Objetivos financeiros

PGBL x VGBL: qual o melhor plano de previdência privada para você

Ambas opções são investimentos de longo prazo; investidor deve se atentar a taxas e portabilidade

Mulher caminhando na praia
Quase 60% dos brasileiros não se preparam para a aposentadoria. Foto: Adobe Stock

A previdência privada é um dos investimentos mais conhecidos e mais fáceis de se fazer, já que é oferecida por vários bancos e os aportes mensais podem ser feitos por meio de débito automático.

Entretanto, para escolher entre as opções disponíveis desse investimento de longo prazo, é preciso levar em conta a atual situação financeira, período de aplicação, entre outros tópicos. Confira a seguir alguns conceitos básicos da previdência privada e as diferenças entre os planos disponíveis – PGBL e VGBL.

Como se preparar para a aposentadoria?

Segundo pesquisa do Serviço de Proteção de Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), quase 60% dos brasileiros não se preparam para a aposentadoria.

Desse modo, planos de previdência privada são uma boa maneira de planejar o futuro e não fazer parte dessa estatística. Carol Stange, educadora e consultora financeira, traça dois cenários considerando a composição de uma previdência privada:

“Há casos em que a previdência privada serve como complemento ao INSS e outros em que ela não é um complemento, mas toda a fonte de renda da aposentadoria. Esse último cenário tem mais riscos, pois é preciso que o plano de previdência privada seja iniciado com muita antecedência; além disso, os aportes precisam ter capacidade de sustentar toda a fonte de renda.”

Stange também frisa que, quando se trata de previdência privada, a constância de aportes é mais importante que a intensidade; ou seja, é melhor investir menos por mais tempo que fazer grandes, mas poucos aportes.

+ Aposentadoria: guia completo para você se planejar

Quais as diferenças entre PGBL x VGBL?

Entre o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) existe basicamente a diferença do Imposto de Renda.

No PGBL, há tributação sobre o montante total; já no VGBL a incidência do imposto é sobre os rendimentos. Só pode contratar o PGBL quem faz a declaração completa do Imposto de Renda; por esse motivo, Stange afirma que o PGBL é mais indicado para quem tem dependentes.

Importante lembrar também que no modelo completo são possíveis deduções na base de cálculo do Imposto de Renda, podendo chegar até 12% dos rendimentos tributáveis.

Ambos modelos podem seguir tabelas progressivas ou regressivas de tributação. No primeiro caso, o cálculo da alíquota fica da seguinte maneira:

  • Até 22.847,76 – isento
  • De 22.847,77 até 33.919,80 – 7,5%
  • De 33.919,81 até 45.012,60 – 15%
  • De 45.012,61 até 55.976,16 – 22,5%
  • Acima de 55.979,16 – 27,5%

Já a tabela regressiva funciona assim:

  • Até 2 anos: 35%
  • 2 a 4 anos: 30%
  • 4 a 6 anos: 25%
  • 6 a 8 anos: 20%
  • 8 a 10 anos: 15%
  • Acima de 10 anos: 10%

O que preciso saber antes de contratar uma previdência privada?

Carol Stange alerta sobre um dos erros mais comuns ao se contratar a previdência privada:

“Muitas pessoas têm o PGBL ou VGBL como seus primeiros investimentos. Ou seja, investem na previdência privada, mas sem ter uma reserva de emergência. Num imprevisto, elas são obrigadas a resgatar o dinheiro antes do tempo e podem acabar pagando um alto valor de imposto de renda.”

Outro ponto importante são as taxas cobradas por diferentes instituições: “Além taxa de administração, há a de entrada e a de saída. Isso quer dizer que toda vez que se faz um aporte, o banco fica com uma parte do valor. O mesmo acontece quando há o resgate. Então, é preciso pesquisar entre diferentes instituições para saber qual oferece o serviço mais vantajoso”, Stange recomenda.

A pesquisa pode ser feita pelo próprio investidor ou por meio de uma curadoria, isso é, quando se contrata um profissional para aconselhamento financeiro ou até recomendações de investimento.

+ Assessor, consultor e planejador financeiro: entenda as diferenças

Além das taxas, também é muito importante verificar as regras de portabilidade. Por meio desse mecanismo, é possível migrar de uma instituição para outra. Porém, a portabilidade só acontece com o mesmo plano. Por exemplo, quem possui um PGBL pode mudar de instituição, mas mantendo tal modalidade de previdência.

Para mais conteúdo sobre finanças pessoais, confira o Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.