Mercado

Copom deve manter Selic em 13,75% nesta quarta; saiba o que esperar do encontro

Pressão do governo por queda nos juros se soma a discussão em torno da nova regra fiscal, da piora das expectativas de inflação, escalada nos riscos de crédito e turbulências no setor bancário global

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, um homem branco, de terno e óculos, segura um microfone
O presidente do BC, Roberto Campos Neto. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A mais aguardada reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central dos últimos tempos começa nesta terça-feira, 21/03 e terá seu desfecho anunciando um dia depois, assim que o mercado encerrar as suas atividades. As projeções dos economistas preveem a manutenção da Selic em 13,75% ao ano – valor em vigor desde agosto do ano passado. No entanto, os acontecimentos das últimas semanas podem tornar a decisão da política monetária mais difícil.

No cenário internacional, a crise bancária que começou em uma instituição voltada para startups californianas (Silicon Valley Bank), em 48 horas se espalhou para a que atuava no mercado de criptomoedas (Signature Bank). Logo atravessou o globo e chegou na Suíça que viu o banco secular Credit Suisse – assolado pela falta de credibilidade e vultuosos saques de correntistas – ser vendido para o rival UBS Bank com a intervenção direta do Estado. Autoridades bancárias internacionais sustentaram que a crise é pontual e não deve atingir o sistema financeiro internacional – como em 2008. Entretanto, a instabilidade nas finanças globais permanece.

É melhor financiar um imóvel ou ficar no aluguel para sempre?

O economista-chefe da XP, Caio Megale e o analista Rodolfo Margato, afirmam que ainda não está claro o quanto os problemas bancários internacionais podem alterar o balanço de riscos do Copom.

“Os problemas bancários nos Estados Unidos e na Europa tendem a ser globalmente desinflacionários, mas podem ter um efeito negativo sobre a moeda brasileira e os preços das commodities, sem alterar de forma significativa a dinâmica da inflação doméstica”.

Para o economista e sócio da Nomos, Beto Saadia, o comunicado do Copom vai trazer o tom que o BC brasileiro vai adotar diante das turbulências bancárias internacionais. “O Cenário externo piorou e o mercado espera o tom que o comunicado vai usar para endereçar os problemas bancários recentes”.

Nova âncora fiscal

No Brasil, o Ministro da Fazenda corre contra o relógio para tentar apresentar a nova âncora fiscal antes da reunião do Copom. No entanto, a situação para Fernando Haddad tem ficado cada vez mais complicada, diante do “fogo amigo” que tem enfrentado dentro do próprio governo. Nomes do PT voltaram a pressioná-lo cobrando um texto flexível e que preveja um pouco de expansionismo fiscal para estimular o crescimento econômico. Ontem, até o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a destacar que investimentos e avanços sociais não podem ser colocados como gastos.

Hoje pela manhã, em entrevista ao site “Brasil 247“, o presidente Lula afirmou que só deve decidir sobre o novo arcabouço fiscal após retornar de sua viagem à China. Lula disse que não é preciso ter pressa e defendeu que é necessário ‘discutir mais’ o modelo.

9 dicas para se preparar e viver como um profissional freelancer

Para Jansen Costa, sócio fundador da Fatorial Investimentos, sem um arcabouço fiscal definido, a decisão do Copom será de continuidade da política monetária atual. “No curto prazo, as coisas seriam diferentes com um novo arcabouço fiscal definido e se o cenário internacional não tivesse piorado como aconteceu. Portanto a manutenção da taxa de juros é esperada e o Copom deve seguir dizendo que vai estar vigilante com as questões da inflação e da ancoragem da meta”.

Avanço das expectativas de inflação

O cenário brasileiro ainda enfrenta um movimento de alta das expectativas de inflação no curto e no longo prazo – o que pressiona para a atuação de uma política monetária que desinflacione a economia. O boletim Focus desta semana mostrou que a estimativa para a inflação em 2023 está em 5,95% (superior ao teto da meta de 4,75%) e 4,11% no ano seguinte – também acima da meta de 3%. 

Diante do quadro descrito pelos economistas do mercado financeiro, os analistas macroeconômicos da XP destacam que os dados da economia brasileira desde o último Copom foram muito ruins para a dinâmica inflacionária.

FGC inicia pagamento da garantia aos credores da BRK, liquidada extrajudicialmente pelo BC

“Os núcleos do IPCA seguem rodando perto de 6%, sem sinais de perda de força – pelo contrário, até subiram frente a dezembro. As expectativas de inflação vem subindo, se afastando das metas, refletindo o risco de sustentabilidade da dívida pública e a possibilidade de aumento das metas de inflação – atualmente em 3,25% para 2023 e 3% a partir de 2024”.

A piora nas projeções de inflação se soma a choques recentes – como o caso da Americanas – que pode trazer uma contração mais forte do que a esperada para o crédito no Brasil. “Os eventos no mercado de crédito local atingiram fortemente os mercados de capitais e o setor de varejo, embora ainda não sejam nítidos os efeitos sobre a economia como um todo”, explica os economistas da XP.

O economista e sócio da Nomos alerta que a discussão sobre alterações nas metas de inflação continuam dentro do governo. Beto Saadia explica ainda que a atuação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) subsidiando taxas de juros, pode trazer efeitos negativos para um possível abrandamento na política monetária.

“As expectativas de inflação ainda estão bem acima da meta e a discussão sobre subir a meta para 4%, ainda que tenha esfriado, deve voltar no meio do ano. Outro ponto de atenção é o ceticismo do mercado com a atuação do BNDES subsidiando taxas de juros para setores selecionados o que reduz a eficácia da política monetária”.

Juros em 2023

Diante desse quadro, as casas de análise econômica ainda mantém a projeção que a Selic possa cair para 13,25% em novembro e seja reduzida outra vez em dezembro, para 12,75% ao ano. No entanto, a possibilidade de cortes de juros mais cedo vai depender da evolução dos choques financeiros e do mercado de crédito doméstico.

“Mesmo que os choques se dissipem, o Copom pode argumentar que as taxas de juros reais ao redor de 8% são bastante elevadas, sendo possível alguma flexibilização gradual mantendo a política monetária no campo contracionista. Para isso, o Comitê precisaria de uma extensão do horizonte de convergência da inflação. Independentemente da conveniência desta estratégia, consideramos um cenário plausível no momento atual”, conclui o time da XP.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.