Notícias

Ibovespa tem sessão volátil, mas fecha no positivo com decisão do Fed

Banco Central dos Estados Unidos reduziu o ritmo do aperto monetário e animou os investidores. Petrobras tomba 10% com mudança na Lei das Estatais

Números positivos e negativos na tela
O Ibovespa encerrou em leve alta de 0,20%, aos 103.745 pontos

Por Redação B3 Bora Investir

A Bolsa do Brasil (B3) teve uma quarta-feira, 14/12, de persistente instabilidade. Após amargar um tombo de quase 2% durante a sessão – com queda firme dos papéis da Petrobras – o índice conseguiu fechar no azul. O movimento de aversão ao risco ocorreu após a aprovação de uma mudança na Lei das Estatais pela Câmara dos Deputados ontem. O Ibovespa só conseguiu se recuperar depois da decisão de juros do Federal Reserve (Fed) – o banco central americano.

O Ibovespa encerrou em leve alta de 0,20%, aos 103.745 pontos. Na mínima do dia bateu os 101.632 pontos. As maiores baixas ficaram com as ações da Petrobras. As ordinárias (PETR3) despencaram 10,03% e as preferenciais (PETR4) tombaram 8,36%. Essa queda foi puxada pela alteração na Lei das Estatais que tem como objetivo barrar interferências políticas nas empresas vinculadas ao governo federal. Um dos possíveis beneficiados seria o ex-ministro Aloizio Mercadante, indicado para o BNDES.

No câmbio, o dólar comercial fechou em leve queda de 0,25%, cotado a R$ 5,30.

Juros nos Estados Unidos

O Fed aumentou em 0,50 ponto percentual a taxa básica dos juros dos Estados Unidos para o intervalo de 4,25% a 4,5% ao ano. A medida eleva o custo de crédito para seu maior nível em uma década e meia, ou seja, desde 2007.

O resultado reduz o ritmo do aperto monetário após quatro altas consecutivas de 0,75 ponto percentual. Essas elevações representaram o movimento mais agressivo da autoridade monetária para combater a inflação americana, que estava no maior patamar em 40 anos desde o início do ano.

Apesar da desaceleração no ritmo do aperto monetário, o banco central americano deixou claro no comunicado que “continua priorizando o combate à inflação e por isso novas altas serão necessárias no decorrer de 2023”. Disse ainda que “novos aumentos nos juros serão apropriados para atingir uma postura de política monetária que seja suficientemente restritiva para retornar a inflação para 2% ao longo do tempo”.

A decisão já era esperada pelo mercado financeiro e havia sido amplamente sinalizada pelo presidente do Fed, Jerome Powell, em suas recentes entrevistas.

Lei das Estatais

O projeto aprovado na terça-feira, 13/12, altera a Lei das Estatais que tem como um dos objetivos barrar interferências políticas nas empresas vinculadas ao governo federal. A lei está em vigor desde 2016.

Pela mudança proposta, o projeto diminui de 36 meses para 30 dias a quarentena de pessoas indicadas à presidência ou à direção de empresas públicas que tenham ocupado estrutura decisória de partido ou participado de campanhas eleitorais.

A alteração beneficia diretamente a indicação de Aloizio Mercadante para o BNDES. Mercadante atuou na campanha, coordenou a equipe de transição e é presidente da Fundação Perseu Abramo, órgão de assessoramento do PT.

Para o mercado financeiro, o temor da indicação é que Mercadante reforce uma política mais intervencionista no banco de desenvolvimento. O Senado discute votar o projeto em plenário nesta quinta-feira, 15/12.

A agência de classificação de risco Moody´s disse, em nota, que a alteração pode elevar os riscos de governança dessas instituições, uma vez que a intervenção política impacta nas estratégias de negócios e geração de resultados.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.