede social de vários jornalistas que acompanham a rotina do bilionário. Musk alegou que eles estavam colocando sua família em perigo ao compartilhar sua localização em tempo real, descrevendo as informações como “basicamente coordenadas de assassinato”. Segundo Musk, o período de proibição padrão para a divulgação de informações de localização pessoal – também conhecido como ‘Doxxing’ – é de sete dias.

+ Conheça o Top 10 dos BDRs mais negociados na Bolsa do Brasil

A medida havia sido anunciada na quarta-feira, 14/12, pela chefe de confiança e segurança do Twitter, Ella Irwin. “Sem comentar sobre nenhuma conta específica, posso confirmar que vamos suspender todas as contas que violarem nossas políticas de privacidade e colocarem outros usuários em risco”, afirmou Irwin.

Diversas entidades criticaram a suspensão de jornalistas pelo Twitter. A Anistia Internacional afirmou que a gestão de Elon Musk da plataforma é “tóxica”. Disse ainda que “expurgar as contas de jornalistas críticos representa uma ameaça à liberdade de imprensa e reflete direção profundamente preocupante que o Twitter está tomando”.

O B3 Bora Investir fez uma linha do tempo com as polêmicas envolvendo o bilionário à frente do Twitter.

13/04 – Musk faz a oferta pelo Twitter

O bilionário ofereceu o valor de US$ 44 bilhões (R$ 231 bilhões) para comprar a rede social.

25/04 – Proposta é aceita

Os acionistas aprovaram a venda do Twitter para Elon Musk.

08/07 – Bilionário desiste da compra

O empresário desiste de adquirir a rede social e justificou dizendo que a empresa de tecnologia “violou várias disposições do contrato” e se recusou a dar detalhes sobre contas falsas e spam.

12/07 – O caso foi parar na Justiça

O Twitter entrou com ação no Tribunal de Chancelaria de Delaware, nos Estados Unidos contra Musk. A empresa pedia que a compra fosse concluída pelo valor acordado.

03/10 – Financiamento

Elon Musk pediu mais tempo aos acionistas do Twitter para conseguir o financiamento e fecha a aquisição. Para concluir a compra, no entanto, solicitou que a rede social fornecesse informações sobre seu método de amostragem de contas e de diferenciação entre perfis verdadeiros e robôs.

Com a demora, a justiça americana determinou que Musk tinha até 28 de outubro para concluir a compra ou o processo movido pelo Twitter iria a julgamento.

26/10 – Musk compra o Twitter e leva pia de banheiro

Elon Musk pagou US$ 44 bilhões (R$ 231 bilhões) pela rede social, sendo que US$ 27 bilhões (R$ 142 bilhões) veio do seu próprio bolso. Com a aquisição, as negociações de ações da companhia nas bolsas de Nova York foram suspensas.

No mesmo dia, o bilionário entrou na sede do Twitter em São Francisco, nos Estados Unidos, segurando uma pia. Em um tuíte ele usou a expressão “let that sink in” – “sink” significa pia em inglês.

Sem tradução direta para o português, a fala pode ser interpretada como “deixar a ficha cair”. O empresário não chegou a explicar por que entrou com o objeto na sede da empresa. Em resposta a seu vídeo, só disse que estava “conhecendo muita gente legal no Twitter hoje”.

27/10 – Começam as demissões

Um dia após adquirir a rede social, Musk demitiu o presidente-executivo, Parag Agrawal, o diretor financeiro, Ned Segal, e a chefe de assuntos jurídicos e de políticas, Vijaya Gadde.

04/11 – Demissões por e-mail

Trabalhadores do Twitter no mundo receberam e-mails com comunicados para informar a demissão. O chefe de segurança e integridade da rede social, Yoel Roth, confirmou o desligamento de 50% dos funcionários e disse “infelizmente não há escolha quando a empresa está perdendo mais de US$ 4 milhões por dia”.

05/11 – Pagamento pela verificação

A rede social começou a testar uma nova versão chamada de Twitter Blue. Nela, a versão paga da plataforma promete verificar com um selo azul todos os usuários que aderirem ao plano de US$ 8 por mês.

10/11 – Fim do home office

Funcionários receberam e-mails sobre o fim do home office e com declarações de Elon Musk de que todos devem se preparar para “tempos difíceis à frente”. No mesmo dia o bilionário disse que uma “falência” não está fora de questão.

11/11 – Cai o pagamento da verificação

A quantidade assustadora de perfis fakes de artistas e empresas verificados levou a rede social a pausar as novas assinaturas do Twitter Blue.

18/11 – O enterro do Twitter

Em meio à crise que levou a saída de centenas de profissionais do Twitter, Elon Musk, publicou no seu perfil uma imagem que remete ao enterro da rede social.

12/12 – A volta do selo de verificação

O Twitter relançou o seu programa de assinaturas, o Twitter Blue ao custo mensal de US$ 8, mas usuários com equipamentos operados pelo sistema iOS, terão de desembolsar uma quantia maior caso queiram se tornar assinantes: US$ 11 por mês.

15/12 – Suspensão de contas

Twitter suspende a conta pessoal de Jack Sweeney, de 19 anos, que era o responsável pelo monitoramento e compartilhamento das rotas áreas do bilionário.

À noite, o Musk tirou o Twitter Spaces do ar após ter sido questionado ao vivo sobre a suspensão de contas de jornalistas que escrevem sobre ele. A ferramenta, que permite a criação de salas de bate-papo por áudio, foi usada por alguns profissionais da imprensa para discutir a suspensão de repórteres da plataforma.

O bilionário alega que eles estariam compartilhando os seus dados de localização em tempo real. Musk entrou nessa live e, logo depois, tirou o Twitter Spaces do ar.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.