Notícias

Inflação nos EUA fica estável em outubro e tira pressão sobre juros

Na base anual, índice desacelerou para 3,2%, abaixo do esperado pelo mercado. Núcleo de inflação, que exclui alimentos e energia, teve a menor expansão em dois anos

Dólar. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O dólar, a moeda dos EUA, é a mais valiosa do mundo. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O mercado financeiro global começou a terça-feira, 14/11, com um sentimento de alívio que não se via há meses. O respiro veio diante da estabilidade da inflação nos Estados Unidos registrada em outubro.

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, da sigla em inglês) ficou estável no mês passado na comparação com o anterior. É também uma desaceleração em relação ao avanço de 0,4% em setembro e aos 0,6% registrados em agosto.

Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem a taxa de juros?

Os dados são do Departamento do Trabalho americano e vieram abaixo da expectativa do mercado, que previam uma alta de 0,1%.

A taxa de inflação anualizada também perdeu ritmo para 3,2% em outubro, depois de marcar 3,7% em setembro. O valor também ficou abaixo do consenso dos analistas, que era de 3,3%.

O chamado núcleo de inflação – que exclui do índice itens mais voláteis como alimentos e energia, além de apontar uma tendência para os preços – subiu 4% nos 12 meses terminados em outubro. Essa é a menor expansão desde setembro de 2021, abaixo dos 4,1% no mês anterior e da previsão dos analistas.

Os preços mais baixos da gasolina explicam a desaceleração da inflação. Houve queda também de 4,5% no subíndice de energia. Por outro lado, a alimentação subiu 3,3% na comparação anual, maior valor desde julho, o que ainda preocupa os economistas.

Os preços de moradias voltaram a avançar em outubro, com alta de 0,3%, mas com metade do ritmo registrado no mês anterior. Essa medida tem impacto de um terço no índice de inflação americano.

Para o economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala, a inflação nos EUA abaixo do esperado traz uma perspectiva muito boa para o mercado financeiro. (ver mais abaixo)

“É uma boa notícia que vem na sequência daquele payroll de 150 mil vagas criadas, mostrando o mercado de trabalho americano mais fraco”.

Juros não sobem mais em 2023

A estabilidade da inflação em outubro, após os preços atingirem o maior valor em quatro décadas no ano passado, sinaliza para o mercado que o Federal Reserve não deve elevar mais os juros neste ano.

O presidente do BC americano, Jerome Powell, disse recentemente que a autoridade monetária ficaria de olho nos números da economia americana, e que não hesitaria em voltar a elevar os juros se necessário.

Para os próximos meses, os analistas apontam que o mercado de trabalho terá um papel fundamental para os rumos da inflação no país. Com mais americanos empregados, os gastos com produtos e serviços sobem e pressionam a inflação.

Vale lembrar que a taxa de desemprego avançou em outubro para o nível mais elevado desde o início do ano. No entanto, pesquisas mostram que o sentimento do consumidor para ir às compras perdeu ritmo, o que é um bom sinal para os preços.

Impactos no mercado

Diante do resultado de estabilidade na inflação americana, os mercados financeiros globais reagiram com euforia.

Por volta do meio dia, a Bolsa do Brasil (B3) operava em forte alta de 2,10%, aos 122.941 pontos. O dólar comercial despencava 1,18%, cotado a R$ 4,85. As bolsas americanas exibiam altas fortes: Dow Jones subia 0,98%, S&P 500 avançava 1,24% e a Nasdaq saltava 1,62%.

Os juros dos títulos do Tesouro Americano (Treasuries) passaram a exibir forte queda. O rendimento do T-note de 2 anos (curto prazo) desacelerou para 4,88%, ante 5,04%. Já o T-note de 10 anos (longo prazo) recuava para 4,47%, de 4,63% na véspera.

“Esse movimento nos ativos deve seguir. Isso tanto na bolsa brasileira, na moeda, quanto em títulos públicos e recuperação das bolsas americanas”, conclui Gala.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias