Notícias

EUA criam mais empregos que o esperado e mantém pressão sobre o Fed

Impacto da alta dos juros ainda não chegou ao mercado de trabalho americano que segue aquecido. A taxa de desemprego ficou em 3,7% em novembro

Brasão do sistema de reserva federal dos Estados Unidos
Brasão do Fed, o BC americano. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A economia dos Estados Unidos criou mais empregos do que o previsto em novembro e os salários subiram. O resultado pesa nas pressões inflacionárias que o Federal Reserve (Fed), o banco central americano, tenta conter com o maior aperto monetário em quase quatro décadas.

No mês passado, foram criados 263 mil empregos, segundo o relatório do Departamento do Trabalho americano (DOL) divulgado nesta sexta-feira, 02/12. O resultado veio bem acima da expectativa dos analistas que previam a criação de 200 mil vagas. Os dados de outubro foram revisados ​​para cima e mostram a criação de 284 mil vagas em vez das 261 mil divulgadas anteriormente.

+ Inflação ao consumidor nos EUA vem abaixo do esperado em outubro

A taxa de desemprego manteve-se em 3,7%. Já o salário médio por hora aumentou duas vezes mais do que o previsto após uma revisão para cima em relação ao mês anterior. O avanço foi de 0,6%, após subir 0,5% em outubro. Com o resultado, o aumento anual dos salários foi para 5,1% em novembro, de 4,9% em outubro. Em março, os salários atingiram um pico de 5,6%.

A melhora do emprego foi liderada pelo crescimento de vagas em lazer e hotelaria, saúde e governo. Na outra ponta, os empregadores no varejo, transporte e armazenamento e serviços de ajuda temporária demitiram.

Emprego x Juros

A melhora do emprego acende novamente o alerta do Fed sobre a força do mercado de trabalho americano. O avanço em novembro veio apesar do aumento das taxas de juros. Esse descompasso segue sustentando o crescimento dos salários e a percepção dos economistas de que as empresas não devem demitir os trabalhadores em uma possível recessão.

+ Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem a taxa de juros

Na quarta-feira passada, 30/11, o presidente do Fed disse que pode começar a reduzir o ritmo de aumentos dos juros “já em dezembro”. Apesar do tom, Jerome Powell, afirmou que será preciso manter as taxas em um território “suficientemente” restritivo por algum tempo para que a inflação volte para a meta de 2%. Autoridades do Fed se reúnem em 13 e 14 de dezembro.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.