Mercado

Ibovespa fecha em queda de 1,40% e chega ao menor nível neste ano; dólar sobe

É a menor cotação do principal índice do mercado acionário desde novembro de 2023

Sede da Bolsa de Valores em São Paulo, com grande telão mostrando as cotações das ações. Foto: Divulgação/B3
Ibovespa fecha em queda de 1,40% nesta quarta-feira (12). Foto: Divulgação/B3

O Ibovespa fechou em queda de 1,40%, aos 119.936,02 pontos nesta quarta-feira (12/06). Já o dólar teve alta de 0,84%, cotado a R$ 5,40. É a menor cotação do principal índice do mercado acionário desde novembro de 2023. A combinação de risco doméstico, cotação do dólar e falas duras de Jerome Powel sobre eventual corte de juros nos EUA pesou sobre a bolsa de valores.

Se a inflação abriu uma expectativa de corte de juros nos EUA pelo mercado, a coletiva do presidente do Fed amenizou os ânimos sobre quantidade de cortes.

Ibovespa

O Ibovespa apresentou ganhos no início da manhã, com a divulgação da inflação americana, mas devolveu a alta e aprofundou em queda ao longo do pregão.

Pesou sobre o mercado um aumento de percepção de risco no Brasil. Para Felipe Moura, analista da Finacap, o mercado “vive um momento delicado”, à medida em que investidores retiram o “benefício da dúvida sobre o arcabouço fiscal”.

A devolução da Medida Provisória do PIS/Cofins também contribuiu para que a Faria Lima visse fragilidade na posição do ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

“O mercado tem sido guiado totalmente pelo lado político e fiscal e está vendo sinais renovados de fraqueza do Haddad após essa devolução da medida provisória do PIS/Cofins”, nota um gestor de renda fixa.

No Ibovespa, duas ações de maior peso no índice registraram queda. O papel da Vale (VALE3) recuou 1,38%. A mineradora chegou a um acordo para reparação de danos provocados pelo rompimento da barragem de Mariana em R$ 103 bilhões.

Ao mesmo tempo, as ações da Petrobras caíram no pregão: o papel PN recuou 2,41%, enquanto o ON cedeu 2,10%.

O setor financeiro registrou queda generalizada, com desvalorização das ações de Bradesco (BBDC3;BBDC4), Banco do Brasil (BBAS3), Itaú Unibanco (ITUB4) e Santander (SANB11).

Dólar

O dólar, que reagiu ao CPI e chegou a cair após o dado, reverteu o sinal e passou a subir com firmeza, quebrando a barreira de R$ 5,40 na máxima intradiária.

Assim, o dólar bateu R$ 5,4066 ao final do pregão, em alta de 0,86%. A moeda norte-americana foi influenciada pelo tom do comunicado do Fomc (Comitê de Política Monetária) do Fed, explica Matheus Spiess, analista da Empiricus Research.

Na contramão do Brasil, o dólar perdeu força no cenário internacional com dados de inflação mais fraca que o esperado nos Estados Unidos. O índice DXY, que compara a moeda com pares de economias importantes pelo mundo, recuou 0,48%, a 104,78 pontos.

Ações em alta

A ação com maior desempenho na bolsa de valores, sob critério de mais de mil operações de compra e venda durante o pregão na B3, foi a da Embraer (EMBR3). O papel registrou alta de 3%.

A ação da Embraer “operou em alta basicamente pela valorização do dólar e demanda bem positiva”, diz Christian Iarussi, sócio da The Hill Capital.

Confira a seguir as cinco principais altas.

  1. Embraer ON (EMBR3): +2,99%
  2. Plano&Plano ON (PLPL3): +2,17%
  3. OceanPact ON (OCPT3): +2,17%
  4. Dasa ON (DASA3): +2,15%
  5. Random Participações PN (RAPT4): +2,08%

Ações em baixa

Por outro lado, mantendo o mesmo critério de quantidade de operações da lista anterior, o menor desempenho foi a ação da Viveo (VVEO3). O papel caiu 11%.

Logo em seguida, veja a lista das cinco ações em baixa.

  1. Viveo ON (VVEO3): -10,98%
  2. Magazine Luiza ON (MGLU3): -7,96%
  3. Light ON (LIGT3): -7,23%
  4. Oi BR ON (OIBR3): -7,14%
  5. Cogna ON (COGN3): -7,14%

Bolsas de Nova York

As bolsas de Nova York se afastaram das máximas intradiárias e fecharam sem direção única, nesta quarta-feira (12), ainda que os índices S&P 500 e Nasdaq tenham batido novos recordes de fechamento pelo terceiro pregão consecutivo. As ações em Wall Street perderam fôlego com a decisão de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), as novas projeções da entidade e os comentários do presidente da autoridade monetária, Jerome Powell, após a inflação ao consumidor americano abaixo do esperado em maio impulsionar os ativos de risco.

Assim, o índice Dow Jones fechou em queda de 0,09%, a 38.712,21 pontos; o S&P 500 subiu 0,85%, a 5.421,03 pontos; e o Nasdaq avançou 1,53%, a 17.608,44 pontos.

Bolsas da Europa

As bolsas da Europa fecharam em alta expressiva nesta quarta-feira (12). Os índices já eram negociados em terreno positivo pela manhã e aceleraram a alta depois do índice de preços ao consumidor (CPI) de maio dos EUA mostrar um resultado menor que o esperado pelo mercado. Agora, os investidores esperam a decisão de juros do Federal Reserve (Fed), os comentários do presidente da autoridade monetária, Jerome Powell e as novas projeções do Sumário de Projeções Econômicas (SEP).

No fechamento, o índice Stoxx 600 subiu 1,15%, a 523,22 pontos. Enquanto isso, o FTSE 100, da Bolsa de Londres, avançou 0,83%, a 8.215,48, o DAX, de Frankfurt, escalou 1,49%, a 18.644,27 pontos. Por fim, o CAC 40, de Paris, anotou ganho de 0,97% a 7.864,70.

*Com informações do Valor Econômico

Para conhecer mais sobre finanças pessoais e investimentos, confira os conteúdos gratuitos na Plataforma de Cursos da B3.