Mercado

Ibovespa alcança maior patamar intradiário desde agosto de 2021

Mercado brasileiro repercute sinais de desaceleração da inflação nos EUA

O índice Ibovespa marcou a máxima de 123.317 pontos nesta terça-feira (14/11), o maior nível intradiário (operações de compra e venda em um mesmo pregão) de 2023 e maior patamar desde agosto de 2021.

No mês de novembro, até o dia de hoje, o Ibovespa acumula uma alta superior a 9,5%. Segundo cálculos do consultor independente Einar Rivero, a valorização na comparação com o ponto mais baixo do ano, em 23 de março de 2023, é de 25,8%.

Ibovespa atinge a melhor pontuação em 2023, atingindo níveis semelhantes aos de agosto de 2021
Ibovespa atinge a melhor pontuação em 2023, atingindo níveis semelhantes aos de agosto de 2021.

Arrefecimento da inflação nos EUA sustenta alta

A alta acontece em reação aos dados de inflação nos Estados Unidos. Segundo números divulgados mais cedo pelo Departamento do Trabalho, o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, da sigla em inglês) ficou estável no mês passado na comparação com o anterior. O resultado também indica uma desaceleração em relação ao avanço de 0,4% em setembro e ao 0,6% registrados em agosto.

taxa de inflação anualizada também perdeu ritmo para 3,2% em outubro, depois de marcar 3,7% em setembro. O valor ficou abaixo do consenso dos analistas. Outra boa notícia é que o chamado núcleo de inflação desacelerou para 4% nos 12 meses terminados em outubro. Essa é a menor expansão desde setembro de 2021.

Isso fez o mercado global reforçar suas apostas de manutenção das taxas de juros norte-americanas. A chance do Federal Reserve (Fed) manter inalteradas as taxas na próxima reunião, que acontece em dezembro, saltou de 85,9% para 95,3%, conforme monitoramento do CME Group.

Acompanhando os sinais positivos nas bolsas globais, os juros dos Treasuries têm queda firme e o dólar se enfraquece de maneira generalizada. Mais cedo, o dólar contra o real bateu a mínima de R$ 4,8486. O DXY, que mede a variação do dólar ante uma cesta de seis moedas fortes, cai mais de 1%.

B3 pede à Magazine Luíza esclarecimento sobre suposto aumento de capital de R$ 2 bilhões

Outra notícia que movimenta o mercado brasileiro nesta terça-feira envolve a Magazine Luiza. Mais cedo, circularam rumores de que a varejista avalia fazer um aumento de capital privado da ordem de R$ 2 bilhões. A família Trajano, controladora do grupo, seria responsável por cerca de metade desse montante.

Em teleconferência de resultados pela manhã, os executivos da Magalu negaram a informação. A B3 pediu esclarecimentos à empresa, com o prazo para resposta até quinta-feira, dia 16.

Além da notícia sobre o possível aumento de capital, o balanço do terceiro trimestre da varejista trouxe o reconhecimento de uma inconsistência contábil de quase R$ 830 milhões, recebida com bastante aversão pelo mercado. A ação chegou a desabar 10% nas primeiras horas do pregão.

*Com Agência Estado

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.