Investir melhor

Assessor, consultor e planejador financeiro: entenda as diferenças

Profissionais ajudam clientes a entender riscos e mostram melhores maneiras de investir

Duas mulheres e um homem vestindo roupas sociais e conversando num escritório. Foto: Adobe Stock.
Homens e mulheres em ambiente de trabalho: igualdade de gênero beneficia até mesmo os homens. Foto: Adobe Stock

Contar com ajuda profissional quando se começa uma rotina de investimentos pode reduzir riscos e ajuda a traçar estratégias com maior clareza. Entre os profissionais mais conhecidos estão o assessor de investimentos, o consultor de valores mobiliários e o planejador financeiro. Abaixo, o B3 Bora Investir explica o que faz e o que saber antes de contratar cada um deles.

Qual é a função de um assessor financeiro?

O assessor financeiro é o profissional que está ligado a uma instituição, como banco ou corretora. Fabio Fukuda Marques, CFP® (Planejador Financeiro Certificado, na sigla em inglês) da Bridgen Planejamento Financeiro, define o assessor como um distribuidor de produtos, já que é sua função ofertar os tipos de investimento oferecidos pela corretora ou banco onde trabalha; também deve explicar cada um deles aos clientes. O assessor é remunerado por meio de comissões dos produtos que vende.

“Nos últimos anos, surgiram novas corretoras e, com elas, mais assessores. Graças a isso, hoje temos uma democratização dos investimentos”, avalia Marques.

O que faz um consultor de valores mobiliários?

Assim como o assessor financeiro, o consultor de valores mobiliários precisa ser certificado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Porém, ao contrário do primeiro, atua de forma independente, pois não está ligado a nenhuma instituição financeira. É função do consultor entender a realidade do cliente e propor as melhores soluções em forma de investimentos. Isso leva a uma diferença fundamental entre os dois profissionais: “o consultor pode recomendar produtos ao cliente, pensando num planejamento estratégico. Já o assessor nunca recomenda, apenas oferece e explica as opções de investimento”, pontua Marques.

Tamanha é a diferença que, de acordo com a regulação da CVM, quem atua como assessor não pode acumular a função de consultor: “trata-se de um conflito de interesses”, Marques explica, “pois quem vende e recebe comissões não pode fazer recomendação.”

Ao contrário do assessor, que é remunerado por meio de comissões, o consultor cobra pela consultoria ou recebe um percentual sobre o volume de ativos do cliente.

Qual é a função do planejador financeiro?

O planejador é o profissional que entende a vida financeira do cliente e o ajuda a traçar objetivos, sugerindo as estratégias mais seguras para alcançá-los. Investir pode ser uma estratégia ou não.

Porém, nem todo planejador financeiro pode propor que seus clientes invistam: “a regulação da CVM é clara quando diz que o planejador financeiro não pode recomendar investimentos. Para que isso aconteça, ele deve estar credenciado como consultor junto ao órgão. Hoje, é muito comum que aconteça o casamento entre as duas funções, planejador e consultor”, Marques esclarece.

+ Vídeo: Vale a pena contratar um consultor financeiro?

Assessor, consultor ou planejador: como escolher?

Fabio Marques explica que os três profissionais podem ser vistos como uma progressão em relação ao contato com o cliente. “O assessor é o que está mais distante, pois é mais focado na lista de opções oferecidas por seu banco ou corretora. O consultor está um pouco mais próximo, pois recomenda investimentos de acordo com as circunstâncias do cliente; entretanto, os produtos oferecidos pelo consultor e corretora são parecidos. Já o planejador é o que mais se aproxima do cliente, podendo falar de investimentos entre outras questões de sua vida financeira.”

Marques frisa que o ponto comum entre os três profissionais é levar em conta o perfil de risco, ou seja, todos devem avaliar o grau de tolerância a riscos de seus clientes.

Se há dúvida sobre qual profissional contratar, Jayme Carvalho Júnior – consultor, planejador financeiro e cofundador da Superrico – faz a seguinte recomendação:

“Antes de começar a investir, pode ser uma boa escolha fazer um trabalho anterior com um planejador financeiro; ele levará em conta seus objetivos financeiros e poderá dizer se investir é o melhor caminho. Se a decisão de investir já foi tomada, o assessor é o profissional mais indicado para oferecer opções de investimento tendo em vista o perfil do cliente. Por fim, o consultor oferece o serviço mais específico, mostrando onde investir, se numa corretora ou banco.”

Quer começar a investir, mas não sabe por onde começar? Confira os conteúdos da B3 Educação!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias