Notícias

Gasolina e etanol voltam a ter cobrança total de impostos neste sábado; preço deve subir

Reoneração de impostos federais vai impactar litro dos combustíveis nas distribuidoras em R$ 0,22. Para consumidor, preço médio da gasolina que é de R$ 5,40, deve subir até R$ 0,30

Bomba abastece carro em posto. de combustível
Combustíveis têm bastante peso na inflação. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Os preços da gasolina e do etanol devem ficar mais caros a partir deste sábado, 01/07, para as distribuidoras de todo o país. A elevação acontece por conta da volta da cobrança total dos impostos federais sobre os combustíveis.

A alta do PIS/Cofins será de R$ 0,22 por litro e vale tanto para a gasolina quanto para o etanol.

Em março, passou a valer a primeira parcela da reoneração. Na época a alta dos tributos foi de R$ 0,47 por litro para a gasolina e de R$ 0,02 por litro para o etanol. Para compensar o aumento apenas parcial dos tributos, foi instituído um imposto sobre exportação de óleo cru, que vigorou por quatro meses.

O coordenador dos Índices de Preços do FGV Ibre, André Braz, fez as contas do impacto da volta dos impostos sobre a gasolina para o consumidor. A estimativa é que a reoneração eleve os preços em R$ 0,30 por litro nas bombas.

Como na semana passada o preço médio da gasolina era R$ 5,40, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o litro do combustível deve passar a custar R$ 5,70.

“Esse complemento do aumento que foi feito em março significa um avanço de 6,5% no preço da gasolina, que deve ser captado ao longo de todo o mês de julho”, explica Braz.

Importante lembrar que a cadeia distributiva tem liberdade para estipular os preços. Portanto, o valor praticado pelos postos de gasolina ao consumidor final pode variar.

Entenda o impacto da reoneração dos combustíveis no seu bolso

Impacto na inflação

No dia 16 de junho, a Petrobras reduziu o valor da gasolina nas refinarias em 4,3%. O preço do litro caiu R$ 0,13, de R$ 2,78 para R$ 2,65, o que deve ajudar a amortecer um pouco a volta dos impostos federais sobre o combustível.

Mesmo assim, o economista do FGV Ibre afirma que a reoneração deve trazer impactos na inflação já no mês que vem.

“O consumidor vai perceber esse aumento da gasolina. Considerando que o combustível compromete aproximadamente 5% do orçamento familiar, esse avanço deve gerar uma influência para a inflação de mais ou menos 0,30 ponto percentual”.

Segundo André Braz, apesar da alta na gasolina, a inflação em julho deve ficar próxima da estabilidade. “A desaceleração dos preços de alimentos pode compensar o aumento da gasolina. Assim, a gente espera uma deflação de 0,25% para junho, mês que não vai ser afetado por esse aumento, e uma estabilidade para julho, com IPCA em torno de zero”.

Histórico

Em junho de 2022, o então presidente Jair Bolsonaro determinou a redução dos impostos federais para conter a alta dos combustíveis às vésperas da eleição, com prazo de validade até dezembro.

No início de 2023, após um embate entre a ala política e econômica do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, ficou decidido que a reoneração seria feita em duas etapas. A medida foi tomada para evitar a perda de R$ 28,8 bilhões em arrecadação.

Petrobras pode voltar a reduzir os preços

No mês passado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, assinalou que a Petrobras poderia reduzir os preços dos combustíveis nos próximos meses para compensar o aumento dos tributos federais. Segundo Haddad, essa redução estaria em linha com os preços internacionais.

“Nós não baixamos tudo o que podíamos justamente esperando o primeiro de julho, quando acaba o imposto de exportação e o ciclo de reoneração”, indicou, durante uma audiência pública na Câmara.

O coordenador dos Índices de Preços do FGV Ibre explica que, apesar da recomposição dos impostos ser difícil para o consumidor, ela é necessária para dar segurança ao governo de que terá condições de arcar com suas despesas.

“A estabilidade da política fiscal é tão importante quanto a própria estabilidade da inflação. Então, é necessário fazer esse movimento, ainda que o consumidor venha pagar um pouco mais caro”, conclui André Braz.

ICMS único

Desde o começo de junho houve uma mudança importante na cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) sobre a gasolina.

Os Estados passaram a cobrar uma alíquota única de R$ 1,22 por litro de gasolina, o que elevou o preço na maioria das unidades da federação.

Antes, o imposto era calculado sobre uma porcentagem do preço, entre 17% e 23%, e cada Estado tinha um valor diferente.

Quer saber mais sobre investimentos e aprender a organizar suas finanças? Acesse os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.