Imposto de renda

Devo declarar minhas criptomoedas no Imposto de Renda?

Assim como imóveis, ações ou fundos de investimentos, as criptomoedas são consideradas como um ativo -- saiba como incluí-las na sua declaração

Mão de um homem branco segura tablet com hologramas das criptos mais conhecidas, como botcoin, ethereum, litcoin e etc. Foto: Adobe Stock
Bitcoin. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Ter acesso e negociar em criptomoedas já é uma realidade para muitas pessoas, mas há ainda muitas dúvidas que circundam o tema, especialmente em relação ao tratamento mais burocrático desses ganhos. Uma dúvida em relação a isso é sobre a necessidade ou não de se declarar as moedas digitais no Imposto de Renda e como fazer isso.

Isso porque as criptomoedas são ativos que circulam em um ambiente descentralizado, ou seja, sem o controle de uma única pessoa ou instituição. Elas não são emitidas, reguladas, recolhidas ou acompanhadas por um Banco Central de um país, como o nosso real, o euro, o dólar, etc.

Quem precisa declarar criptomoedas?

Quem faz a fiscalização sobre a sua existência, desde a criação da primeira até a última moeda, é a própria rede de usuários desse sistema financeiro virtual. Um ativo digital é desenvolvido com base em muita tecnologia e matemática. Após uma sequência de dados ser minuciosamente programada, tem-se a quantidade exata de quantas moedas poderão existir daquele tipo.

Mas não é por isso que os ganhos não precisam ser declarados, pelo contrário. Assim como imóveis, ações ou fundos de investimentos, as criptomoedas são consideradas como um ativo qualquer pelo Governo e é preciso prestar contas sobre elas.

Em geral, a regra diz que se você possui mais de R$ 5.000 em bitcoins ou outras criptomoedas, deve informar a posse dessas moedas virtuais na ficha de “Bens e Direitos” da declaração do Imposto de Renda. Essa norma é válida desde 2019, quando a Receita Federal definiu em quais casos é obrigatório incluir as criptomoedas na declaração anual ao Leão.

A declaração desse tipo de bens no IR deve ser feita em reais. Além disso, o contribuinte deve considerar sempre o valor de aquisição da moeda digital e não o valor de mercado.

Além disso, o imposto só é cobrado quando as vendas totais ultrapassarem R$ 35 mil no mês. Abaixo disso, os ganhos estão isentos.

+ Você já sabe como investir em cripto pela bolsa? Acesse o guia prático e confira as dicas

Como ocorre o pagamento do IR nesses casos?

O pagamento do IR segue o mesmo modelo das ações e deve ser feito por meio de Darf até o último dia útil do mês seguinte à operação. No entanto, mesmo em caso de isenção, esses ativos precisam estar na declaração anual sempre que o valor no último dia do ano do exercício for maior ou igual a R$ 5.000.

As criptomoedas devem ser declaradas na ficha “Bens e Direitos” do sistema da Receita. Para isso, basta buscar pelo grupo “Criptoativos” e usar os códigos de acordo com a moeda digital que você tem. Assim como nos outros investimentos, o valor a ser informado é o de aquisição somado aos custos (por exemplo taxas e outras tarifas).

Também é indicado que você indique o tipo de moeda digital que você possui. Depois do bitcoin, considerada a primeira e mais famosa criptomoeda do mercado, lançada em 2008, surgiram várias outras criptomoedas e hoje as mais populares são Ethereum, BNB e Tether.

+ Bitcoin tem melhor janeiro em dez anos com valorização de 41%

Como declarar ETF de cripto?

Assim como os demais ETFs, os fundos de índice de criptomoedas devem ser declarados no Imposto de Renda anual. Siga as mesmas recomendações sobre o pagamento de Imposto de ETFs ao acessar o programa da Receita Federal.

Ou seja: vá até o campo “Bens e Direitos”, selecione o Grupo 07 (Fundos) e a subcategoria 09 (Demais Fundos de Índice de Mercado – ETFs). Informe a quantidade de cotas do ETF de Criptomoedas presentes na carteira no dia 31 de dezembro do ano de exercício, assim como o CNPJ da gestora.

Já o recolhimento de IR quando ocorre lucro na operação com ETFs (seja de criptomoedas ou de qualquer ativo de renda variável) é realizado via DARF – Documento de Arrecadação de Receitas Federais. O pagamento precisa ser feito até o último dia útil do mês subsequente à venda das cotas.

A alíquota para ETFs é a mesma aplicada nas ações negociadas na bolsa de valores: 15% sobre os ganhos em operações em dias diferentes (swing trade) e 20% para day trade (compra e venda do ativo no mesmo pregão). Vale lembrar que, diferente das operações com ações, os ETFs não têm isenção de imposto de renda para vendas até R$ 20 mil por mês.

Quer continuar aprendendo sobre criptomoedas? Então, confira também nosso blogpost: Criptomoedas: tudo o que você precisa saber sobre elas e aprofunde seus conhecimentos.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.