Mercado

Conheça os principais pontos da Pec da Transição aprovada na CCJ; Senado vota hoje

Impacto atual da proposta é de R$ 168 bilhões; custo do Bolsa Família será de R$ 145 bilhões e ficará fora do teto de gastos por 2 anos

Senado. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil
O impacto da proposta será de R$ 168 bilhões por ano, sendo R$ 145 bilhões para pagar o Bolsa Família fora do teto de gastos. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O plenário do Senado deve votar nesta quarta-feira, 07/12, a PEC da Transição – que dá margem no orçamento para que o governo eleito consiga pagar a partir de janeiro a parcela de R$ 600 mensais do Bolsa Família, mais R$ 150 por criança de até seis anos na família. O texto foi aprovado ontem, 06/12, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. No entanto, em um acordo firmado pelo relator, Alexandre Silveira (PSD-MG), fez mudanças na proposta.

O impacto da proposta será de R$ 168 bilhões por ano, sendo R$ 145 bilhões para pagar o Bolsa Família fora do teto de gastos; e mais um valor limite de R$ 23 bilhões para investimentos, resultado de excesso de arrecadação, que também seguirá fora do teto. Com esse novo espaço, o governo eleito pode dar também um aumento real do salário mínimo e a recomposição do orçamento de outros programas, como o Farmácia Popular. Parte desse valor, até R$ 7,7 bilhões, pode ser liberado ainda este ano para as emendas do relator, o orçamento secreto, que está bloqueado por causa do teto dos gastos.  

Para passar no Senado hoje, a PEC precisa de pelo menos 49 votos favoráveis, em dois turnos. Se isso acontecer, a proposta segue para a Câmara dos Deputados.

Veja os principais pontos da PEC.

Bolsa Família

O valor fora do teto de gastos para o Bolsa Família caiu para R$ 145 bilhões – menos R$ 30 bilhões do montante estimado pelo governo eleito. Essa redução, no entanto, não coloca em risco o programa, porque a proposta de Orçamento para 2023 já reservava R$ 105 bilhões para o Auxílio Brasil.

Prazo

O prazo de vigência dessas regras fora do teto de gastos para o Bolsa Família será de dois anos. O prazo foi reduzido durante a análise do texto na CCJ. O governo eleito queria que a medida valesse por quatro anos.

Nova Regra Fiscal

O teto de gastos vai precisar ser substituído por uma nova âncora fiscal, segundo o texto da proposta aprovado na CCJ. A PEC fixa prazo até agosto de 2023 – oito meses – para o presidente da República encaminhar ao Congresso um projeto de lei complementar “com objetivo de instituir regime fiscal sustentável para garantir a estabilidade macroeconômica do país e criar as condições adequadas ao crescimento socioeconômico”.

O teto de gastos foi criado em 2016 na gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB). Segundo o relator da proposta, a regra já não cumpre mais a sua função de “âncora fiscal”.

Orçamento Secreto

Os R$ 23 bilhões em investimentos ainda neste ano – que dá o total de R$ 168 bilhões de impacto da Pec da Transição – podem ser usados para à liberação de R$ 7,7 bilhões em emendas de relator, o orçamento secreto. Ele é chamado assim diante da falta de critérios na distribuição dos recursos entre os parlamentares. O valor está bloqueado justamente para cumprir o teto de gastos.

Outros gastos fora do teto

  • Investimentos financiados através de parcerias internacionais;
  • doações para projetos socioambientais e às mudanças climáticas;
  • doações recebidas por universidades federais;
  • transferência de recursos dos estados para União executar obras e serviços de engenharia.

Auxílio Gás

O relator Alexandre Silveira acolheu uma emenda da base governista para dispensar a União de cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal em caso de aumento de despesas com o Auxílio Brasil e o Auxílio Gás. Segundo LRF, o governo não pode criar despesas sem antes apontar uma fonte de financiamento para bancar tal ação.

Desvinculação

A proposta prorroga até 2024 a desvinculação de 30% da arrecadação com contribuições sociais para cobrir outras despesas, sem prejuízo da Previdência. O texto garante também até 2026, o limite de pagamento anual dos precatórios – dívidas da União reconhecidas pela justiça e que não cabem mais recursos.

+Teto de gastos: o que é e como afeta a economia do Brasil

Próximos passos da PEC da Transição

Após a aprovação da Pec da Transição na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, texto agora para votação no plenário. Lá a Pec precisa ser aprovada em dois turnos com no mínimo 49 votos entre 81 senadores, o que equivale a três quintos do total de parlamentares.

Aprovado, o texto é encaminhado para a Câmara dos Deputados onde também precisa passar pela CCJ, antes de ir a Plenário – onde a proposta precisa obter 308 votos, entre 513 parlamentares, ou seja, três quintos dos deputados. A votação também ocorre em dois turnos e pode ser feita no mesmo dia.

Passada essa etapa, caso o texto seja aprovado sem alterações em relação ao que veio do Senado, a proposta já poderá ser promulgada. Se houver alguma alteração, os senadores precisam votar o texto novamente.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.