Investir melhor

Veja como investir para a aposentadoria sem perder dinheiro para a inflação

As variações dos preços podem assustar os investidores que planejam a aposentadoria. Mas existem formas de assegurar uma terceira idade confortável

Casal de idosos aposentados utilizando tablet. Foto: Adobe Stock
No Brasil, 4 em cada 10 pessoas admitem que não se preparam para a aposentadoria. Foto: Adobe Stock

Por Guilherme Naldis

Nos últimos 12 meses, gastos com moradia e alimentação registraram alta de 6,4% para os aposentados, acima dos 5,8% do IPCA.

O IPCA Aposentados é calculado com base na cesta de produtos do IPCA. A diferença é que, neste índice, é feita uma ponderação com o peso que certos produtos têm nas casas em que, ao menos, uma pessoa recebe aposentadoria do INSS. Isso porque o consumo das famílias com aposentados se concentra relativamente mais em itens como saúde e alimentação.

Nem mesmo o aumento do salário mínimo de R$ 1.302 para R$ 1.320 foi suficiente para o reajuste da aposentadoria pública superar a alta dos preços observada nos últimos meses: no período, o valor recebido pelos beneficiários do INSS subiu 5,93%, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Regras para aposentadoria: confira o que muda em 2023

A alta dos preços acima do reajuste de benefícios aterroriza quem planeja a aposentadoria. Mas é possível evitar que a perda do poder de compra no período de inatividade abocanhe boa parte da reserva acumulada. Especialistas ouvidos pelo Bora Investir dão dicas para se preparar para o futuro sem perder para a inflação.

Como se aposentar e escapar da inflação?

Para investir numa aposentadoria de qualidade, considerando a inflação, o especialista destaca a importância de um planejamento previdenciário. “É possível se aposentar bem usando recursos da previdência pública”, diz Gerson Souza, especialista em Direito Previdenciário.

No Brasil, as regras de aposentadoria variam de acordo com o valor das contribuições, o período e a data estimada. A forma mais comum é por idade, em que as mulheres devem ter, no mínimo, 62 anos, e, os homens, 65, se o tempo de contribuição passar de 15 anos.

Leia também: Aposentadoria: guia completo para você se planejar

Mas cada caso é um caso. Assim, Souza afirma que, quanto antes se consultar um advogado da área, mais fácil vai ser prever o benefício a ser recebido durante a velhice. “Se feito com antecipação, o planejamento previdenciário pode até aumentar os valores”, diz.

A previdência privada compensa?

A previdência privada é um “complemento” da aposentadoria pública. Ela é dividida em duas categorias: aberta ou fechada. 

+ É urgente complementar esse dinheiro no futuro, diz Nilton Molina

A aberta é concedida a qualquer pessoa e só requer assinar contrato previdenciário com o banco que a oferece. Já a fechada é oferecida a grupos fechados de trabalhadores, como sindicatos de empresas.

O investimento privado possibilita reduzir impostos a pagar ao declarar o Imposto de Renda, caso o plano contratado for o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) – que pode descontar 12% da renda bruta tributável. Também há o Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL), no qual os impostos incidem somente sobre a rentabilidade.

Para escolher a melhor previdência, Souza ressalta a importância de ter uma assessoria jurídica para contratar o melhor plano e obter resultados satisfatórios no longo prazo.

E quem quer mais conforto?

Outra alternativa para se preparar para a aposentadoria é optar por investimentos para além do fundo de previdência. Cada pessoa tem um apetite para risco e disponibilidade ou não para administrar sua carteira de aplicações. Em todos os casos, o mercado oferece opções para quem quer investir a longo prazo.

Mas Jayme Carvalho Jr., economista e sócio da SuperRico, faz o alerta: “Não dá pra poupar para o longo prazo com investimentos com liquidez diária atrelados ao CDI”. 

Para ele, a compra de títulos públicos como IPCA+ e do Tesouro Renda+ com vencimentos de médio e longo prazo podem atender a planos de aposentadoria. 

“Quem preferir pode ter uma gestão um pouco mais atenta destes títulos aplicando em um fundo ativo de inflação e previdência. O produto pode sair mais caro porque há um gestor trabalhando nele. Mas, em muitos casos, pode valer a pena”, afirma. 

Quer conhecer investimentos mais rentáveis do que a poupança? Confira esse curso oferecido pela B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.