Desenrola

Desenrola: programa já renegociou R$ 8,1 bilhões em dívidas bancárias

Quase um milhão de clientes foram beneficiados, com 1,296 milhões de contratos fechados, segundo a Febraban. Prazo de adesão ao programa vai até 31 de dezembro

Homem e mulher vistos de cima lidam com contas a pagar e cálculos
De acordo com a última Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), o percentual de famílias endividadas no Brasil avançou para 78,5%. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O volume financeiro negociado na primeira fase do programa de renegociação de dívidas do governo, o Desenrola Brasil, já soma R$ 8,1 bilhões. O valor foi atingido entre os dias 17 de julho e 11 de agosto, segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 16/08, pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Esse montante se refere a faixa 2, onde os débitos bancários são negociados com condições especiais, para clientes com renda mensal de até R$ 20 mil, e que não estejam incluídos no Cadastro Único do governo federal.

O número de contratos de dívidas renegociados no período bateu 1,296 milhão, beneficiando um total de 985 mil clientes bancários.

Importante lembrar que a adesão ao programa vai até 31 de dezembro deste ano. Só serão elegíveis dívidas contraídas entre janeiro de 2019 e dezembro de 2022.

Veja perguntas e respostas sobre o programa de renegociação de dívidas

Como funciona a desnegativação

As instituições financeiras retiraram as anotações negativas de 5 milhões de clientes que tinham dívidas bancárias de até R$ 100.

Essa desnegativação não é um perdão da dívida. O débito continua existindo, mas o banco não vai usar essa informação como argumento para inserir o nome dos correntistas no cadastro negativo. Isso, segundo o governo, vai ajudar os brasileiros a conseguirem mais crédito.

Para o presidente da Febraban, Isaac Sidney, o resultado cria uma boa expectativa para a segunda fase do programa que começa em setembro.

“Os números do Desenrola falam por si e são uma grande satisfação para todos, bancos, governo e a sociedade. A grande adesão e o interesse pelo programa na faixa 2 são uma amostra do que virá em setembro”.

+Tudo sobre o mutirão para dívidas com bancos e empresas

Próxima fase do Desenrola

A próxima fase do programa, prevista para setembro, vai atender aos brasileiros que estão na chamada faixa 1, correspondente às pessoas que possuem renda mensal de até dois salários mínimos (R$ 2.640) ou inscritas no Cadastro Único do governo federal (CadÚnico).

Nessa fase, vão poder ser renegociadas dívidas financeiras e não financeiras de até R$ 5 mil, contraídas entre janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2022. As dívidas com empréstimos consignados também serão atendidas na faixa 1.

As operações serão realizadas em um portal na internet que está em desenvolvimento e será lançado pelo governo.

O devedor vai precisar entrar com seu login do portal gov.br. Depois, terá de escolher uma instituição financeira inscrita no programa para fazer a renegociação. Em seguida bastará selecionar o número de parcelas e realizar o pagamento.

A taxa de juros para o pagamento dos débitos nessa faixa será de 1,99%, com parcela mínima de R$ 50 e que pode ser paga em até 60 vezes. A carência será de no mínimo 30 e no máximo 59 dias.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3. Este é sobre Como Organizar as Finanças.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias