Notícias

Inadimplência cai pelo 2º mês seguido, mas ainda atinge 71,4 milhões de brasileiros

Dívidas com bancos e cartão de crédito em julho tiveram a maior redução em 5 anos, aponta Serasa. mDívidas com bancos e cartão de crédito em julho tiveram a maior redução em 5 anos, aponta Serasa

Dívidas, inadimplência. Foto: Adobe Stock
O resultado apresenta uma melhora na comparação com as dívidas do ano passado. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Pelo segundo mês consecutivo, o número de brasileiros que não consegue pagar as suas contas em dia desacelerou. Apesar da perda de ritmo, o número de inadimplentes segue em patamares muito elevados.

Em julho, 71,41 milhões de consumidores estavam inadimplentes no país, uma redução de 34,4 mil na comparação com o mês anterior. Segundo o Serasa, é a primeira vez em três anos que duas quedas são registradas em sequência.

Desenrola Brasil: 12 perguntas e respostas sobre o programa de renegociação de dívidas

As 265 milhões de dívidas somaram R$ 351 bilhões em julho. Isso representa um valor médio de R$ 4.923,97 devido por cada brasileiro.

A inadimplência atinge 43,72% da população adulta do país, a maioria mulheres (50,4%). Os homens representam 49,6%.

As faixas etárias mais afetadas são as de 41 a 60 anos (35%) e de 26 a 40 anos (34,6%). Os brasileiros acima de 60 anos (18,3%) e até 25 anos (12,2%) completam esse quadro.

Débitos com cartão e bancos desaceleram inadimplência

O menor número de brasileiros com contas atrasadas foi puxado pela queda nos débitos com bancos e cartões de crédito, que passou de 31,13% em junho para 29,53% em julho. Essa é a maior baixa desde janeiro de 2019.

Segundo o Serasa, essa redução está relacionada aos primeiros impactos do Desenrola Brasil, programa de renegociação de dívidas do governo federal.

Desenrola: veja perguntas e respostas sobre o programa de renegociação de dívidas

Desde o dia 17 de julho, quando a primeira fase começou a funcionar, R$ 8,1 bilhões em débitos foram renegociadas, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Isso corresponde a 1,296 milhão de contratos e 985 mil clientes bancários.

Também houve redução da inadimplência no varejo para 11,1% em julho, ante 11,44% no mês anterior.

Na contramão ficou o segmento de Utilities (contas de água, luz e gás), no qual a inadimplência avançou de 22,07% para 23,94%. O segmento é seguido pelas financeiras, que registraram alta de 15,2% para 15,29%.

Impacto dos juros do cartão nas dívidas

Mesmo com a queda dos inadimplentes no cartão de crédito, a modalidade segue como vilã das dívidas dos brasileiros.

Um levantamento feito pela chefe de economia da Rico, Rachel de Sá, mostra a evolução da dívida de R$ 1.000 nas quatro modalidades mais comuns no país: crédito rotativo, crédito parcelado, cheque especial e empréstimo pessoal. 

Os empréstimos mais caros estão ligados ao cartão de crédito. “Caso você entre em uma dívida de cartão de crédito, é melhor parcelar desde o início, e já saber de antemão o quanto será cobrado mês a mês”, explica a economista.

 EVOLUÇÃO DA DÍVIDA – R$ 1000,001 mês6 meses1 ano
Cartão de Crédito Rotativo R$ 1.150,41 ** **
Cartão de Crédito Parcelado R$ 1.094,98 R$ 1.720,76 R$ 2.961,00
Cheque Especial R$ 1.073,26 R$ 1.528,40 R$ 2.336,00
Empréstimo Pessoal R$ 1.055,50 R$ 1.382,75 R$ 1.912,00
Fonte: Banco Central / Rico

O pagamento mínimo da fatura do cartão de crédito só pode ser cobrado por até 30 dias. Passado esse tempo, o banco ou instituição financeira precisa indicar ao cliente uma modalidade de parcelamento mais barata, que no caso é o parcelamento no cartão.

Porém, uma melhor opção seria negociar um empréstimo pessoal, que oferece juros menores. “Ao negociar um empréstimo a instituição financeira passa a ter mais informações sobre o cliente, suas condições financeiras e profissionais, e não precisa considerar que esse dinheiro não será pago nunca”, conclui Rachel de Sá.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3. Este é sobre Como Organizar as Finanças.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.