Notícias

Entenda a PEC da Transição que voltou a mexer com os mercados

O B3 Bora Investir explica a PEC da Transição, o impacto nos mercados e o teto de gastos. No cenário internacional, inflação recorde na Europa no radar.

Geraldo Alckmin
Presidente em exercício do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, e vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, em evento do Gabinete de Transição. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O mercado abriu em forte queda nesta quinta-feira, 17/11, dia seguinte à apresentação da ‘PEC da Transição’ pelo governo eleito. A proposta, divulgada ontem após o fechamento das bolsas, prevê gastos extras de R$ 198 bilhões em 2023 fora do teto de gastos. A falta de sinalizações do governo eleito para uma política fiscal de austeridade, preocupa os investidores e pressiona os ativos locais.

Bolsa do Brasil (B3) operava em forte queda de 2,46%, aos 107.528 pontos, por volta das 11h. Já o dólar comercial, subia 1,77%, a R$ 5,47. Na máxima intradiária, até o momento, chegou a bater R$ 5,53.

No Morning Call de hoje, o economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala, explicou que o tamanho do gasto fora do teto, acaba por pressionar as taxas de juros. “É um número acima do que se imaginava, acima do esperado e está colocando um estresse bastante forte na curva de juros. O mercado já coloca hoje a alta de juros no ano que vem”.

No início do pregão, o DI janeiro/2024 subia para 14,28%, ante 14,06%; e o DI janeiro/2025 tinha taxa de 13,74%, contra 13,37% na véspera. Para Gala, a falta de um nome para comandar a equipe econômica do novo governo também pressiona os ativos.

“Existe uma grande tensão em relação ao que vai acontecer com a regra fiscal, porque, num certo sentido, a gente não tem ainda nenhum nome da equipe econômica, nem do ministro, nem da regra fiscal, mas já tem essa PEC de transição com aumento de gasto. Então o mercado está reagindo a essa incerteza”, explica.

No cenário externo, a inflação recorde na zona do Euro em outubro também é destaque.

Entenda a ‘PEC da Transição’

Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Transição foi entregue ontem ao Congresso Nacional pelo vice-presidente eleito e coordenador da transição Geraldo Alckmin (PSB). O texto quer o valor de R$ 198 bilhões fora do teto de gastos já no orçamento de 2023.

A proposta é tirar o Bolsa Família, hoje chamado de Auxílio Brasil, do Teto de Gastos e de outras limitações fiscais como a Regra de Ouro, mas não detalha por quanto tempo. Pelo texto, o custo do Bolsa Família de R$ 600, mais um benefício adicional de R$ 150 por criança até 6 anos fica em R$ 175 bilhões.

 Como o Orçamento do ano que vem já prevê R$ 105 bilhões para o pagamento de R$ 400 mensais para o programa social, esse montante, aprovada a PEC, será liberado e redistribuído a outras ações, que ainda serão determinadas no orçamento. Esse dinheiro, segundo o governo, pode ir para a recomposição de programas como a Farmácia Popular e o reajuste acima da inflação do salário mínimo.

Em outro ponto da proposta, a ideia é aproveitar o excesso de arrecadação, em relação a 2021, para fazer investimentos públicos na ordem de R$ 23 bilhões.

“No caso de investimento, a receita extra vai uma parte para investimento, 40% vai para investimento e 60% para pagamento da dívida. Mas estabeleceu-se uma trava de, no máximo, 6,5% da receita corrente líquida, o que daria R$ 23 bilhões”, explicou Alckmin.

No Morning Call de hoje da XP, a equipe de análise política explicou que a tendência no Congresso é construir uma versão muito mais enxuta em comparação ao texto apresentado ontem.

“Os sinais crescentes de deterioração do arcabouço fiscal vigente e de significativa expansão das despesas vêm pesando fortemente sobre os ativos financeiros domésticos”.

Entenda o Teto de Gastos

teto de gastos começou a valer em 2017 com a aprovação pelo Congresso Nacional de uma emenda à Constituição. O mecanismo foi proposto um ano antes pelo então presidente Michel Temer. Na época a área econômica era chefiada por Henrique Meirelles.

O teto de gastos limita o crescimento da maior parte das despesas públicas à inflação registrada em 12 meses até junho do ano anterior. O mecanismo engloba também os chamados “restos a pagar” de orçamentos de anos anteriores. A norma inclui, além das despesas da União, a dos poderes Legislativo, Judiciário, além do Ministério Público da União e Defensoria Pública.

A PEC do teto de gastos tem vigência por 20 anos, ou seja, até 2036. A partir do décimo ano, em 2026, porém, o presidente da República que estiver no poder poderá alterar o formato de correção das despesas públicas.

O objetivo do teto de gastos é manter as contas sob controle e, assim, dar estabilidade econômica ao país com taxa de juros mais baixas, maior crescimento e emprego.

+ O que é a taxa Selic? Entenda como ela afeta seu dinheiro!

Em relação as exceções, foram fixadas algumas regras como a liberação de créditos extraordinários; transferências constitucionais aos estados, municípios e Distrito Federal; complementações ao Fundeb; e despesas da Justiça Eleitoral com as eleições.

Inflação Zona do Euro

No cenário externo, a quinta-feira é marcada pela inflação da zona do euro em outubro. O resultado veio um pouco mais baixo do que o informado anteriormente, mas ainda permaneceu em nível recorde. O aumento dos preços da energia segue como principal vilão do bloco, segundo os dados do escritório de estatísticas da União Europeia.

+ Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem as taxas de juros?

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) avançou 10,6% em outubro, na comparação anual. O resultado veio um pouco abaixo da alta de 10,7%, prevista pelo mercado.

Os países que registraram taxas mais baixas em 12 meses foram França (7,1%), Espanha (7,3%) e Malta (7,4%). Já as mais altas ficaram com a Estônia (22,5%), Lituânia (22,1%) e Hungria (21,9%).

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias