Notícias

Entenda o impacto da reoneração dos combustíveis no seu bolso

Apesar do retorno dos tributos de forma escalonada – com peso maior na gasolina – o impacto na inflação de 2023 será de 0,5 ponto percentual

Bomba abastece carro em posto. de combustível
Combustíveis têm bastante peso na inflação. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O governo anunciou o retorno da cobrança dos impostos federais sobre a gasolina e o etanol a partir desta quarta-feira, 01/03, mas o modelo de reoneração ainda não está completamente definido. O que se sabe, até agora, é que as alíquotas entre os combustíveis serão diferentes.

A gasolina – que é um combustível fóssil, portanto mais poluente – vai ser mais tributado que o etanol, segundo o Ministério da Fazenda. O objetivo é manter a arrecadação prevista para o ano de R$ 28,8 bilhões – o que comprova o compromisso com o ajuste fiscal – e ao mesmo tempo garantir que o retorno do PIS/Cofins e da Cide tenha o mínimo de impacto para o consumidor.

O coordenador dos Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), André Braz, explica que apesar da volta dos impostos de forma mais pesada para a gasolina do que o etanol, a pressão inflacionária já era esperada diante de uma desoneração difícil de ser mantida no longo prazo.

“Nas previsões de inflação para esse ano, a gente já tinha em conta essa volta dos impostos federais. A gasolina tem um peso muito grande no custo de vida. No IPCA, ela é uma despesa familiar que compromete 5%, em média, do orçamento. Do lado do governo, o problema fiscal é tamanho que não há espaço para abrir mão dessa arrecadação no momento”, afirma.

A estratégia do governo de não retomar com o imposto integral sobre a gasolina trará um impacto de 0,5 ponto percentual no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial do país, já no mês que vem.

“Se fosse um retorno integral – 100% do PIS/Cofins e da Cide sobre a gasolina, a gente poderia chegar a 0,75 ponto percentual. Esses valores chamam a atenção, a gente sabe da importância da gasolina para a inflação, mas esse aumento não vai impedir que o IPCA continue desacelerando em 12 meses”, diz André Braz.

O que esperar de Jean Paul Prates na presidência da Petrobras

O economista da FGV estima que a inflação neste ano deve ficar em 5,8% – resultado bem superior à meta de 3,25% e do teto da meta, de 4,75%, definidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). No entanto, a queda nos preços dos alimentos vai servir de âncora sobre os aumentos nos combustíveis.

“A minha principal âncora é o grupo Alimentação que deve corresponder a mais ou menos um terço da inflação de alimentos do ano passado. Os alimentos no domicílio, aqueles comprados para consumo em residências, subiram aproximadamente 13% e eu acredito que esse ano a alta deva ficar em 4,5%. Com essa diferença, encontramos espaço para acomodar essa influência extra que os combustíveis devem colocar na inflação com a volta dos impostos”.

A desoneração dos tributos federais sobre o diesel, biodiesel e gás natural tiveram o benefício estendido até 31 de dezembro.

“O diesel é responsável pelo escoamento da produção agrícola, movimentação das máquinas no campo e o transporte público urbano. Então para ele deve-se haver uma estratégia específica. Não é o caso da gasolina usada para a movimentação de veículos privados”.

Como investir em commodities? Aprenda a aplicar na bolsa

Entenda a questão da desoneração

A suspensão da cobrança dos impostos federais (Pis/Cofins e Cide) sobre os combustíveis começou em março de 2022 e deveria durar apenas até o final do ano. Na época, a medida foi tomada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Em janeiro deste ano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prorrogou até 28 de fevereiro a desoneração sobre a gasolina, etanol, gás natural veicular e querosene de aviação.            

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defende a importância de voltar a cobrar os impostos federais sobre combustíveis para garantir o equilíbrio fiscal. No entanto, a ala política do governo é contra.

Petrobras

Haddad indicou ontem que a Petrobras pode reduzir os valores de combustíveis, dentro da política de preços da empresa – para compensar o aumento do imposto da gasolina e do etanol.

“A atual política de preços da Petrobras tem um colchão que permite aumentar ou diminuir o preço dos combustíveis e ele pode ser utilizado”, afirmou o ministro.

Nesta terça-feira, a estatal divulgou um comunicado afirmando que “ajustes de preços de produtos são realizados no curso normal de seus negócios e seguem as suas políticas comerciais vigentes”.

Quer saber mais sobre investimentos e aprender a organizar suas finanças? Acesse os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias