Notícias

Haddad anuncia medidas para reduzir rombo nas contas públicas

Ações preveem aumentar a arrecadação e cortar R$ 50 bilhões em gastos. As medidas incluem reoneração de impostos e uma espécie de Refis de dívidas tributárias

Fernando Haddad falando em microfone
O impacto esperado com as medidas, portanto, é transformar o déficit de R$ 231,5 bilhões previsto no Orçamento para 2023, em superávit de R$ 11,13 bilhões. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), anunciou nesta quinta-feira, 12/01, um pacote de ajuste fiscal concentrado no aumento da arrecadação e no corte de gastos. O principal objetivo do governo federal é registrar superavit primário no ano, ou seja, ter resultado positivo de todas as receitas e despesas do governo, excetuando gastos com pagamento de juros.

O impacto esperado com as medidas, portanto, é transformar o déficit de R$ 231,5 bilhões previsto no Orçamento para 2023, em superávit de R$ 11,13 bilhões – nos cálculos do ministério da Fazenda. O potencial ajuste do pacote é de R$ 242,6 bilhões, o equivalente a 2,26% do Produto Interno Bruto (PIB).

“A meta de cada ação zera o déficit, mas nós sabemos que isso não vai ser atingido. Mesmo que a gente tome medidas para repor a frustração, tem um atraso que vai acontecer. E há despesas que podem surgir, porque a gente não recebeu o governo com transparência. Mas nós entendemos que essas medidas, aprovadas pelo Congresso, se tiver uma resposta da autoridade monetária, nós podemos pensar 2023 com déficit inferir a 1% do PIB. Vamos perseguir essa meta”, afirmou Haddad.

O pacote de medidas anunciadas por Haddad tem quatro pontos principais: reestimativa de receitas (R$ 36,4 bilhões); ações de receitas permanentes (R$ 83,28 bilhões); ações de receitas extraordinárias (R$ 73 bilhões) e redução de despesas (R$ 50 bilhões).

Principais medidas

1. Programa ‘Litígio Zero’: visa o parcelamento extraordinário de dívidas nos moldes dos antigos programas conhecidos como Refis (Programa de Recuperação Fiscal).

Para as pessoas físicas, micro e pequenas empresas:

  • 40% a 50% de desconto sobre o valor total do débito (tributo, juros e multa);
  • Até 12 meses para pagar;
  • Até 60 salários-mínimos.

Para as pessoas jurídicas, com multas maiores que 60 salários-mínimos:

  • desconto de até 100% sobre o valor de juros e multas (créditos irrecuperáveis e de difícil recuperação);
  • possibilidade de utilização de prejuízos fiscais e base de cálculo negativa para quitar entre 52% e 70% do débito;
  • Até 12 meses para pagar.

Também está previsto um incentivo à regularização com desconto de 100% das multas (ofício e moratória) em caso de regularização e apresentação de valores à tributação, mesmo no caso de procedimento fiscalizatório já iniciado – apenas até 30 de abril de 2023.

2. Fim do voto de desempate nos julgamentos do Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf) – órgão responsável pelo julgamento de recursos de empresas multadas pela Receita Federal.

Em 2020, no governo de Jair Bolsonaro (PL), uma lei eliminou voto de desempate e passou a favorecer os contribuintes. A medida reduziu a arrecadação de impostos e contribuições federais, o que piorou as contas públicas. Atualmente, há cerca de R$ 1 trilhão em tributos sendo discutidos no âmbito do Carf.

3. A extinção dos recursos de ofício para dívidas abaixo de R$ 15 milhões, encerrando o litígio. A expectativa é do fim automático de quase mil processos no Carf, no valor de quase R$ 6 bilhões.

4. Intenção de reduzir em R$ 50 bilhões as despesas através da revisão de contratos e programas e autorização para gastar abaixo do previsto na lei orçamentária;

5. Retirada do ICMS da base de cálculo dos créditos tributários de Pis/Cofins, ou seja, o crédito tributário a que o contribuinte tem direito vai diminuir. A medida pode aumentar a arrecadação em R$ 30 bilhões.

Revisão de estimativas

Fernando Haddad também anunciou que o governo irá subir em R$ 36,4 bilhões a previsão das receitas neste ano, que segundo ele estavam subestimadas.

Na lista de ações também está a volta da cobrança dos impostos federais (PIS/Cofins) sobre os combustíveis, prevista até o final de fevereiro, com impacto de R$ 28 bilhões. O próprio ministro, porém, afirmou que nenhuma decisão será tomada enquanto o senador Jean Paul Prates (PT-RN) não assumir o comando da Petrobras.

A reoneração de impostos que foram reduzidos no ano passado – como o PIS/Cofins sobre receita financeira de grandes empresas – também está entre as medidas anunciadas. O tributo foi reduzido no fim de 2022 nos últimos atos da gestão Bolsonaro e terá um impacto de R$ 4,4 bilhões.

O Ministério da Fazenda ainda prevê injetar R$ 23 bilhões de receitas do PIS/Pasep que estão paradas em contas há décadas. A medida já foi autorizada pela “PEC da Transição”, que permitiu transformar em receita do governo os recursos que não tenham sido sacados e estejam parados há mais de 20 anos.

Corte de despesas

Pelo lado das despesas, o governo espera cortar R$ 25 bilhões com a revisão de contratos e programas.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.