Notícias

Inflação nos EUA em março é a menor em quase dois anos

Preços ao consumidor tiveram alta de 5% em 12 meses, menor valor desde maio de 2021. Diante do resultado, expectativa do mercado é de manutenção dos juros no patamar atual

Dólar. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O indicador mostrou uma desaceleração em relação ao resultado do mês anterior. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A inflação dos Estados Unidos registrou um leve aumento em março, mas mostrou sinais de moderação. O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) teve alta de 0,1% no mês passado, após aumentar 0,4% em fevereiro. Os dados são do Departamento do Trabalho americano e foram divulgados nesta quarta-feira, 12/04.

O número veio abaixo da projeção dos analistas, de alta na casa dos 0,2%. “O índice de habitação foi, de longe, o que mais contribuiu para o aumento mensal de todos os itens. Isso mais do que compensou o declínio no índice de energia, que caiu 3,5% no mês. O índice de alimentos permaneceu inalterado, com o índice de alimentação em casa caindo 0,3%”, diz o comunicado.

No acumulado de 12 meses, a inflação americana registrou alta de 5%, também abaixo da expectativa de 5,1%. Esse é o menor patamar desde maio de 2021. O indicador mostrou uma desaceleração em relação ao resultado de fevereiro (6%) e janeiro (6,4%). A meta de inflação estabelecida pelo Federal Reserve (Fed) é de 2%.

INFLAÇÃO – ESTADOS UNIDOS (12 MESES)

Fonte: U.S. Bureau of Labor Statistics

O sócio fundador da Fatorial Investimentos, Jansen Costa, afirma que a perda de ritmo da inflação americana dá ao banco central americano espaço para interromper o aumento na taxa de juros, que estava previsto para o próximo mês. Os juros nos EUA estão na faixa entre 4,75% e 5% ao ano.

“O mercado vai começar a questionar essa previsão de aumento dos juros em 0,25 pontos percentuais. Se o avanço não vier, vai se começar a entender até que níveis de juros a gente vai. Os mercados devem responder positivamente na curva de juros americana e isso também é bom para o Brasil”.

Apesar dessa expectativa, o relatório do Departamento de Trabalho dos EUA destacou que, embora vislumbre uma desinflação à frente, há uma rigidez dos preços no país, principalmente no setor de serviços.

Importante notar também que o mercado de trabalho ainda forte e as mais recentes turbulências bancárias ainda pesam sobre a economia. Esses dois pontos ainda podem levar o Fed a subir os juros pelo menos mais uma vez antes de uma pausa prolongada.

Núcleo de inflação dos EUA

O núcleo da inflação americana – que exclui preços de itens voláteis como energia e alimentos – veio em linha com o esperado e caiu para 0,4%. O índice ficou abaixo dos 0,5% de fevereiro e voltou para o mesmo patamar de janeiro. Esse indicador é o mais observado pelo mercado no cálculo das expectativas de inflação.

Segundo o Departamento de Trabalho americano, na comparação anual o núcleo ficou em 5,6% – um ritmo ligeiramente mais rápido em relação com os 5,5% de fevereiro. É a primeira vez em mais de dois anos que o núcleo ficou acima da inflação geral. Em março de 2022 os preços de energia dispararam após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias