Notícias

Inflação desacelera alta para 0,23% em maio; planos de saúde pesam no índice

IPCA perde ritmo pelo terceiro mês consecutivo. Com o resultado, economistas esperam sinalizações de afrouxamento da política monetária na próxima reunião do Copom

IPCA; inflação. Foto: Marcello Casal/Agência Brasil
O resultado ficou acima do teto da meta perseguida pelo Banco Central, de 4,75%. Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial do país, subiu 0,23% em maio na comparação com o mês anterior, após alta de 0,61% em abril. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 07/06, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este é o terceiro mês consecutivo no qual os preços perdem tração no país. É também o menor resultado para maio desde 2020.

Em 12 meses, o IPCA ficou em 3,94%, ante 4,18% até abril, menor valor nesta base de comparação desde outubro de 2020. A inflação, no entanto, segue acima da meta perseguida pelo Banco Central (BC) para este ano, que é de 3,25%. Os números vieram bem abaixo das projeções do mercado financeiro, de alta mensal de 0,33% e de 4,05% no ano.

IPCA – INFLAÇÃO OFICIAL (MÊS A MÊS)

Fonte: IBGE

O economista André Perfeito explica que a desaceleração dos preços atenuou os núcleos de inflação (medida que capta a tendência dos preços e exclui choques temporários) que tem tirado o sono do BC. Para o analista, esse resultado e a busca por um clima melhor entre o governo e a autoridade monetária ajudam no processo de acomodação das taxas de juros.

“O Copom [Comitê de Política Monetária] poderia cortar a Selic na reunião de junho? Poderia. O colegiado vai cortar? Não vai. A questão na mesa é que não se pode dar ‘um cavalo de pau’ na comunicação. Logo, o que espero é ver sinalizações claras na próxima ata de que há espaço para algum afrouxamento monetário no segundo semestre. Isso já vai ajudar, e muito, o humor empresarial e a retomada da economia”.

+ Veja como investir para a aposentadoria sem perder dinheiro para a inflação

Importante notar também que houve uma forte queda do Índice de Difusão, que desacelerou de 66% em abril para 56% em maio. Ou seja, pouco mais da metade dos subitens do IPCA tiveram elevação de preços no mês.

“Em 12 meses, a média dos núcleos desacelerou de 7,31% para 6,72%, confirmando o movimento de gradual desaceleração. Estamos ajustando nossa projeção para junho, mas ela deve recuar novamente e provavelmente passar para o campo deflacionário”, afirma João Savignon, head de pesquisa macroeconômica da Kínitro Capital.

Saúde, habitação e despesas pessoais puxam alta

O grupo saúde e cuidados pessoas teve a principal contribuição para a alta de 0,23% nos preços em maio. Além dos planos de saúde (1,20%), houve aumento nos itens de higiene pessoal (1,13%), com especial impacto dos perfumes (3,56%).

Produtos farmacêuticos ficaram 0,89% mais caros, após a autorização do reajuste de até 5,60% no preço dos medicamentos, a partir de 31 de março.

+ 6 investimentos para se proteger da alta da inflação

O avanço de 0,67% no grupo Habitação foi impulsionado pela alta nos preços das tarifas de água e esgoto (2,67%) e da energia elétrica (0,91%), que registraram reajustes em algumas capitais.

Nas Despesas Pessoais (0,64%), a inflação foi puxada pelo reajuste de 15% no valor de apostas, resultando um avanço de 12,18% em todo o subgrupo de jogos de azar. Gastos com alimentos para animais, empregados domésticos e cinema, teatro e concertos também subiram.

Alimentos fica mais em conta

Na contramão ficaram os preços da Alimentação e bebidas, que passaram de 0,71% em abril para 0,16% em maio. “Trata-se do grupo com maior peso no índice, o que acaba influenciando bastante no resultado geral”, explica André Almeida, analista da pesquisa do IBGE.

O resultado mais ameno do grupo Alimentação e Bebidas foi puxado pela estabilidade nos preços da alimentação no domicílio, após alta de 0,73% em abril. Houve queda nos preços das frutas (-3,48%), óleo de soja (-7,11%) e carnes (-0,74%).

Por outro lado, o tomate (6,65%) voltou a ficar mais caro, assim como o leite longa vida (2,37%) e o pão francês (1,40%). “Nos casos do tomate e do leite, os aumentos de preço estão relacionados a uma menor oferta”, explica Almeida.

Transportes e Artigos de Residência tem deflação

Os grupos de Transportes (-0,57%) e de Artigos de residência (-0,23%) foram os únicos a registrarem queda no IPCA de maio.

No primeiro grupo, destacam-se os recuos nos preços das passagens aéreas (-17,73%) e combustíveis (-1,82%). O óleo diesel (-5,96%) foi o que ficou mais barato, seguido pela gasolina (-1,93%) e o gás veicular (-1,01%).

Veja abaixo as variações da inflação de cada grupo em maio:

  • Alimentação e bebidas: 0,16%
  • Habitação: 0,67%
  • Artigos de residência: -0,23%
  • Vestuário: 0,47%
  • Transportes: -0,57%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,93%
  • Despesas pessoais: 0,64%
  • Educação: 0,05%
  • Comunicação: 0,21%

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.